Receitas, despesas e dívidas do Flamengo - explicações sobre os números divulgados hoje

O GloboEsporte publicou hoje duas matérias (aqui e aqui) baseadas em um estudo da Casual Auditores Independentes sobre as finanças dos clubes brasileiros. A empresa - que, aliás, é responsável pelo "parecer dos auditores independentes" que consta nos dois últimos balanços do Flamengo - já vem fazendo anualmente este trabalho sobre faturamento, despesas e endividamento dos grandes clubes do país, baseando-se nos dados de seus balanços.

No caso do Flamengo, que aparece como segundo clube mais endividado do país, quarto em faturamento em 2009 e quarto em despesas, os números pedem uma explicação um tantinho mais detalhada - especialmente depois de eu ler o comentário que o Bruno deixou, por conta destas matérias, no último texto aqui do blog:

Monnerat

Voce que gosta:

Tabelas das receitas e despesas do Flamengo
- aumento arecadação em 28 milhoes
- diminuição despesa de 27 milhoes
E mesmo assim fechamos no vermelho
Negocio esta complicado!!!

O negócio está complicado, é fato. Mas os números que o Bruno citou, que estão na matéria, não são auto-explicativos.

A conta do Bruno sobre a diminuição de despesa, por exemplo, vem dos seguintes números que estão na matéria:

- Despesas em 2007: R$148 milhões
- Despesas em 2008: R$121 milhões

Porém, isso não é exatamente a realidade. Os números de 2007 estão inflados porque ocorreu naquele ano o reconhecimento de uma dívida grande do Flamengo com o Estado, por conta da Timemania - era uma dívida que já existia, mas não entrava em balanço antes. Por isso, formalmente o déficit do Flamengo em 2007 foi de astronômicos R$59 milhões - mas isso não aconteceu porque o clube realmente gastou tudo isso a mais do que ganhou. Na verdade, as despesas "operacionais" do clube (coloco entre aspas porque inclui - discriminadas no balanço - foram de R$84,6 milhões, sendo R$55,4 pelo futebol (R$46,3 milhões com o pessoal).

Em 2008, estas despesas foram de R$114 milhões, sendo R$91 milhões com o futebol, R$63,6 milhões com o pessoal. Ou seja: na verdade, as despesas do clube de um ano pro outro cresceram em R$27 milhões - exatamente o contrário do que os números puros e simples que a Casual divulgou levam a crer. Só no futebol, de 2007 pra 2008 o aumento de despesas foi de impressionantes 64% - o que ajuda bastante a explicar que a dívida tenha crescido em quase R$40 milhões de um ano pro outro.


* * * * * * * * * * *


Quanto às receitas, os números divulgados no estudo são:

- Receitas em 2007: R$89,5 milhões
- Receitas em 2008: R$117,9 milhões

O que daria o tal crescimento de R$28 milhões na arrecadação. Mas aí também há um porém: os números de 2008 estão inflados pela venda de Renato Augusto, em valores que o Flamengo nunca conseguiu nem próximos até então em nenhuma negociação - e nem vai conseguir este ano, claro. Assim, ano passado foram R$27,7 milhões arrecadados em vendas de jogadores, contra R$9,2 milhões do ano anterior. Ou seja: do crescimento de R$28 milhões, mais de R$18,5 foi só nesse tipo de transação - algo que certamente não se sustentará para este ano. O resto do aumento de arrecadação se deve principalmente à bilheteria (R$7 milhões a mais) e ao marketing (R$4,5 milhões - difícil de especificar exatamente de quê).


* * * * * * * * * *

O balanço do Flamengo referente a 2008, que entrou neste estudo da Casual, foi divulgado no fim de abril deste ano - eu escrevi bastante sobre ele aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

4 comentários:

Tiago Cordeiro disse...

Como sou péssimo números continuo sem entender mto bem, mas é fato q em 2008 fomos o clube com a segunda maior folha?

André Monnerat disse...

Tiago, até deixei este comentário lá no FlamengoNet.

O que este estudo da Casual compara são os gastos totais de cada clube. Não está lá só a folha - está compra de jogadores, passagens, manutenção de estádio, limpeza de piscina, ração pros cachorros, tudo. E é tudo número retirado dos balanços oficiais publicados pelos clubes, é essa a fonte.

A comparação que eu já fiz, abrindo os balanços dos clubes, foi de folha de pagamento do futebol - somando salários, direito de imagem etc. E aí o Flamengo era mesmo o segundo maior, pertinho do São Paulo, bem acima de Inter e Palmeiras.

Acho que o Olhar Crônico Esportivo já publicou por lá também este tipo de comparação.

Bruno disse...

Monnerat
Que Moral hein! Participei ate de um post!
Concordo contigo, de fato voce veio me lembrar de uma situação que eu ja tinha esquecido ( em relação a divida reconhecida da timenania)no qual a reportagem de hoje não aborda!
Entretanto, mesmo o Flamengo sendo obrigado a reconhecer essa divida para fazer parte da timemania, há de concordar que uma situação é ter uma divida é ter uma divida com o estado(pode ser questionada seu valor, etc.) outra é reconhece-la, ou seja, obrigado a pg a especifica divida mesmo que voce não concorde com o valor.
De certo modo teve um crescimento de despesa "inesperadas"(mas a maior parte foi operacional e ADM como voce escreveu)!
A questão é que infelizmente não é trabalhada pelos nossos dirigente uma maneira de equacionar essa parte da divida do Flamengo!
Eu espero que algum candidato tem um projeto para resolver esse problema

Obs.: Ainda considero que a melhor forma era vender nossa divida via projeto socio torcedor, possivel de ocorrer graças ao sucesso dos socio torcedores de outros clubes!

Tiago Cordeiro disse...

Valeu, Monnerat. Acho q agora entendi.