Brasileiro 2011 - 27a. rodada - São Paulo 1 x 2 Flamengo

Não foi uma exibição de gala, mas foi a melhor atuação do Flamengo desde o final do primeiro turno. Uma vitória que pode servir para o time readquirir de vez sua confiança e tranquilidade.



* * * * * * * * * *

Flamengo e São Paulo, times que estão no pelotão de cima do campeonato desde seu início, têm pontos em comum e outros bem distintos em seu jeito de jogar. Na escalação, sempre foram parecidos pela pouca quantidade de jogadores para atacar. Mas tiveram ao longo de suas campanhas estilos bem diferentes: enquanto o Flamengo procura ter a bola e trocar passes, mesmo que sem objetividade, para ter o controle do jogo, o São Paulo era de marcar atrás e sair em velocidade, tentando definir as partidas em contra-ataques com seus únicos dois homens de frente. As características de Lucas e Dagoberto favorecem este tipo de jogo.

Ontem, porém, com a estreia de Luís Fabiano, Adílson Batista começou a tentar mudar o jeito de seu time jogar. O São Paulo, jogando em casa e com um centroavante de ofício como titular, tentou tomar a iniciativa do jogo. Até conseguiu, no primeiro tempo, rondar a entrada da área do Flamengo com frequência. Mas, sem abrir mão do trio de volantes e sem um armador de verdade em seu meio-campo, teve dificuldades para realmente penetrar na defesa rubro-negra. Apesar do aparente domínio, teve uma única grande chance de marcar, num chute de Luís Fabiano que Alex Silva cortou antes que chegasse ao gol. Pode ser que seu novo grande reforço torne mesmo o São Paulo um time bem mais forte, mas será preciso um trabalho maior para acostumar seu time a jogar de uma maneira diferente.

O Flamengo, apesar de continuar atacando com pouca gente, apesar do excesso de passes laterais em seu campo que sempre acabavam terminando em algum lançamento longo e errado de um de seus zagueiros, acabou tendo mais oportunidades de marcar no primeiro tempo. Isso graças a Ronaldinho Gaúcho, que deu dois passes perfeitos para Deivid e Thiago Neves concluírem na cara do gol. O empate não foi nenhum absurdo, mas o Flamengo poderia ter saído na frente ainda antes do intervalo.

E o segundo tempo foi um jogo totalmente diferente, com muita influência do árbitro e dos técnicos. Lucas foi expulso em sua segunda falta, de maneira talvez muito rigorosa. Luxemburgo, desta vez, rapidamente decidiu que era a chance do Flamengo partir para a vitória e inteligentemente sacou Aírton - que já tinha amarelo e poderia ser expulso para compensar a qualquer momento - para colocar um atacante a mais. Do outro lado, Adílson foi medroso em excesso e, depois da expulsão de um homem de frente de seu time, substituiu outro por um volante. O resultado foi óbvio: Dagoberto ficou isolado na frente, o São Paulo recuou demais e deixou o Flamengo pressionar.

E as chances de gol apareceram, mas não por uma grande atuação coletiva do time, mas novamente pelo brilho individual - desta vez de alguém de quem não se espera tanto. Se no primeiro tempo elas surgiram graças a Ronaldinho, no segundo foi a vez de Júnior César. Foram três cruzamentos perfeitos, que acabaram se transformando em apenas um gol porque Deivid não conseguiu superar a grande atuação de Rogério Ceni. Mas Thiago Neves, que também já havia perdido duas grandes chances antes, acabou conseguindo fazer o 1x0.

Só que o jogo voltou a mudar graças a mais uma expulsão, desta vez de Willians - era previsível que alguém do Flamengo acabaria sendo expulso mesmo. Foi a vez do técnico do São Paulo colocar o time pra frente com substituições e do Flamengo recuar demais. A dificuldade de penetração dos são-paulinos continuou, mas a bola ficava perto demais da área rubro-negra. E Dagoberto acabou empatando num golaço, chutando de fora.

O jogo a partir daí se reequilibrou e a vitória do Flamengo, justa por ter sido o time que mais chances claras de gol teve, saiu num lance de acaso: Renato chutou de muito longe, não muito bem, mas Carlinhos Paraíba deu um desastrado carrinho no meio da trajetória da bola e a desviou pra dentro do gol.

Ainda não foi uma grande atuação, mas o time ao menos voltou a apresentar o que tem de bom neste estilo de jogo que escolheu desde o início do campeonato. Aparentemente, a vitória contra o América serviu ao menos para tirar um peso das costas dos jogadores e o time esteve mais tranquilo em campo. E, ao contrário de rodadas anteriores, desta vez realmente jogou pra vencer quando teve a chance, em vez de se contentar com o empate. Foi a melhor atuação do time desde a já distante vitória sobre o Cruzeiro, ainda no primeiro turno.

É torcer para que a vitória fora de casa contra um adversário direto dê mais confiança ao time para voltar a ir somando vitórias e pontos até o final. Mas vamos ver como Luxemburgo vai se virar no Fla-Flu - mais um confronto direto, mas no qual ele obrigatoriamente vai ter que mudar o time graças aos desfalques de Aírton, Willians e Ronaldinho. A escalação que escolher vai dizer muito sobre a real vontade de vencer.


* * * * * * * * * *

Ah sim: não dá pra não citar a absurda amarelada do juiz ao não expulsar Dagoberto, logo após seu gol. O amarelo por tirar a camisa na comemoração foi óbvio e, em seguida, ele praticamente implorou pelo cartão vermelho com uma falta grosseira logo na saída de bola. Foi um lance tão claro que o juiz merece uma punição da CBF nessa aí.





2/10/2011 - 16h - São Paulo 1 x 2 Flamengo
Morumbi - São Paulo, SP
Público total e renda: 63.871 pessoas/ R$2.647.330,00


Árbitro: Fabrício Neves Correia (RS)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Júlio César Rodrigues Santos (RS)
Cartões amarelos: Lucas, Wellington, Dagoberto (SPO); Aírton, Willians (FLA)
Cartões vermelhos: Lucas, 9'/1ºT (SPO); Willians, 24'/2ºT (FLA)

Gols: Thiago Neves, 18'/2ºT (0-1); Dagoberto, 33'/2ºT (1-1); Renato Abreu 39'/2ºT (1-2)

São Paulo: Rogério Ceni; Wellington, João Filipe, Rhodolfo e Juan; Casemiro (Henrique, 13'/2ºT), Denilson, Cícero (Rivaldo, 25'/2ºT) e Lucas; Dagoberto e Luis Fabiano (Carlinhos, 14'/2ºT). Técnico: Adilson Batista

Flamengo: Felipe, Rafael Galhardo, Alex Silva, Welinton, e Junior Cesar (Maldonado, 24'/2ºT); Aírton (Diego Maurício, 11'/2ºT), Willians, Renato e Thiago Neves (Fierro, 29'/2ºT); Ronaldinho Gaúcho e Deivid. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

3 comentários:

Gabriel Folha disse...

Uma vitória permeada por todos os defeitos que o time apresenta desde o início do ano. A falta de gente pra atacar chega a ser irritante.

Porém, as subidas do Junior Cesar podem ter escancarado mais a solução desse problema, que é ter gente pra atacar. Foi dito na transmissão que o Luxa insistia com o Galhardo pra que subisse pro ataque. Se os dois laterais resolverem, finalmente, atacar, as coisas podem ficar menos piores.

Mas o maior problema - que talvez explique a quantidade absurda de empates - é a completa falta de vontade de atacar depois de ter feito um gol. O time que já é extremamente defensivo fica ainda mais covarde quando acha um gol na frente.

Isso não tenho esperança que mude.

André disse...

O que aconteceu foi bem o descrito no post.

Uma coisa boa que escutei durante a transmissão da globo é que o Luxemburgo reconhece a sua falha ao montar no início do ano o elenco sem um atacante de velocidade.

Pelo menos ele enxerga os problemas. Falta agora tomar a ação necessária que é buscar ou um atacante de velocidade ou um meia de velocidade ou os 2 que seria o ideal.

Ontem tivemos algumas atuações impressionantes de jogadores que vinham tendo atuações desastrosas: Júnior César e Wellinton. O primeiro no segundo tempo foi um lateral que há muitos anos eu não via. Já o Wellinton não falhou uma única vez e ganhou praticamente todos os lances. Talvez devêssemos dar força para o garoto...talvez...

E não posso deixar de comentar: Que #@%%!@#%¨$&%*&$¨%$¨esse Rogério Ceni!!! A certa altura do jogo eu já estava achando milagre. Tá certo que o centroavante era o Deivid, mas desta vez não se pode dizer que ele perdeu os gols...o cara finalizou certinho e o P...do Rogério buscou todas...todas...

Uma pena o Ronaldinho nos desfalcar no Fla-Flu. Estamos num bom momento e sua presença é de vital importância para o setor ofensivo do time. Vamos ter que nos virar sem ele...

thais disse...
Este comentário foi removido pelo autor.