Petkovic no Flamengo é uma boa

Sei que muitos trataram apenas como chacota a possibilidade de Petkovic voltar ao Flamengo. E agora, que a coisa se confirmou - o que pensar?

Parece óbvio que a contratação não é pra ser encarada principalmente pelo ângulo de "reforço para o elenco". Tanto é que a negociação não foi tocada pelo departamento de futebol, que nem se meteu no caso. A avaliação, pra saber se valia ou não a pena, não era técnica - e sim econômica.

No ano passado, está no balanço do clube, o Flamengo pagou a Petkovic mais de R$5 milhões em dívidas. Segundo as notícias que correm por aí, ele ainda cobrava entre 15 e 18 milhões - como diabos o Flamengo conseguiu dever tanto (dava pra construir o CT!) pra um só empregado é coisa que realmente me escapa. Hoje, 15% de todas as bilheterias iam pras contas do gringo. Sem patrocínio, com receitas da TV todas adiantadas, as bilheterias de jogo são das poucas fontes de dinheiro entrando com alguma regularidade no clube - e a dívida com Pet era mais um gargalo.

Se a negociação conseguiu acabar com isso, e ainda reduzir o valor da dívida total pela metade, como li em dois lugares diferentes, foi um ótimo negócio, com uma visão correta do que o Flamengo está precisando agora. Pelo que li, a dívida com uma empresa de segurança, que igualmente penhorava a grana que vinha do Maracanã, também foi renegociada - o que mostra que estão trabalhando onde o clube mais precisa: dar uma solução pras suas dívidas de curto prazo, as que inviabilizam as contas do clube. Em princípio, só pelo que sai na imprensa, fico satisfeito.

E gostei muito desta declaração de Delair Dumbrosck: 

"O acordo foi bom para o clube. A caneta hoje está comigo e eu preciso resolver os problemas do Flamengo. Na hora que o treinador vai embora, o treinador não leva seu jogador junto", emendou o dirigente.

A própria diretoria está escondendo o jogo na hora de revelar exatamente as condições em que foi feito o contrato. Mas, por tudo o que está saindo por aí, não tenho o que contestar.


E pro time?

Na verdade, Petkovic não tem uma fase realmente boa desde o Brasileiro de 2005, no Fluminense - e, mesmo nas Laranjeiras, sua trajetória foi muito irregular. De lá pra cá, acabou no banco no Goiás, no Santos e no Atlético Mineiro (embora, ano passado, tenha chegado a ser líder de assistências do Brasileiro).

Então, por que acreditar que agora, mais velho, com meses sem jogar, seria diferente? Pet não é solução pra nada, está claro. Por mais que se anseie por um armador de verdade pra este time, não dá pra começar a ficar imaginando escalação titular incluindo ele entre os onze.

Mas, em encarando como uma opção de banco, com um custo razoável - o contrato, pelo que se fala, será inclusive baseado em produtividade, algo mais do que correto pra alguém com o perfil dele -, mal não vai fazer. Ele pode vir a ter um papel parecido com o de Roger, em 2007 - esquecendo o quanto custava de salário, ele foi útil ao entrar durante vários jogos e conseguir pontos decisivos para a classificação para a Libertadores. Como Roger, Pet é um jogador difícil de contar pra valer em jogos inteiros, especialmente aqueles mais duros; mas que tem técnica e visão de jogo acima da média e pode resolver a parada num passe ou numa bola parada.

O ponto contra colocado por muitos é a questão de disciplina - mas isso é algo que, sinceramente, não me preocupa. Pet está vindo sabendo que está por baixo. No Atlético Mineiro, por exemplo, ficou no banco num time muito mais fraco que o Flamengo de hoje e não me lembro de notícias de confusão por conta disso.

É isso: a vinda de Pet representa a solução para uma dívida pesada. E, de bônus, pode render um ou outro gol de falta. É até provável que, em campo, não dê em nada. Mas tá valendo.


6 comentários:

Pablo Alcântara disse...

Concordo com vc. E ele sabe que não pode cobrar titularidade, nem querer jogar 45 minutos, porque simpeslemten não tem prenas, fôlego. É um fato biológico. Ele quer é terminar a carreira no único time que ele certamente será lembrado para sempre. No maior time que jogou. Por isso, 'comprou essa vaga'. Simples. Vai entrar no finzinho dos jogos pra bater falta e cobrar penalti. Nem ele mesmo vai querer queimar o filme, não. proclube, diminuir a dívida, parar de ter a renda usurpada? Ótimo.

Carlos Muniz disse...

Falei coisa parecida no comentário do post do Ledio Carmona no seu blog... Acho uma ótima pro Flamengo em termos econômicos e bom pro Pet na questão de voltar a ter uma chance no futebol.

Além disso ele pra bolas paradas, visão de jogo, passe... descansado e jogando alguns minutos, já pode render muita coisa

O Cuca reclamava de armador... já ajuda.

André Amaral disse...

Vendo pelo lado financeiro, foi muito vantajoso, mas dentro de campo é um tiro no escuro.

Hoje ele é um ex-jogador em atividade, mas se entrar em forma, fizer um trabalho rigoroso de preparação física, jogar só 45 minutos está de bom tamanho.
Pelo menos nas bolas paradas, Pet entende do assunto.

Agora, o problema é que o Cuca não pediu essa contratação. Fica claro que ele acertou com o Flamengo muito mais pelo aspecto financeiro do que pela capacidade dentro de campo.

Ou seja, o presidente Delair passou por cima de toda a equipe de futebol, para resolver a pendência financeira.
Como o Cuca vai reagir com um jogador que ele não pediu?

Abraço.

Lucas Dantas disse...

André, o valor da dívida, segundo o Flamengo, é de 10 milhões. Não 5. Abateu-se até hoje, apenas 1,4 milhão, ainda segundo o Flamengo.

Com isso, são 8.6 a pagar. As informações que tenho não vieram da imprensa, mas de dentro do clube. O Flamengo passará 3 anos pagando através de cotas antecipadas.

André Monnerat disse...

Lucas, você entendeu errado o que eu escrevi.

Não disse que o valor da dívida é R$5 milhões - e sim que o Flamengo pagou no ano passado R$5 milhões dessa dívida. É um dado que está em balanço.

Marcos Monnerat disse...

Olha, quer saber, eu acho que o Delair deveria mandar um sonoro foda-se para o Cuca se ele reclamar que não pediu a contratação do Pet.

Além disso eu acompanharia de perto os treinamentos para pedir satisfações ao técnico caso o sérvio não tenha oportunidades se estiver treinando bem.

O técnico tem que treinar o time com os jogadores que o clube oferece. E não montar o time com os seus amigos.

Vimos isso no Flamengo várias vezes e quase nunca deu certo. Não esqueçam da república do pão de queijo do Ney Franco.

O Cuca já anda querendo botar chorões na Gávea há um tempo. A sorte é que o clube não está conseguindo concretizar as transações.

O Pet, jogando bem por 20 minutos, é melhor do que qualquer outro Erik Flores, Éverton, Zé Roberto jogando mal os 90.