Campeonato Brasileiro - 2a. rodada - Flamengo 0 x 0 Avaí

Pelo que o time mostrou em campo, dá pra eliminar o Inter; mas pela falta extrema de gols, não dá pra cravar vitória nem contra o Avaí, no sábado.

A minha conclusão, no texto falando sobre o Flamengo x Inter de quarta-feira, acabou sendo tristemente profética. É o terceiro jogo seguido sem um golzinho sequer - de atacante, de meia, contra, de bola desviada, o que seja. E assim não dá mesmo pra ganhar de ninguém. Mas, além da continuidade desta rotina desagradável, ainda foi péssimo ver que o desespero com a situação tomou conta do time e do treinador ao longo do jogo - o que não ajuda em nada.

No primeiro tempo, apesar da lentidão na saída da defesa e da falta de movimentação que fazia com que quem estivesse com a bola precisasse sempre carregá-la demais, o time até teve suas chances e poderia ter saído em vantagem, sem ser muito ameaçado. 

No segundo, de início, o domínio continuou, algumas oportunidades surgiram e foram protocolarmente desperdiçadas. E foi aí que Cuca acabou com o time. 

Tirou Íbson, que não estava pior que ninguém e será sempre o jogador mais apto a chamar a responsabilidade em momentos difíceis, e colocou Erick Flores - que Cuca insiste, que muitos pediram bastante como titular, mas simplesmente não está pronto pra resolver nada e nem sei se estará algum dia. E tirou Josiel, o único centro-avante disponível, para colocar Alex Cruz.

"Alex Quem?"

Trata-se do rapaz trazido do Ivinhema no início do ano. Que pode até ter seu valor, quem sabe? Mas que nunca deve ter estado no Maracanã até hoje. E que, até onde se sabe, é meia.

Josiel, hoje, até se movimentou bem e  não brigou muito com a bola. Em duas ou três chances, até concluiu bem, como pôde, mas a bola não entrou. Em outras duas ou três, realmente desperdiçou chances fáceis - nenhuma novidade; pro que vem jogando há muiot tempo (mal, muito mal), não foi das suas piores apresentações. E, de novo: ele era só o que o Flamengo tinha para a posição. Quando Cuca o tirou, não só ajudou a queimar a última opção restante pré-Adriano para o comando do ataque, ajudou a minar mais ainda sua auto-confiança (que, podem crer, é dos fatores que mais está pesando pra todos ali, na hora de concluir), como ainda deixou o time sem referência nenhuma na frente. Na verdade, naquele momento, não havia NENHUM atacante em campo.

Daí pro fim do jogo, mesmo com a entrada de Maxi, o Flamengo foi uma zona completa, insistindo irritantemente pelo meio, sem criar qualquer oportunidade e perigando levar um ou dois do Avaí - Bruno salvou algumas vezes o time, e em outra entregou uma bola no pé do adversário, que por sorte não deu em nada, com uma auto-suficiência irritante pra sair jogando. Na metade final da segunda etapa, estava mesmo muito mais fácil sair um gol do Avaí do que do Flamengo.

Está claro que o time tem um bloqueio grave pra criar chances e, principalmente, pra transformá-las em gol. Já é ruim constatar isso, mas pior ainda perceber que Cuca simplesmente está chegando em seu limite pra resolver o problema. Hoje, suas tentativas foram todas um desastre. Fica a esperança para que a chegada de Messias Adriano realmente resolva o tanto que andam esperando - embora Cuca não esteja sabendo preparar o time para sua chegada.

E, bem - triste admitir, mas um 0x0 que leva tudo pros pênaltis, na quarta, até que não seria má ideia.  Do jeito que a coisa vai...

* * * * * * * * * * * * * * 

Eu seria capaz de apostar que, pra quarta, Cuca vai de Obina. Talvez de início. Mas ao menos no banco, e pensando em colocá-lo durante o jogo.


16/5/2009 - 18h30 - Flamengo 0 x 0 Avaí
Maracanã - Rio de Janeiro, RJ
Público/Renda: 18.351 / R$ 272.708,00

Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)
Auxiliares: Ednílson Corona (Fifa/SP), Pedro Jorge Santos de Araújo (AL)
Cartões Amarelos: Caio, Muriqui, Marcus Vinícius, Ferdinando, Emerson (AVA); Aírton (FLA)

Flamengo: Bruno, Willians, Aírton e Ronaldo Angelim; Leonardo Moura, Toró (Everton Silva), Kleberson, Ibson (Erick Flores, 13'2ºT) e Juan; Everton (Maxi, 34'/2ºT) e Josiel (Alex Cruz, 28'2ºT). Técnico: Cuca.

Avaí: Eduardo Martini, Ferdinando, André Turatto, Emerson e Uendel; Marcus Vinícius, Léo Gago (Bruno, 35'/2ºT), Caio e Muriqui (Lima, 22'/2ºT); William (Medina, intervalo) e Evando. Técnico: Silas.

3 comentários:

Juliano disse...

Acho que não dá pra escalar Ibson e Kleberson juntos no mesmo time, o time joga com 3 zagueiros e nenhum armador de fato no meio campo.Com a obrigação de criar jogadas para o Juan e o Leo Moura que estão muito mal.Ele poderia colocar o Zé Roberto ou o Everton(que vem sendo escalado fora de posição)e o Emerson e Josiel no ataque ou Obina.
Meu time jogaria mais ou menos assim:
Bruno
Ailton,Willians,Angelim
Leo Moura,Toro,Ibson,Ze Roberto,Juan
Emerson e Josiel

Patrick disse...

Pra mim tem que mandar prender quem pedir o Erick como titular jogando no meio-campo.

Assim como tem que fazer exame de sanidade mental em quem pedir pra que o Adriano seja titular na quarta zaga do Flamengo. Ou o Bruno como centroavante.

Ou escala o jogador nas posição em que ele rendeu melhor, ou não vai durar no Flamengo não. Ainda mais colocando um meia que veio do Ivinhema no comando do ataque...

Patrick disse...

nas posição = na posição...