Adriano precisa comprar o projeto Adriano

Ajudar o ídolo em um momento difícil é uma causa nobre. Mas só adianta se ele mesmo acreditar na ideia.



Adriano, vocês já estão sabendo, faltou treino na sexta, faltou treino no sábado, faltou treino no domingo. Ontem surgiu a informação de que ele estaria triste, confuso, pensando em abandonar a carreira. Ao fim do dia, seu empresário avisou que ele resolveu seguir no clube. E hoje parece que já apareceu para treinar.

Já disse aqui que acreditar que Adriano vá voltar a jogar em bom nível em breve é uma questão de fé - não há nada de racional que indique que isso vá acontecer. Investir nele, hoje, como estratégia para melhorar o time não parece algo esperto. Minha opinião quanto a isso continua a mesma.

Mas a impressão para todo mundo de que o caso dele é de doença vai ficando cada vez mais forte. Zinho fala agora em esforço para "recuperar o ser humano". Seguindo este caminho, é uma causa nobre. Adriano faz parte da história do Flamengo e apoiá-lo em um momento difícil, preocupando-se com a pessoa é elogiável.

Mas é preciso ser pra valer. Não o ajuda em nada mantê-lo na rotina de sempre, indo trabalhar apenas quando quer, se enganando com a ideia de que "agora vai" e com o discurso de que "ele sabe que é a última chance".  Tampouco é útil para qualquer parte simplesmente passar a mão em sua cabeça a cada falta, na esperança de que em algum momento o Imperador vá voltar com sua bomba de esquerda para calar os incrédulos e liderar o Mengão rumo ao hepta.

Ao que parece, Adriano precisa de tratamento. Se é este mesmo o caso, como agora quase todo mundo acredita, é preciso ter transparência e deixar isso claro para todos. A torcida tem que entender isso, o clube tem que entender isso. Mas, acima de tudo, o próprio Adriano precisa entender isso. Em sua apresentação neste retorno, ele deu entrevistas dizendo que já teve necessidade de acompanhamento psicológico mas, hoje em dia, não é o caso. Não sou médico e, como quase todos, acompanho tudo isso de longe. Mas não me parece que a posição do jogador nessa seja realista.

Se a ficha caiu e agora ele está convencido de que precisa de outro tipo de ajuda, eu dou força. Que o Flamengo lhe ofereça condições para sua recuperação e, convencido de que ele próprio comprou a ideia, contrate profissionais para acompanhar seu tratamento. Lhe coloque metas, dê carinho e estímulo para que as alcance, comemore junto cada conquista. E deixe em último plano a ideia de tê-lo como reforço para o ataque nesta temporada. O objetivo deve ser outro.

Mas, de novo: só vale se ele mesmo acreditar que é disso que precisa, tiver humildade e entender e respeitar o que o Flamengo está se propondo a fazer por ele. Até hoje, Adriano nunca pareceu concordar com a ideia. E aí, por mais que se queira forçar a barra e ajudar, não vai ter jeito e ninguém vai ganhar nada com isso.

* * * * * * * * * *

Fora isso: sendo coerente com a ideia de que o projeto Adriano agora é "recuperar o ser humano", os "apenas" 50 mil reais por mês que ele estaria recebendo como salário fixo é coisa pra burro para sua situação atual. O Flamengo não nada em dinheiro, há jogadores que vêm atuando com frequência que devem ganhar menos que isso e esta é uma grana que seria decisiva para melhorar a situação de muitas áreas do clube.

7 comentários:

Luis disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luis disse...

"Ajudar o ídolo em um momento difícil é uma causa nobre" é um título/começo de texto meio esquisito, André. Sorry, mas causa nobre é ajudar aquela faxineira ou doméstica que deixa os filhos em um barraco ou com a vizinha todos os dias as 4 da matina com o coração na mão, para ficar umas 2 ou 3horas (4 ou 6 no total do dia) em um transporte lotado, trabalhar que nem uma escrava para ganhar no final do mês um salário mínimo, e ainda assim ama os filhos incondicionalmente e dá a vida por eles.

Além disso, o assunto Adriano já deu o que tinha que dar, há um bom tempo. Sinceramente, acho que a enorme maioria das pessoas que segue esse assunto é apenas por aquela curiosidade mórbida de ver alguém se ferrar (tipo que nem naqueles programas de TV de meio da tarde dos dias de semana) e não porque o cara é "idolo".

Sugiro a Nação ligar o botão do "Phoda-se" para o Adriano, e se ele quise vestir o manto, ótimo, que entre na fila. E depois que ele marcar uma série de gols, a gente volte a falar sobre ele.

André Monnerat disse...

Luis, eu entendo totalmente quem não tem mais paciência com o Adriano. De verdade, na maior parte do tempo eu estou nessa.

Mas, o cara estando doente, eu acho sim uma causa nobre (e um exemplo maneiro) ajudá-lo a sair dessa. Mas se for pra valer. E dificilmente eu concordaria com a ideia de pagar 50 mil por mês a ele por isso.

André disse...

Meu ponto de vista é que no máximo o clube deva abrir a estrutura de treinamento para ele e oferecer o psicólogo.

Jamais pagar salário!!! Fiquei embascado que AGORA cortaram o DIREITO DE IMAGEM. Que imagem???

As notícias são 100% negativas!!! Neste caso o Adriano é que deveria ressarcir o Flamengo.

Marcelo Constantino disse...

Eu entendo que o Flamengo poderia -- e deveria, deve -- ajudar o cara.

Mas isso não implica em pagar salário, seja de quanto for. Sobretudo pq não é disso que ele precisa.

Mas é aquela coisa. É Flamengo. Responsabilidade fiscal é piada e/ou tido termo hermético.

André, vc que conhece melhor lá dentro: é realmente factível que a Patricia Amorim tenha um bom eleitorado na Gávea?

André Monnerat disse...

Marcelo, meu caro, ainda vou escrever sobre esta eleição. Estou planejando um texto pra breve, agora que as chapas estão inscritas.

Mas é mais que factível que ela tenha um eleitorado bem considerável lá dentro.

flages disse...

Segundo o Terra:
"Eu só não fui ao treino porque eu queria o final de semana pra pensar se ia parar de jogar ou não, porque eu estava com muita pressão."

Faz pouco mais de um mês que o cara assinou esse contrato caído do céu e já diz que pensa em parar de jogar?

Opa! Peraí! Não sabia que ele já tinha jogado! Porquê para parar tem que começar, não é mesmo?

Ele precisa de tratamento mesmo, mas nessa idade e altura da vida, não volta. Tratamento psicológico não resolve esse tipo de problema em 1 ou 2 meses. É só para se aposentar em paz mesmo.