Brasileiro 2011 - 18a. rodada - Internacional 2 x 2 Flamengo

Um empate que, apesar de nem ter sido injusto, acabou deixando uma sensação de derrota para o Flamengo.


* * * * * * * * * *

O Flamengo teve sua vida faciltada no primeiro tempo pelo "respeito" pelo Flamengo demonstrado por Dorival Júnior ao escalar o Inter com três volantes no meio-campo. Jogando novamente no 4-4-2, o Flamengo passou os primeiros 45 minutos até com certa tranquilidade, tomando a iniciativa do jogo sem ver Felipe ser ameaçado.

Não que tenha sido um grande primeiro tempo do time. Houve segurança atrás, mas houve pouca criação na frente. Além do gol de falta de Ronaldinho, as duas únicas chances de gol aconteceram graças lances em que defensores do Inter se enrolaram com a bola, e não em jogadas construídas pelo Flamengo. Luiz Antônio foi muito tímido no apoio pela direita e deixou Léo Moura sempre sozinho na hora de criar jogadas por ali; Bottinelli foi burocrático demais para quem tem que ser o armador do time, sempre tocando pros lados ou pra trás, sem arriscar nada. O grande distribuidor de bolas nesta etapa acabou sendo Renato, que vinha de trás e recebia muito a bola no meio-campo, girando ela de um lado pro outro. Jogou bem como segundo volante, mas claro que não era o bastante para tornar o time criativo.

De qualquer forma, o placar era 1x0 e o Flamengo ainda tinha um homem a mais, graças à expulsão besta de Guiñazu. Aí, quando a situação lhe parecia difícil, Dorival Júnior perdeu o medo e colocou o time pra frente. O Inter voltou pressionando e chegou ao empate logo no início. E depois, mesmo quando o Flamengo também resolveu atacar e buscar a vitória, o jogo nunca deixou de ser equilibrado e aberto.

Para o Flamengo o resultado deixou uma sensação de derrota, pois o time saiu na frente, esteve de novo em vantagem no placar (num gol de sorte de Jael, que errou o chute e ainda assim viu a bola entrar), jogou mais da metade do jogo com um a mais e, logo antes do segundo empate colorado, viu Deivid perder um gol incrível. Mas a verdade é que, pro que foi o jogo, o empate não foi injusto. O Inter, além de toda a coragem e força de vontade que mostrou no segundo tempo, acabou estatisticamente tendo mais posse de bola, mais desarmes e mais chutes a gol. Para a situação em que ficaram em boa parte do jogo, acabaram tendo uma recompensa justa com o empate.

O Flamengo não jogou mal. Mas tenho a impressão de que Luxemburgo, depois do segundo gol, deveria ter sido um pouco menos ousado e tirado Deivid para colocar um meia a mais. Não para recuar o time; mas naquele momento o time jogava com três atacantes, o que deu poder de fogo quando era preciso correr atrás da vitória, mas deixava o meio-campo em igualdade de condições com o adversário. Talvez com uma superioridade numérica naquele momento no meio o Flamengo tivesse conseguido controlar mais a posse de bola e tornado o jogo mais tranquilo.


* * * * * * * * * *


Deivid vai ficar marcado pelo gol perdido, realmente incrível - e é incrível a frequência com que Deivid perde gols incríveis. Apesar de ser um dos artilheiros do campeonato, Deivid continua me dando a impressão de até ir bem quando precisa jogar de costas pro gol, mas se enrolar muito quando tem que ser centro-avante, de frente pro marcador ou pro goleiro adversário. Tanto que hoje nem foi mal quando passou a jogar fora da área, após a entrada de Jael. Mas uma hora esses gols debaixo da trave que ele volta e meia perde acabam pesando. Foi o caso hoje.

Mas quem jogou realmente muito mal foi Willians. Claro, correu muito, roubou bolas, como sempre. Mas andou desligado em vários lances com a bola nos pés, perdendo bolas que não são normais mesmo para ele, com sua conhecida dificuldade nos passes. E falhou no lance do segundo gol do Inter, deixando passar o cruzamento na jogada que, no fim, virou aquele golaço de bicicleta de Damião.

Damião que, aliás, acabou sendo decisivo para o placar com duas jogadas de muita categoria. É um belo centroavante.





21/8/2011 - 16h - Internacional 2 x 2 Flamengo
Beira-Rio - Porto Alegre, RS

Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)
Assistentes: Roberto Braatz (PR) e Erich Bandeira (PE)

Cartões amarelos:
INT: D'Alessandro, Guiñazu, Andrezinho
FLA: Alex Silva, Ronaldinho Gaúcho, Welinton, Muralha, Léo Moura, Junior Cesar

Cartão vermelho:
INT: Guiñazu

Gols:
Ronaldinho Gaúcho, 25'/1ºT (0-1); Índio, 5'/2ºT (1-1); Jael, 15'/2ºT (1-2); Jael, 15'/2ºT (1-2); Leandro Damião, 32'/2ºT (2-2)

Internacional: Muriel; Nei, Bolívar, Índio e Zé Mário; Elton, Tinga (Andrezinho, intervalo), Guiñazu e D'Alessandro; Jô (Dellatorre, intervalo) e Leandro Damião. Técnico: Dorival Junior.

Flamengo: Felipe; Léo Moura, Welinton, Alex Silva e Junior Cesar; Willians, Luiz Antonio (Muralha, 12'/2ºT), Renato, Bottinelli (Jael, 14'/2ºT) e Ronaldinho Gaúcho; Deivid (Diego Maurício, 38'/2ºT). Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

4 comentários:

André disse...

Acho que o Luiz Antônio não apoiou porque foi instruído a não apoiar. Me pareceu cumprir ordens do técnico para jogar um pouquinho a frente do Willians para auxiliar na marcação, exatamente como quando jogamos com o Aírton. Uma pena já que este jogador possui bons recursos técnicos, vide o lance do gol de falta do Ronaldinho.

Quanto ao Deivid...não podemos mais crucificar este jogador por mais razão que tenhamos. É o nosso "melhor" centroavante apesar das suas reconhecidas dificuldades e falhas em lances decisivos. Acho que com Vanderlei´, que já foi, e agora com Jael Cruel de titular seria ainda pior. Estes dois não tem capacidade nem de acertar um passe e controlar a bola.

É o Deivid que temos e é com ele que teremos que ir até o final do campeonato. Ano que vem podemos ir atrás de outro...

O Alex Silva já jogou bem melhor ontem, até em função do esquema de jogo. Aquela aberração de 3-5-2 com 3 volantes tem que ser enterrado a 1000 metros debaixo da terra.

E...preciso dizer uma coisa...para mim o Thiago "pé-torto" Neves fez pouca falta ontem. Pelo o que ele vem jogando o Botinelli fez exatamente o que o TN vinha fazenfo: pouca coisa e apenas acertando uns passes para o lado. Considerando o "custo-benefício", o rendimento do Botinelli é MUITO melhor, já que o TN ganha 700 paus por mês.

Abraço a todos e vamos para cima do Vascão para seguir a caça do Corinthians.

Marcos Monnerat disse...

O grande problema do Flamengo ontem foi, digamos, empresarial. Não era de jeito nenhum jogo para colocar o Jael. O próprio Junior falou corretamente na transmissão que era mais jogo entrar com o Diego Maurício para auxiliar na produção das jogadas do que colocar um segundo centro-avante. Só que o nosso técnico tem um acordo com o grupo empresarial que gerencia a carreira do Jael que o obriga a colocar o Cruel em todas as partidas.

Resultado: ficamos com 11 contra 10 no segundo tempo inteiro e parecia que tinhamos o mesmo número de jogadores que o Inter já que Deivid, Jael e R10 não marcam ninguém. Igualamos o meio campo nessa e perdemos na vontade e no talento de quem tem um centro-avante de verdade.

Agora sobre o Deivid. A pressão em cima do cara deve ser equivalente a umas 16 toneladas. Todo jogo o maluco é substituído. Sempre tem alguém com as costas quentes no cangote dele pra tomar a posição do cara (era o Vanderley e agora é o Jael). Fica mais difícil pro cara ter a tranquilidade de meter pro gol as chances que tem.

Outro que sofre com isso é o Diego Maurício. Ou ele acerta um contrato com a Energy Sports ou continuará sendo a segunda ou terceira opção de ataque para o segundo tempo. Nunca conseguirá aparecer no Flamengo. Prevejo ele encerrando seu contrato no Fla sem querer renovar para ir para outro clube do Brasil.

Luis disse...

Além dos problemas de grupos/empresários (acima), falta ao grupo "sangue nos olhos". O campeonato está bastante equilibrado e tem uns 5 ou 6 que podem chegar lá. Vai ser campeão quem der menos mole e errar menos.

Gabriel Folha disse...

Hoje eu não deixaria o Diego Mauricio nem no banco.

Não foi a toa que foi cortado da sub-20.

Nenhuma vontade de jogar, com essa idade?