A inacreditável diferença entre as eleições no Inter e no Flamengo

No ano passado, o Flamengo viveu seu processo eleitoral. Patrícia Amorim foi eleita com 792 votos, de um total de 2.342 – número bem maior que os 1.684 da eleição anterior. A eleição aconteceu numa segunda-feira e só participou quem pôde ir em pessoa até a Gávea – os sócios off-Rio teriam que viajar para a cidade em um dia de semana, caso quisessem exercer seu direito.

Bem: vamos ver agora a diferença para o processo do Internacional, que acontece este ano. Dá vontade de chorar.

Como todos sabem, o Internacional é o clube brasileiro com maior número de sócios (seguido por seu rival local, o Grêmio). São mais de 100 mil sócios, dos quais 60.455 estão em aptos a votar este ano – são os que já eram sócios em 2008, prazo estabelecido no estatuto colorado. Mesmo os sócios-torcedores do Inter têm direito a votar, pagando uma mensalidade que hoje é de R$22,00.

(Lembrando: pra votar no Flamengo, você pode comprar um título por R$6.540,00 se quiser ser Sócio Proprietário; pagar uma mensalidade de Sócio Contribuinte a partir de R$105,00; ou, se for de fora do Rio, pagar R$40,00 por mês para ser Sócio Off-Rio.)

Mas a diferença entre os processos eleitorais do Flamengo e do Inter não está apenas na quantidade de gente apta a votar, nem em quanto estes eleitores pagam para ter este direito – mas também na maneira de lidar com o processo democrático.

Vocês podem acessar o hotsite preparado pelo clube para as eleições: http://www.internacional.com.br/eleicoes/. Lá está um vídeo explicando todo o processo, as instruções sobre quem pode votar, como fazer para votar, o calendário eleitoral (que inclui a data do debate entre os candidatos promovido pelo próprio clube frente ao Conselho Deliberativo...) e a íntegra do estatuto. E é também neste hotsite que os sócios de fora de Porto Alegre poderão desbloquear seu direito a votar à distância. Sim: quem não for da cidade poderá votar por correspondência. E o clube estimula a todos que exerçam este direito e façam sua vontade valer nas eleições.



O clube enviará a todos os seus sócios uma correspondência contendo a carta-resposta que deve ser enviada por aqueles que quiserem votar à distância e um código de desbloqueio. Para poder votar pelo correio, o sócio deve entrar no site oficial do clube e digitar lá o número de seu cartão de sócio e o tal código. Quem não tiver feito este desbloqueio poderá votar apenas em pessoa, nas urnas eletrônicas que estarão no dia 4/12, um sábado (mais fácil, né?), no complexo do Beira-Rio. Se por acaso a pessoa desbloqueou o voto à distância, mas não conseguiu enviá-lo na data correta ou sua entrega atrasou por qualquer motivo (será possível conferir se ele chegou lá corretamente através de uma lista publicada no site do clube), ela ainda pode ir à sede do clube votar - mas separadamente, em urnas para votos de papel.

Igualzinho ao Flamengo, né não?

3 comentários:

Bosco Ferreira disse...

Isso nunca vai acontecer no CRF. Sabem por que?

Porque apenas nisso, as alas antagônicas do Flamengo concordam entre si: Democracia para que se a mina de ouro que se chama CRF é só nossa!

Uma coisa é cooptar e corromper um colégio eleitoral de apenas cinco mil sócios, e ganhar uma eleição dando banana para a torcida.

Outra coisa é adiministrar um clube de olho para CEM mil sócios torcedores cobrando no estádio e nas eleições.

A nossa geração jamais verá isso no FLA. Duvido muito. E são coisas desse tipo que vai tiznado o amor que é substituido pela acomodação.

Qualquer hora dessas, daqui a novos desessete anos, ganharemos outro título nacional ou uma LA, aí esqueceremos todos esses pulhas e votamos neles de novo.

Por enquanto vão nos enganado com míseros cariocas e quem sabe uma insossa sulamericana ou copa do Brasil. Essa é a mais fraca de todos os calabocas de timecos.

André disse...

E isto já acontece há alguns anos no Internacional. E é por isso que o TORCEDOR se sente ESTIMULADO a participar do clube. Se torna um ciclo virtuoso.

Fala sério nestes custos para ser sócio do Flamengo: pagar mais de R$1.000,00 e R$100,00 de mensalidade?!?!!? para COMPRAR um título?!?!?! O que o CLUBE tem a oferecer como retorno a este investimento?!?!?! Super-estruturas de lazer? Descontos em escolinhas de esporte, cursos de línguas, ingressos para jogos vitalícios?!?!?! Promoções com os jogadores do elenco?!?!?!

Em Porto Alegre um dos clubes MAIS ELITISTAS, o união, não cobra mais a compra do título, apenas a mensalidade família de aproximadamente R$150,00 para uso de todas as 3 sedes, inclusive uma ILHA própria do clube. Possui inúmeras quadras de tênis de cimento, saibro, cobertas, ginásios de esporte de última geração, salões para grandes eventos, descontos em cursos de línguas, escolinhas para praticamente todos os esportes, inúmeras piscinas para lazer e treinamento profissional, frias e térmicas em todas as 3 sedes...dúvido que o falido flamengo tenha a METADE desta estrutura. Para que se associar?!?!!? Para que comprar um título?!?!!?

Enquanto isto no Flamengo que tem 30.000.000 de torcedores...

Com certeza estamos uns 30 anos atrasados...estão acabando com um dos últimos sentimentos que temos: o orgulho rubro-negro...sinto vergonha da nossa estrutura, dos nossos representantes.

Porra...o que o inter faz não é nenhuma novidade, não é nenhuma super idéia de gênio, se trata apenas de chamar PARA DENTRO DO CLUBE aquele que o SUSTENTA: A TORCIDA.

Acho mais provável que todos nós na nossa vida vermos um falecimento do CRF do que conquistar mais uma libertadores da américa, como é o meu sonho e o de muitos outros...

A Batavo é que está certa em cortar o patrocínio...o Flamengo atual é anti-marketing total. E gerido por incompetentes e outras coisas mais...

Régis Marra disse...

Quanta diferença... Será que ainda chegaremos a esse patamar de organização??