Brasileiro 2010 - 24a. rodada - Grêmio 2 x 2 Flamengo

Se o Flamengo quiser que o campeonato ainda tenha alguma graça pros seus torcedores (o que fica ainda mais difícil de acontecer se for confirmada a transformação do G4 que vai pra Libertadores em G3), precisa começar a conseguir mais vitórias, mesmo nos jogos mais complicados. Mas um empate no Olímpico com o Grêmio, especialmente em boa fase, é sempre um resultado bem aceitável. Se o futebol ainda não é o dos sonhos de ninguém, ao menos a bola parou de se recusar a entrar (é o quarto jogo seguido em que saem ao menos dois gols) e os resultados vão aliviando o clima.


Dá pra dizer que o primeiro tempo foi equilibrado. O Flamengo teve méritos em errar poucos passes, manter a posse de bola e ter paciência (que às vezes descambou mesmo para a falta de objetividade pura e simples) pra girar o jogo de um lado pro outro em busca de espaço pra entrar na defesa do Grêmio, que se colocava bem recuada e marcava muito forte; já o Grêmio teve como maior qualidade a rapidez com que chegava ao ataque depois de roubar a bola. E foi explorando seus pontos fortes que cada um chegou ao seu gol.

Já no segundo tempo, a alteração que Silas fez em seu meio-campo recuou o Flamengo e deu chance ao Grêmio de ir pra cima. O 2x1 saiu novamente com a defesa rubro-negra deixando o adversário desviar um cruzamento no primeiro pau – falha que já havia causado dois gols contra o Fluminense. E só na metade final do segundo tempo o Flamengo conseguiu pressionar em busca do empate, embora sem criar muitas chances claras e deixando espaço para perigosos contra-ataques do Grêmio. Mas o time teve o mérito de não desistir e acabou chegando ao empate num lance que combinou visão de jogo de Léo Moura e sorte de Petkovic.


* * * * * * * * * *


No primeiro tempo, Léo Moura foi o grande jogador do Flamengo; as melhores jogadas do time saíam pela direita, em combinações do lateral com Diogo e Kléberson, que caíam pelo setor (e Kléberson se colocava até mais como atacante que Diogo). Mas o time ficava torto, sem ninguém fazendo o mesmo papel pela esquerda – até porque Renato jogou quase sempre bem centralizado.

Talvez para corrigir isso, Diogo passou a jogar pela esquerda no segundo tempo. Só que isso, combinado com a saída de Kléberson para a entrada de Maldonado e a mexida tática de Renato Gaúcho, que abriu Douglas na esquerda para tentar segurar Léo Moura mais atrás (o que não deveria ter feito tanta diferença assim, já que o Flamengo tinha três volantes em campo), fez com que as jogadas pela direita que davam certo no primeiro tempo desaparecessem.

De qualquer forma, os passes dos dois gols saíram de Léo Moura, que foi mesmo decisivo.


* * * * * * * * * *


Diogo, que não vinha bem nos jogos anteriores, fez sua melhor partida pelo Flamengo desde a estreia. O gol não saiu, ele falhou na hora de concluir alguns lances, mas buscou muito o jogo e levou perigo em boas jogadas individuais. Como já citei, no primeiro tempo ele pareceu jogar mais recuado até mesmo que Kléberson, que foi quase que um atacante.

Já Deivid, que tinha feito um primeiro tempo bem razoável no Fla-Flu, teve uma noite terrível e não acertou absolutamente nada que tentou.


* * * * * * * * * *


No primeiro gol do jogo, houve bastante mérito do Grêmio, que chegou ao ataque com muita rapidez, em poucos passes – algo que nunca se vê no Flamengo.

Mas houve também falha pelo lado do Flamengo. Não só no escorregão de Angelim, mas também na má colocação da defesa como um todo – tanto que Angelim ficou no mano a mano com Douglas pela direita da defesa, que nem é o seu setor.


* * * * * * * * * *


Até o gol, Petkovic havia errado todas as jogadas mais objetivas que tentou; mas sua entrada ajudou o time a ir mais ao ataque, até por fazer a equipe voltar a ter mais gente à frente - a presença no ataque havia ficado prejudicada pela má troca de Kléberson por Maldonado. Atenção: Maldonado é um ótimo volante, gosto muito dele, mas é volante. Sua entrada pode ter até algum efeito na saída de bola (principalmente se for no lugar de Toró ou Willians), mas não na armação de jogadas.


* * * * * * * * * *


Vale destacar ainda a bela atuação, no Grêmio, de Jonas – artilheiro do campeonato, perigoso em todo o jogo. No primeiro tempo, também foi muito bem na frente Douglas, que sumiu no segundo com a troca de posição. E outro do time gaúcho que foi muito bem é o volante Adílson, um jovem que já havia me chamado a atenção ainda na época da Copa do Brasil. Parece ser muito bom jogador.



22/9/2010 - 22h - Grêmio 2 x 2 Flamengo
Olímpico - Porto Alegre, RS
Público pagante: 21.898

Renda: 310.953

Árbitro: Sandro Meira Ricci (Fifa - DF)
Auxiliares: Enio Ferreia de Carvalho (DF) e Kleber Lucio Gil(SC)
Cartões amarelos: Rafael Marques (Grêmio); Devid, Léo Moura (Flamengo)

Gols: Douglas, 7'/1ºT (1-0); Kleberson, 33'/2ºT (1-1); Jonas (2-1); Petkovic, 41'/2ºT (2-2)

Grêmio: Victor; Gabriel, Vilson, Rafael Marques e Fábio Santos (Lucio, intervalo); Ferdinando (Roberson, 7'/2ºT), Adilson, Souza (Fernando, 17'/2ºT) e Douglas; Jonas e André Lima. Técnico: Renato Gaúcho.

Flamengo: Marcelo Lomba, Léo Moura, David, Ronaldo Angelim (Jean, intervalo) e Rodrigo Alvim (Petkovic, 22'/2ºT); Toró, Correa, Kleberson (Maldonado, intervalo), Willians e Renato; Diogo e Deivid. Técnico: Silas.

8 comentários:

Marcos Monnerat disse...

O problema grave do Flamengo ofensivamente é a total falta de movimentação. O estilo futebol de botão de jogar.

No que saiu o Kléberson, saiu o único jogador que tentava se movimentar para receber passes possivelmente decisivos, que ultrapassava a linha da bola.

No que entrou o Pet, voltamos a ter um jogador que se movimenta para receber os tais passes possivelmente decisivos.

Nem Pet nem Kléberson estão sendo brilhantes, longe disso, mas o fato é que são os únicos que se mexem para receber passes na frente.

Deivid é pior que Val Baiano. Pronto, falei.

Eduardo disse...

E o Lomba também deve ser destacado. Fez uma defesa dificílima.

André Monnerat disse...

É verdade, falha do texto: o Lomba fez não uma, mas duas ou três defesas bem difíceis no jogo.

papoula disse...

Ontem, aos 20 do 2º tempo falei "Se o Silas nao fizer qq coisa senao trocar Alvim por Pet, acabou o respeito". Imaginava o Renato - mesmo morto - fazendo a ala. Dane-se, o jogo já estava perdido. Acabou q o Correia foi uma boa pq corre mais e talz.

Mas mesmo assim, mais um vez o vaSilas mostrou que nao passa de um Rogério Lourenço (melhorado ou piorado, ainda nao sei). Não dá pra entender essa do Maldonado jogar mais avançado.

Pelo menos ele ganhou crédito, pois extraiu do Flamengo o câncer chamado Vinicius Pacheco. Everton Silva tb nao tinha mais espaço com a chegada do Galhardo. Já Camacho e Lennin, acho que são jogadores de futuro, deveriam ter mais chances, especialmente o meia (nao volante!!!) Guilherme Camacho.

Agora precisam tirar da Gávea alguns pesos no orçamento, como Leo Medeiros, Michael, Borja, Val Baiano (esse vai ser dificil, tem contrato até 2011), Fernando, entre outros.

Sobre o tão criticado Rodrigo Alvim, achava que era perseguiçao, mas ontem ele foi mal mesmo. Sem contar que cometeu um "turnover" decisivo. Deu o escanteio e ainda falhou na marcação do Jonas. Mas é bom pra que a galera pare de pegar no pé do Juan.

E outra coisa? Cade o Fierro? Será que mais um técnico nao lhe dará chance (ou o queimará como volante ou lateral)? Ele realmente nunca foi bem no Flamengo, mas tb nunca teve sequencia de jogos nem jogou em sua real posição.

Ah, e parabens pro Lomba, que ta fazendo um campeonato excelente!

De resto é isso ae... acho que o time nao briga por nada. O mais importante é já planejar 2011. Pensar num técnico decente, numa boa pré-temporada (abrindo mao do estadual, talvez. aquilo nao vale nada mesmo) e, principalmente, pensando na barca. Com o salário de 4 lixos, vc contrata 1 craque.

Abs

Patrick disse...

Monnerat, voce acha coincidencia o Flamengo ter tido mais posse de bola num jogo que o Willians nao jogou?

André Monnerat disse...

Patrick, faz diferença sim.

Acho que o Willians até pode ser titular, até porque se fala muito do preparo físico deste time e alguém que corra acima da média pode ser importante. Mas só se entrar no lugar do Toró. Os dois juntos, não dá.

E acho o Correa meio injustiçado em muitos comentários, aliás.

André disse...

Vou começar respondendo ao meu padrinho Marcos: O Deivid não é (ou não era) pior que o Val Baiano. O que falta para ele, e é gritante, é preparo físico. Não é possível que alguém não repare nisso. Ele está sem velocidade, não tem explosão, não tem força.

Diogo tem técnica, boa velocidade mas se posiciona muito mal. Quase nunca está em posição de finalização.

Como eu já dizia a época da Libertadores (o Adriano estav mais preocupado com as tchuchucas dele), o Leo Moura é o nosso MELHOR jogador. Não estou dizendo que é o CRAQUE do time. É o melhor jogador. É o único jogador de quem podemos esperar alguma coisa.

O Juan é PÉSSIMO sim senhores !!! Mas o o ALVIM é HORROROSO !!!! É PAVOROSO!!! DEPRIMENTE !!!Precisamos DESESPERADAMENTE de um lateral esquerdo.

Continuo achando que o PET deve ir para a fila do INSS e que o SILAS é louco. Ontem tirar o Kléberson no intervalo foi caso para internação no manicômio.

Para finalizar: André, não tenha medo de afirmar no blog: O campeonato já não tem mais graça para nós rubro-negros. Não vamos disputar nada que preste, fora o risco de sermos rebaixados.

Luis disse...

Jogar contra o Grêmio é sempre difícil, mas o time deles é horrível. Assim como está o Mengão.

O nosso time é "velho", não se movimenta, falta qualidade em vários setores e o técnico aparenta não saber substituir.

Sábado vai ser importante. Se ganharmos, é possível que o time se motive e ganhe fôlego. Se perdermos ou empatarmos ......