Estadual 2010 - Taça Rio - Semifinal - Flamengo 2 x 1 Vasco

Um jogo em que o que valeu foi o resultado. Depois do tropeço na Libertadores, a eliminação hoje do Estadual instalaria uma crise pesada na Gávea. Então, foi mesmo importante a vitória - mesmo com o time novamente jogando mal, em um jogo bem ruim.

Só pela escalação que Andrade escolheu - o meio-campo com três volantes e apenas Michael na criação - já dava pra imaginar que o time criaria pouco. Mas, no primeiro tempo, foi pior ainda do que se podia esperar. Os volantes marcaram muito atrás, Toró e Willians perdiam muitas bolas na hora de sair jogando e Michael, que deveria ser o solitário responsável pela criação, errou todas as jogadas que tentou. Já o Vasco adiantou seus bons volantes para marcar no campo do Flamengo, roubou muitas bolas e, com isso, teve o dobro da posse de bola de seu adversário.

Mas criou muito pouco. Em parte porque o paredão de volantes rubro-negros realmente trancou a entrada da área; em parte por deficiência de seu time na hora do último passe, com uma atuação ruim de Philippe Coutinho e Dodô simplesmente desaparecido. Com isso, foi o Flamengo que criou as três boas chances do jogo com a bola rolando: uma em uma bola perdida pelo Vasco na sua defesa e as outras em passes que a gente não costuma esperar de Bruno Mezenga, aproveitando a defesa adversária em linha para colocar Vagner Love na cara do gol duas vezes seguidas - e em uma delas, saiu o gol do Flamengo. O Vasco continuou pressionando, mas só conseguiu fazer seu gol em um escanteio, sem ter criado nenhuma outra jogada perigosa.

No segundo tempo, a situação melhorou um pouquinho para o Flamengo por ter adiantado um tantinho a marcação e pela subida de produção de Willians e Léo Moura, que conseguiam ser uma válvula de escape para o time. Mas o jogo seguiu ruim, com o Vasco tendo mais a bola, mas sem conseguir criar (tirando uma grande oportunidade de Philippe Coutinho, que chutou na trave) e o Flamengo sem conseguir encaixar qualquer ataque. Mesmo a entrada de Petkovic no lugar de Michael não melhorou a situação, pois o gringo participou pouquíssimo do jogo.

Mas a vitória veio graças a um pênalti meio discutível e bastante besta em cima de Léo Moura, num lance em que ia em direção à linha de fundo. O juiz seguiu com algumas decisões contestáveis, como a expulsão de Juan em sua segunda falta (embora eu até ache que era falta pra cartão mesmo, um carrinho de frente totalmente desnecessário) e o pênalti bem claro de Willians, que colocou a mão na bola dentro da área, que ele não marcou. Fora isso, não houve outros lances de emoção.

O Vasco sai do Estadual mostrando um time que tem basicamente como única qualidade o trabalho de seus bons volantes - Rafael Carioca, Nílton, Léo Gago e Souza são todos bons jogadores, mas não são meias de criação. E assim o time tem problemas para criar jogadas de ataque e ainda sofre com uma zaga ruim, laterais que erram demais e uma esperança tola de que Dodô possa resolver alguma coisa.

Já o Flamengo segue jogando mal na temporada, sem encontrar uma maneira de atuar, sem saber qual seu time titular e precisando contar sempre com lances isolados para resolver as partidas. Eu, por exemplo, não apostaria que Andrade vá repetir esta escalação na quarta-feira, contra o Universidad Católica - e não falo só na entrada de Adriano. Sem tempo pra treinar até lá, ele deve continuar em sua rotina de tentativa-e-erro pra ver se uma hora o time se acerta, sabe-se lá como.

9 comentários:

Flávio disse...

Náo é possível que ninguém viu que o Willians tenta colocar a mão na bola, mas não consegue. E mão só pode ser marcada se ocorre o toque.
Se a bola bate na mão do Willans, o braço dele sairia do lugar, coisa que não aconteceu. Outra: seria impossível a bola voltar com tanta força se tivesse batido no braço.
Por isso, afirmo com certeza absoluta: a bola bateu na cabeça de sei lá quem da camisa horrorosona. NÃO FOI PÊNALTI.

Augusto disse...

André.
Confesso que também não tenho certeza se houve mesmo o pênalti do Willians. A imagem de perto e de frente, repetida à exaustão pela TV, dá essa nítida impressão. Mas há uma outra imagem, do ponto de vista de quem está olhando de frente para a baliza, em que não se percebe desvio no braço parecendo sim que a bola foi cabeceada pelo jogador do Vasco (o mesmo que fez o gol deles), com força, para cima.
No mais, parabéns pelo blog e pelo equilíbrio de suas análises. Passo sempre por aqui, embora nunca tenha comentado antes.
Augusto Freire - Brasília DF

Marcos Monnerat disse...

O próprio Willians falou que a bola encostou no braço dele, mas que teria sido involuntário. Foi pênalti claro. Mas o juiz estava atrás do jogador do Vasco, não tinha como ele ver o lance com clareza.

O fato é que o Vasco sempre dá um jeito de perder pro mengão. Se saísse aquele pênalti eles fariam outro em seguida lá, ou o goleiro levaria um frangão, ou venceríamos nos pênaltis mesmo...

Agora, jogar com Toró e Willians tendo Kléberson e Pet no banco é triste.

André Monnerat disse...

Pois é, meus caros: o Willians diz que a bola tocou no braço dele. Isso não é discutível.

vôo do urubu disse...

Pênalti é indiscutível. Bola na cao e a obrigação de mandá-la pra rede. Discutível é para quem se dedica a discuti-lo. Minha impressão é minha impressão, a que vale é a de sua senhoria de amarelo. Nélson Rodrigues já afirmava com a sabedoria borgeana dos ceguetas: a câmera é burra. A câmera cria uma outra realidade, bidimensional, o que parece nem sempre, ou quase nunca, é. Em cada jogo deve haver ene pênaltis. O que parecer ao árbitro é, o resto bola que segue.

Saudações rubronegras!

Tiago Cordeiro disse...

Preocupa mesmo o time jogar mal. Ainda com a má fase do Kleberson, imagino se não seria mais fácil tentar fazê-lo voltar a jogar bem ao invés de desistir do cara no banco. Ontem estava com uma cara de bunda...

Pro futebol q o Willians tem e q o Pet vem apresentando, só um meia não dá.

Folha disse...

Ou o elenco é muito bom ou muito mal escalado. Não seria absurdo nenhum dizer que o meio-campo sentado no banco é melhor que o que estava em campo.

O que o Toró precisa fazer pra sair do time?????

Por enquanto atuações lamentáveis esse ano.

ALEXANDRIA INFORMA disse...

Na minha Humilde colocação tenho também dúvida de que a bola tenha tocado a mão de Willians, assim na minha opinião não foi pênalti e deixa de choro Vascaínos esse posto é do Botafogo.

Bender disse...

Fala André.
Escrevi lá no BlablaGol uma coisa simples sobre os pênaltis. O empurrão no Leo Moura a gente vê sem maiores dificuldades. Na mesma hora acusamos o golpe.
No lance do Willians é preciso diversas tomadas, replays e câmera lenta em demasia para, mesmo assim, ficar na dúvida.
Enfim, eu achei pênalti do Willians sim. Mas não há como debater com a histeria chorosa dos acéfalos vices.