Batavo, a estreia de hoje


Hoje é dia de ver o Flamengo em campo pela primeira vez em 2010 com seu novo patrocinador. Hoje de manhã foram apresentados os uniformes com a marca da Batavo que serão utilizados pela primeira vez daqui a pouco, na partida contra o Americano. Já escrevi por aqui um tanto das boas expectativas que os rubro-negros podem ter desta nova parceria.

Desta vez, como relatou o Arthur Muhlemberg, a aprovação das camisas e do contrato foi tranquila no Conselho. Parece que houve um cuidado maior para submeter o texto antes ao pessoal do jurídico, pra chegar tudo redondinho na hora da votação - não sei se vocês lembram, mas da última vez rolou até cadeiras voando por lá. Mas houve uma voz discordante, que levantou-se exatamente sobre o único ponto que poderia ser posto em dúvida: as dimensões da marca da Batavo no uniforme. E aí descobre-se que o ex-presidente Delair Dumbrosck, numa iniciativa louvável, havia encomendado ano passado a elaboração de um manual de normas para a aplicação de marcas de patrocínio na camisa do Flamengo.

É igualmente surpreendente que a existência de algo assim não seja comum em qualquer clube brasileiro e que alguém justo no Flamengo tenha tomado esta iniciativa. É pena que o documento foi escrito, mas não virou norma e, assim, não houve como se bater o pé para ser levado em consideração na hora de aplicar o Batavão no uniforme rubro-negro.

Enfim: o Flamengo precisa do dinheiro, a Batavo já estava acostumada ao bundalelê em uniformes que deveriam ser sagrados - é só lembrar do que fazem com o do Corinhtians - e já se viu coisa bem pior por aí. Na verdade, até hoje ainda acho que aquele BR verde e amarelo extra no meio do peito incomodava bem mais do que os patrocínios seguintes. Mas seria pedir muito que o clube tentasse que eles seguissem o exemplo anterior da Ale?



O Flamengo não foi o primeiro clube patrocinado pela Ale. Antes, eles já haviam colocado sua marca nas camisas de Vasco e Botafogo. E a perspectiva de ver algo como aquilo na camisa do Flamengo era de arrepiar. Mas eles acabaram optando pela assinatura horizontal, em vez da vertical - e já foi uma solução bastante melhor, sem violentar a marca da empresa.

Pois é: a Batavo também tem uma assinatura horizontal, que aparece em seu site oficial e nas embalagens de muitos produtos de sua linha. Não seria uma solução esteticamente melhor? E não seria preferível para a própria empresa que sua marca apareça melhor no uniforme?



Enfim: de qualquer forma, torço para que efetivamente haja a iniciativa de se transformar em norma do clube um manual de aplicação de marcas. A camisa é um patrimônio do clube que, ao mesmo tempo que deve ser utilizado para levantar dinheiro, precisa ser protegido - justamente para não se desvalorizar. Qualquer grande empresa sabe bem o cuidado que deve ter no trato de seus símbolos e marcas - e seu Manto Sagrado é uma das grandes marcas que o Flamengo tem.

3 comentários:

André Luiz de Ávila disse...

Nas costas o logo será o vertical.
Tem a foto n'O Globo.
http://oglobo.globo.com/esportes/carioca2010/mat/2010/01/27/flamengo-batavo-assinam-contrato-915717544.asp

AF STURT disse...

Achei muio feio esse letreiro na camisa ,principalmente na frente...

Mauricio disse...

Meu irmão,
eu tô furioso com a falta de sensibilidade desses caras da queijaria. Acho que, se pela desorganização do Flamengo (o tal do manual das normas para aplicação de logos não é regulamentado) eles ganharam o direito de emporcalhar o Manto, fazer uso desse direito prova que eles consideram o Flamengo um outdoor qualquer pra divulgar seus iogurtes. Isso não é parceria! Isso é exploração pura e simples de espaço publicitário.
Se depender da minha família eles não vão vender nem uma cumbuca de requeijão, e essa camisa feia bagarai vai encalhar também.
SRN
ps. VC viu a quantidade de gente revoltada com a profanação do Manto nos sites do Flamengo?