Entrevista: João Henrique Areias fala sobre a desistência de sua chapa

A ideia já era fazer algumas perguntas a João Henrique Areias sobre sua candidatura. Depois que ela acabou deixando de existir, a conversa continuava interessante - até pelas versões diferentes sobre o processo que resultou na adesão de alguns nomes de sua chapa a Plínio Serpa Pinto. Areias concordou em falar do assunto via e-mail e ainda passou a bola para José Maria Sobrinho, que continua a seu lado no Fla21, também falar um pouco sobre o grupo. Taí:


O racha da Fla21 pegou todo mundo de surpresa. Por que ele aconteceu? Quais foram as justificativas do gupo que saiu?

João Henrique Areias - A meu ver, houve precipitação de alguns membros do nosso grupo em buscar composição em função do prazo final para junções de chapas no dia 23 de outubro, numa avaliação antecipada de um possível fracasso nosso nas eleições. Fui pego de surpresa, porque havíamos combinado que só analisaríamos qualquer tipo de aliança baseados no apoio ao nosso programa e somente em meados de novembro.

Começamos tarde, a apenas duas ou três semanas do prazo (30 de setembro) para compor a chapa com 232 sócios para os conselhos de administração e deliberativo. Mesmo assim conseguimos sócios em número suficiente e tivemos o menor número de duplicidades entre os candidatos quando da apuração final.

Nossa primeira mala direta chegou aos sócios esta semana e não tínhamos como avaliar e comparar nossa candidatura com as dos outros candidatos. Alguns membros do grupo não concordaram com a postura dos que queriam a coligação e, numa votação apertada, convocada às pressas, venceu a proposta de coligação. Eu estava dando aula na Trevisan e não participei, mas já tinha deixado claro que não apoiaria, nem queria cargos remunerados ou não. Desta confusão surgiu o racha.

Nos comunicados oficiais de vocês, fala-se em um pequeno grupo desistindo da candidatura. Quantos foram? Quantos e quem ainda está no Fla 21?

José Maria Sobrinho - Não se sabe exatamente. No máximo cinco ou seis foram os dissidentes. Não houve um processo de votação a um determinado momento.

O Fla21, inicialmente, atuou em torno de um núcleo de fundadores de cerca de 20 associados e torcedores. Após a indicação da candidatura do Areias, se abriu a todos que comungam de seus princípios básicos, constantes do Programa do Fla21.


Vimos que vai haver eleição de uma executiva para o grupo, para até o fim do ano que vem. Como vocês imaginam a atuação do grupo daqui pra frente? A ideia é começar a pensar já nas próximas eleições? Você se vê novamente candidato?

Areias
 - Neste momento, não me vejo candidato novamente.

Sobrinho - Até o proximo dia 30 de outubro, será realizada uma reunião/assembléia para escolher a Executiva que coordenará o Movimento, até 31/12/2010. Acredito que cerca de 50 pessoas comparecerão à reunião.

Sem dúvida, o Movimento vai influenciar nas opções de voto já nessas eleições. A própria retirada da candidatura, pela forma traumática como ocorreu, já levou a decisões de voto.

Uma das primeiras atribuições da Diretoria será definir um Plano de Ação a ser aprovado para o triênio 2010-2012, no qual, muito provavelmente, estará incluída a viabilização de uma candidatura para as eleições de 2012.


Chegou a sair notícia com o Plínio declarando que você trabalharia em sua administração. Você - pessoalmente ou como parte do Fla21 - aceitaria trabalhar na próxima administração? Com qualquer vencedor?

Areias - O Plinio já me convidou para ser CEO - uma espécie de presidente profissional -, e recusei. Agora só quero tirar 4 dias de férias e na volta pensar nos meus cursos e nas minhas consultorias.


E sobre a situação atual destas eleições: que cenários você vê para o Flamengo nos próximos 3 anos? Imagino que, neste momento, você não vá declarar apoio a ninguém, mas dá pra esperar mudanças no sentido que você esperaria para o clube? Como acredita que o Flamengo sairá da campanha, com tantos grupos fragmentados disputando o poder?

Areias - Vc tem razão. Vou ficar à margem, até porque não vejo nenhum dos candidatos querendo romper com o atual modelo de gestão, baseado no dirigente voluntário. Nosso programa previa já em janeiro a contratação dos executivos e, em seguida, a mudança de estatuto colocando os dirigentes voluntários em conselhos e o gerenciamento do clube nas mãos de profissionais. Detalho isto em alguns artigos no meu site www.marketingesportivo.org. Espero que o Plinio Serpa Pinto faça isto. Foi o que prometeu no momento da coligação, ou seja, seguir o programa do Fla21.

3 comentários:

Nigro disse...

Sinceramente, espero que o Plinio não tenha que cumprir a promessa. O que ele já não faria de todo jeito, infelizmente, qualquer um que assumir agora vai atrasar o processo de evolução do Flamengo por mais 3 anos.

Areias, por favor, repense direito cada passo e reconsidere a opção de tentar novamente a presidência do Flamengo. A Nação inteira te apóia. Muito obrigado pela transparência em todo o processo de eleição e principalmente por se manter fiel aos princípios que defendeu.

Isso só prova o quanto você é digno de representar a voz de 35 milhões de Flamenguistas espalhados pelo mundo.

Saudações Rubro Negras

Henrin Bueno disse...

Infelizmente o atraso e a picaretagem ainda mandam não só na política brasileira como no Flamengo. Traíram feio o Areias, buscando compor com o Plinio e todo o atraso que ele trás, com a mentalidade escrota e farsante do KL, caracterizada pelo "Balcão de Negócios" e salários artificialmente inflados para jogadores para lá de medianos. O grupo traíra que saiu da Fla21, tal como môscas escolheram a podridão.

Klaus Chagas disse...

Parabéns pelo Blog! Traga nosso link e ajude a divulgar o basquete do nosso mengão: orgulho da nação!
Valeu? Abraços e SRN!
http://torcidaflabasquete.blogspot.com/