A novela foi só mini-série

E Íbson fica mais um ano no Flamengo, por empréstimo. Ainda não li o que foi necessário para convencer os dirigentes do Porto, nem as condições em que ele vai ficar - presumo que tenhamos uma segunda temporada dessa série lá pro meio do ano que vem.

De qualquer forma, esta mini-ausência de Íbson e a própria dúvida sobre sua permanência serviram pra fazer o técnico e a torcida olharem com mais carinho para Kléberson. Houve a iminência de vê-lo como titular do time e o fato é que ele não decepcionou nas chances que teve nos últimos três jogos, inclusive o último como titular. E não deixou a galera chorar muito a possibilidade de ausência do ex-antigo dono da posição.

Minha opinião: não é porque Íbson ficou que o "pentacampeão" (engraçado isso, porque ele só ganhou uma Copa) não deve ser considerado para o onze inicial rubro-negro. Claro que, com o esforço feito junto ao Porto, Íbson fica com moral de titular. Mas Kléberson tem certas características e qualidades, especialmente no passe e no chute, que Íbson não tem. Enquanto um corre mais com a bola, o outro faz mais ela correr. Íbson parece mais dinâmico, surge em todos os cantos do campo, mas Kléberson pensa melhor o jogo, perde menos bolas tolas. Na marcação, diria que os dois se equivalem.

Kléberson pode vir a brigar tranquilamente por uma vaga no time.

2 comentários:

Sacaneator disse...

MORREU NA PRAIA
"Morrer na praia" significa liderar todo o campeonato e perder nas últimas rodadas ou no final. Vencedor do primeiro turno, Taça Guanabara, o Flamengo teve uma ótima chance de disparar no segundo turno. Ganhava do Botafogo por 3 X 1, faltando menos de 3 minutos. Mas levou dois gols naquele espaço curtinho de tempo. Foi um 3 X 3 que deixou o Botafogo ainda com chances na Taça Rio. Deixou o Botafogo voltar à luta e até a poder ganhar o segundo turno. Mas o Botafogo jogou a chance fora empatando com o Bangu na última rodada. Bastava então ao Urubu ganhar do Vasco, fazer um jogo-extra pela Taça Rio e ser campeão direto ou entrar com vantagem de um ponto na melhor de três. Levou 2 X 1, perdendo o ponto de vantagem. E depois, pra completar o fiasco, empatou o primeiro e perdeu o segundo jogo das finais com o Botafogo por 1 X 0. Vice-campeão de 89 depois de ter tido nada mais nada menos do que duas chances de fechar o campeonato e uma de entrar com vantagem na final. Deu um belo exemplo de sua reconhecida condição de time de chegada, somando mais um vice em sua gloriosa história de maior detentor carioca desse título.

André Monnerat disse...

Rapaz, estou até me sentindo importante. O grande Sacaneator vindo no meu humilde blog!

Não vou apagar seus posts, pode continuar contribuindo. Só peço pra quem for comentar por aqui evitar entrar em bate-bocas sem sentido.

Eu me lembro bem desse campeonato de 89, em que o Botafogo saiu do jejum. Especialmente do 3x3 com o Botafogo na Taça Rio, em que o Gonçalves, aquele que depois foi pro Botafogo e chegou à seleção, fez um golaço contra encobrindo o Zé Carlos.

Só é bom dizer que o Flamengo é não só o maior vice-campeão carioca, mas também o maior campeão carioca. Isso acontece porque o normal é o Flamengo estar na final, enquanto os outros têm o costume de ficar de casa nos secando a cada ano. Sinceramente, não é algo com que eu tenha problema não, bem pelo contrário.