O Fluminense tenta aprovar a criação de seu sócio-torcedor com direito a voto

Será que o Flamengo pode pensar em seguir o mesmo caminho após as eleições de dezembro?



Infelizmente, Patrícia Amorim não se mexeu neste sentido em todo o seu mandato e não vemos agora nenhum dos candidatos no Flamengo trazendo com clareza esta questão em seus discursos. Mas, no Fluminense, era uma das principais bandeiras de Peter Siemsen em sua campanha para eleger-se presidente a criação de uma categoria de sócio-torcedor com direito a voto. E hoje chegou o dia dos sócios do clube, em assembleia geral, votarem a alteração de estatuto que dará chance ao torcedor que não se interessa em frequentar a sede social a se associar e poder participar das eleições, pagando uma mensalidade mais barata.

Foram meses de negociações entre os membros das correntes que apoiaram o presidente eleito até se chegar a uma proposta final. O modelo adotado dará direito ao sócio-torcedor de votar para presidente após dois anos de associação, além de ter prioridade e descontos na compra de ingressos para os jogos do time de futebol. O peso do voto do sócio-torcedor nas eleições tricolores, que já são diretas, será igual ao de todas as demais categorias, mas ele não poderá se candidatar nem à presidência, nem aos conselhos. A mensalidade não poderá ser inferior a 25% do que paga o sócio-contribuinte; assim, hoje o valor mínimo para a nova categoria seria de R$30,25.

A alteração do estatuto precisa ser aprovada pela maioria de todos os sócios do clube que estejam em condições de votar. A votação está acontecendo hoje, ao longo do dia, nas Laranjeiras.


* * * * * * * * * *

Este é um tema emperrado há muitos anos na Gávea. As diretorias passadas - não só a atual - não conseguiram decidir-se a tentar a aprovação de uma nova categoria barata e com direito a voto, até por medo da resistência de alas mais antigas da política interna; com medo de abrir mão de receita, também não enxergaram que pode ser vantagem oferecer descontos nos ingressos para os associados por aumentar sua frequência no estádio, como o Corinthians conseguiu com seu Fiel Torcedor; e não viram como uma prioridade fortalecer a instituição trazendo um grande número de torcedores para dentro de sua vida, preferindo manter o Flamengo controlado por poucos. No caso de Patrícia Amorim, ainda houve uma enrolação maior para que algo fosse feito por conta do desastroso negócio envolvendo Traffic e Ronaldinho Gaúcho.

Adoraria ver os candidatos, agora, assumindo o compromisso claro de mudar esta situação. Como aconteceu no Fluminense.


* * * * * * * * * *

Peter Siemsen foi eleito no Fluminense em grande parte graças ao apoio de grupos de torcedores que se organizaram para trazer novos sócios para o clube e influenciarem de dentro na mudança que queriam ver acontecendo, inclusive na abertura para que mais gente como eles pudessem participar. Parece estar dando resultado.


* * * * * * * * * *

Mas em breve o Flamengo também terá o seu sócio-torcedor. Não vou discutir aqui os detalhes do novo plano, mas não há dúvidas de que o projeto será lançado, graças à influência da Ambev.

A companhia hoje é parceira dos principais grandes clubes do Rio de Janeiro e São Paulo, através da marca Brahma, e já vem ajudando em ações como a construção do CT do Flamengo, a sala de troféus e o novo restaurante temático do Fluminense nas Laranjeiras e melhorias diversas em São Januário. Agora está para lançar o projeto Por Um Futebol Melhor.

A ideia é que os sócios de todos estes clubes tenham acesso a um mesmo programa de descontos nos supermercados em produtos de diversas marcas, começando pelas da Unilever, Pepsico e da própria Ambev. Pode ser uma forma de ajudar a fidelizar estes sócios, fazendo-os continuarem pagando mesmo quando os resultados em campo não animarem. E o investimento em mídia que a própria Ambev fará para divulgar a parada poderá ser um grande impulso para os programas de todos os clubes.

Fica por conta dos próprios clubes definirem as categorias de sócios que poderão aproveitar estas vantagens, quanto cobrará e quais outros benefícios irão oferecer por sua conta aos torcedores. Eles resolverão se darão direito a voto, facilidades para conseguir ingressos, descontos em produtos oficiais ou quaisquer outras ideias que tenham. É esperar para ver o que cada um, inclusive o Flamengo, vai preparar.

2 comentários:

André disse...

Aguardo ansiosamente estas mudanças. Provavelmente o Flamengo será o ÚLTIMO a enxergar os benefícios destas atitudes e por isto está ficando para trás...

Luis disse...

Só espero que um dia não aconteça com o Fla o que vai acontecer pela 2a vez com o Palmeiras. Moro em SP e lá a bagunça administrativa e a ditadura dos conselheiros que representam o parquinho, a bocha e o cuspe à distância são aa mesmaa que a do Fla.