Jogo: Flamengo 0 x 1 Ponte Preta - Brasileiro 2012 - 22a. rodada

O esquema e a escalação mudaram. A qualidade do futebol, não.



Dorival Júnior parece ter ouvido muitos dos comentários em cima do fraco rendimento ofensivo do time nas partidas anteriores. Desistiu dos dois pontas abertos, colocou mais um atacante de ofício, escolheu um dos meias que tem para ser titular. E perdeu de 1x0 em casa para a Ponte Preta.

Não existe milagre. Foi uma mudança muito grande de uma partida para a outra, implementada sem qualquer treinamento. Surpresa seria se funcionasse bem. Até porque a verdade simples é esta: o elenco é ruim.

Qual o outro atacante confiável que o Flamengo tem hoje para atuar ao lado de Vágner Love? Meu titular, até uma semana atrás, seria Deivid, mas ele foi embora. Sobra o velho Liédson, o caneleiro Hernane e uma penca de garotos que não mostraram até hoje já terem condições de serem titulares. Quem sabe um dia?

Qual o armador que o Flamengo tem para colocar em campo? Ontem foi Bottinelli, que nunca se firmou; as alternativas são Camacho, Mattheus, talvez Adryan - embora este tenha jogado muito tempo na base aberto pela esquerda e seja mais de carregar a bola do que de passar -, todos apostas. Chegamos ao ponto em que o técnico se lamenta pelo desfalque de Renato, e o pior é que com certa razão - simplesmente porque realmente o time perdeu na troca dele por Íbson, em péssima fase.

O tempo passou para Léo Moura. Ramon é limitado. O grupo de zagueiros é dos piores que o Flamengo reuniu até hoje. Enfim: os problemas são muitos. E a projeção continua a mesma: se este time encerrar 2012 sem muito perrengue de rebaixamento, já terá sido lucro. Pra este ano, não dá pra esperar mais. Que ao menos tente se aproveitar a temporada para chegar a algumas conclusões sobre como se deve apostar nos garotos para o ano que vem.

* * * * * * * * * *

Preocupante mesmo foi ver o time terminando o jogo com quatro atacantes ao mesmo tempo em campo. É coisa típica de treinador desesperado.

Mas aconteceu muito pela péssima escalação do banco de reservas, em que a única opção para o meio-campo era o volante Muralha. Era óbvio que, se precisasse de algo para melhorar a produção na frente, sua única opção seria empilhar atacantes.




6/9/2012 - 19h30 - Flamengo 0 x 1 Ponte Preta
Estádio Raulino de Oliveira - Volta Redonda, RJ
Renda/público: R$ 46.585,00 / 2.627 pagantes

Árbitro: Elmo Alves Resende Cunha (GO)
Auxiliares: Guilherme Dias Camilo (MG) e Marcus Vinícius Gomes (MG)
Cartões amarelos: Ramon, Thiago Medeiros (FLA) e Ferron, Cicinho, André Luis (PON)

Gol: Uendel 20'/1ºT (0-1)

Flamengo: Felipe, Léo Moura, Wellinton, Thiago Medeiros e Ramon; Amaral (Negueba, intervalo), Luiz Antonio, Ibson (Nixon, 24'/2ºT) e Bottinelli; Vagner Love e Liedson (Hernane, 14'/2ºT). Técnico: Dorival Júnior.

Ponte Preta: Edson Bastos, Tiago Alves, Ferron e Diego Sacoman; Cicinho, Baraka, Renê Júnior, Marcinho (Nikão, 35'/2ºT) e Uendel; Luan (André Luis, 19'/2ºT) e Giancarlo (Roger, 11'/2ºT). Técnico: Gilson Kleina.

6 comentários:

Ricardo Ferreira disse...

Perfeito, André. Acho que não existe mais dúvidas sobre a limitação deste elenco. E os problemas são tantos, que não vejo como resolver todos para 2013.

São Judas Tadeu vai ter que fazer hora extra até o final do ano.

Abraço!

André disse...

Eu continuo contando até 42...me preocupa porque faz tempo que sequer empatamos....

Caio disse...

O elenco é fraco sim, mas podia render mais.
Acho até que o time foi melhor que em jogos passados(contra Inter e Sport), mas obviamente tá longe de ser bom. Preferi essa escalação que a antiga, acho que o Dorival podia continuar com essa, só treinar mais um pouco.
E risco de rebaixamento acho que a gente não corre, ficaremos ali no meio da tabela mesmo. O jeito é esperar 2013.

Luis disse...

Até há pouco tempo atrás achava que a Sulamericana era a meta tendo em vista vista a qualidade do elenco, e que seria tranquilo. Já começo a achar que a segundona é um risco a ser considerado ... Lamentável!!!

Flávio disse...

O elenco é um desastre. Pior ainda é saber o salário de cada um deles.
A Patrícia Amorim virou presidente de um time campeão brasileiro e lutou contra o rebaixamento em 2010.
Em 2011 iniciou bem, com boas contratações... mas aí, a vertente política falou mais alto e o Ronaldinho entrou em pauta para ela ganhar a eleição de vereadora.

O problema agora é terminar o ano sem cair. A estrutura fora de campo firmou-se com Zinho e Dorival. Mas ainda temos de aturar Léo Moura e Ibson que mandam muito na Gávea.
Quem sabe poderíamos esquecer os péssimos Negueba e Luiz Antônio?

Terapia do Toque disse...

Esta diretoria já está mais que na hora de sair, já passou do tempo, mas uma coisa temos que ser justo, esses jogadores foram pedidos, pelo menos a maioria, pelos treinadores, incluindo Luxemburgo. No Brasil, quando se diz que o melhor treinador é o Murici, por aí vc tira a qualidade dos "professores". Eu acho que os times brasileiros poderiam arriscar trazer treinadores estrangeiros, com outra mentalidade, outra cabeça. O futebol brasileiro só se equiparou com o europeu em termos financeiros.