Jogo: Botafogo 0 x 0 Flamengo - Brasileiro 2012 - 19a rodada

O Flamengo de Dorival rapidamente tornou-se um time que funciona - mas, por enquanto, pela metade.




Sabe aquele discurso manjado de que "nem sempre ter atacantes a mais faz um time mais ofensivo"? Este Flamengo de Dorival Júnior é a prova disso. Não se pode dizer que joga na retranca, não é isso; mas fato é que o esquema que o treinador montou, em tese com três atacantes, fez com que o time evoluísse muito mesmo em sua marcação, mas não com que funcionasse bem na frente.

Defensivamente, já é uma equipe que funciona - a ponto de até Wellinton conseguir, dentro de suas limitações e distribuindo chutões, se sair bem. Mas, para isso, os dois pontas - Thomás e Negueba - são vistos muitas vezes marcando juntos na intermediária de defesa. É bonito, mostra a aplicação que todos estão tendo, mas quando o time recupera a bola, Love está absolutamente sozinho na frente, muito longe dos outros. Quando o time consegue levar a bola até o campo de ataque, com o tanto que depende das jogadas pelos lados, seguem faltando jogadas combinadas e de ultrapassagem entre os pontas e laterais, todos ainda precisando apelar com frequência demais para os lances individuais. Pode funcionar vez ou outra, mas nenhum dos quatro é hoje jogador pra isso.

Há também muita dificuldade na saída da defesa. Não há um verdadeiro meia pra fazer a ligação, não há movimentação adequada para dar opção de passe e os jogadores acabam apelando demais para passes longos e forçados, devolvendo a bola com frequência ao adversário. Foi muito por isso que, hoje, o Botafogo conseguiu controlar a posse de bola em boa parte do tempo.

Mas a verdade é que o Botafogo até teve bastante a bola, mas não criou nenhuma oportunidade de fazer seu gol. Foi um jogo sem muitos lances de perigo, mas os que existiram, apesar de toda a limitação ofensiva rubro-negra, foram do Flamengo. Na maior parte do tempo houve mesmo a impressão de que acabaria em 0x0, mas se houvesse um vencedor, não poderia ser o Botafogo.  No final, no entanto, a postura rubro-negra em campo e até a última substituição feita por Dorival Júnior indicava que não estavam muito insatisfeitos com o empate. Faltou um tantinho de vontade de buscar um resultado melhor.



26/8/2012 - 16h - Botafogo 0 x 0 Flamengo

Engenhão - Rio de Janeiro, RJ
Renda e público: R$ 440,905,00 / 15.090 pagantes

Árbitro: Péricles Bassols Cortez (Fifa-RJ)
Auxiliares: Marco Antônio Santos Pessanha (RJ) e Rodrigo Henrique Correa (RJ)
Cartões amarelos: Brinner, Lucas, Márcio Azevedo e Cidinho (BOT); Cáceres e González (FLA)

Botafogo: Jefferson, Lucas, Brinner (Dória 35'/2ºT), Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Amaral, Renato, Lodeiro, Andrezinho (Cidinho 28'/2ºT) e Seedorf; Elkeson - Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Flamengo: Felipe, Léo Moura, Welinton, González e Ramon; Cáceres, Luiz Antonio (Muralha 41'/2ºT) e Ibson; Negueba (Liedson 36'/2ºT), Thomás (Adryan - intervalo) e Vagner Love - Técnico: Dorival Júnior.

6 comentários:

Tiago Cordeiro disse...

Eu chamo esse esquema de retranca, mas não é uma retranca usual ou um esquema a lá Joel. O mais importante é o Flamengo voltar a ser competitivo.

Agora, vai levar tempo até a gente voltar a dar espetáculo.

André disse...

O Dorival está fazendo um bom trabalho. O que dá para esperar do elenco do Flamengo é essa campanha mesmo. Um pouco superior a 50% de aproveitamento.

A meu ver, agora, temos um esquema definido e um time bem organizado. A nossa limitação é técnica. Negueba e Thomas são jovens, têm disposição, brigam muito, mas tecnicamente são medíocres na definição explícita da palavra. Jogam como qualquer jovem que fez escolinha de futebol e possui um bom preparo físico. Nada de mais.

Além disso não conseguem terminar NENHUMA jogada. Principalmente de contra-ataques, o que é o principal objetivo do esquema montado pelo Dorival.

Neste jogo contra o Botafogo ficou latente esta dificuldade. Quantas roubadas de bola e chances de contra-ataque tivemos de frente para a defesa do Botafogo? Devem ter sido mais de 10 oportunidades de acertar a jogada. Nem Negueba, nem Thomas, Ibson ou Adryan acertaram um contra ataque. E não por falta de posicionamento. Erraram porque não conseguiram acertar o passe ou encaixar o drible. E isso é limitação técnica. Desta barreira o técnico não consegue passar.

Então, amigos torcedores, o que teremos até o fim é a faixa do 7º ao 13º lugar. Dificilmente passaremos disto.

Luis disse...

Vamos melhorando. Esse ano é Sulamericana e aguardemos 2013.

saulo disse...

Eu acho o esquema bom, falta é material humano pra desenvolver ofensivamente. Não temos um camisa 10 clássico para armar com qualidade pelo meio. Nenhum dos dois garotos que jogam nas pontas tem mostrado qualidade para puxar contra-ataques em velocidade (Negueba sempre se enrola com a bola e Thomas sempre prende e perde ao tentar um drible). Eu já teria testado outro jogador no lugar do Thomas, talvez o Botinelli. O fato é que esse esquema parece estar com os dias contados com a volta do Adriano. Defensivamente, para mim, o grande destaque é o Cáceres. Joga simples, mas está sempre bem posicionado e é muito bom no desarme.

André Monnerat disse...

Vejam que não estou criticando o esquema em si. Na verdade, esquema bom é o que funciona bem com as peças que o elenco tem à disposição. Tem que escolher de acordo com as características de seus melhores jogadores.

Com o que o Flamengo tem hoje, eu provavelmente escolheria outro esquema, ofensivamente falando. Exatamente pelo que o Saulo disse: não temos o 10, não temos os jogadores para jogarem abertos. Fica faltando alguma coisa.

Mas, por outro lado, tudo o que está sendo feito serve pra irmos sentindo os garotos, deixando eles se acostumarem a jogar no time de cima para, pro ano que vem, decidirmos com quem dá ou não pra contar.

LuksAlves disse...

Mesmo se o campeonato terminar hoje, eu to satisfeito, porque agora agente tem um treinador serio e uma ideia de jogo definida, acho que no maximo esse time vai brigar por vaga na libertadores, o negocio agora é pensar no próximo ano, e talvez o Dorival já tenha em mente jogadores para entrar nesse esquema tático. A nossa deficiência no elenco fica a mostra quando Renato sai do time, e não se tem nenhum jogador capaz de substituí-lo a altura, embora Ibson tenha ido razoavelmente bem, o destaque do time é o Cárceres bom marcador, sabe sair com a bola bem, e é alto, ou seja, ajuda na bola parada parece que o seu lugar não é como primeiro volante e sim como segundo, e acho que Luiz Antonio (que não ta bem) saia para Airton entrar no time e jogar o Cárceres mais pra frente. Enquanto ano passado não tinha centroavante e tinha dois meias, hoje agente não tem meia, mas tem 3 centroavantes, e um deles ainda é o Adriano (que sorte).