Seedorf vai tentar vencer o complexo de inferioridade do Botafogo

Mesmo já na descendente, o holandês pode ajudar seu novo clube a superar sua própria personalidade.



Quando, há cerca de um ano e meio atrás, uma penca de times se estapeava para ver quem teria o direito de pagar mais de R$1 milhão por mês a Ronaldinho Gaúcho, eu publiquei por aqui um texto comentando como aquela novela mostrava que as diferenças de valores entre o futebol europeu e o brasileiro estavam diminuindo e ficava cada vez mais viável pensar em ter por aqui grandes estrelas de nome internacional. Isso ia ficando demonstrado cada vez mais pelo retorno de brasileiros bem sucedidos, mas eu colocava a questão: quando será que algum clube daqui faria uma cartada para trazer um astro europeu? A resposta surgiu ontem.

Seedorf, está claro, já não é um jogador de primeiro nível europeu. Já tem bastante idade e, na última temporada, deixou de ser sempre titular no Milan. Antes de acertar com o Botafogo, falava-se que a concorrência à proposta brasileira vinha de lugares como China, Oriente Médio e até Canadá (embora digam agora que havia também uma negociação com a Inglaterra). De qualquer forma, tem uma carreira de respeito, fama mundial e, mesmo passando pela reserva, ainda conseguiu ser competitivo no campeonato italiano e na Champions League. Um Neymar, por exemplo, hoje vale mais do que ele, mas ainda assim sua presença por aqui representa algo inédito e vai chamar bastante atenção, simplesmente pela nacionalidade do cara.

Mas ainda não chegou o momento de termos por aqui um jogador como ele em seu auge. Para isso acontecer, não é só questão de arrumar caminhões de dinheiro, porque isso árabes e chineses têm e ainda assim é muito complicado para eles atraírem gente assim. É preciso elevar o nível de nossos campeonatos como um todo para transformá-los em produtos mais atraentes, coisa que nossos clubes não conseguem se unir para conseguir.


* * * * * * * * * *

O salário de Seedorf, pelo que dizem, é parecido com o que o Fluminense gasta num Thiago Neves da vida.   É o tipo de número que hoje em dia já não impressiona tanto assim quando vemos na imprensa, mas ainda é muito dinheiro - especialmente para um clube como o Botafogo, que teve ano passado receita menor que a do Coritiba. A administração de Maurício Assumpção recebe muitos elogios, passa uma imagem de profissionalismo maior que a média dos dirigentes brasileiros, mas fiquei realmente assustado quando vi o balanço financeiro alvinegro de 2011. A situação de grana deles é bem mais complicada do que parece.

Mas é claro que ter um cara como esses por lá atrai mídia, chama atenção e aumenta a autoestima do torcedor. Não vou chutar aqui fazendo cálculos pra dizer se a conta tem ou não como fechar, mas se houver um trabalho competente no marketing, ele pode ajudar o Botafogo a ganhar mais dinheiro.

* * * * * * * * * *

Por melhor que sejam o planejamento e os profissionais de marketing do Botafogo, o retorno só vai vir pra valer se ele corresponder em campo. Ao menos em tese, é bem possível.

Sabemos que um dos maiores desafios que o Botafogo precisa vencer para conseguir ganhar alguma coisa é seu próprio complexo de inferioridade. Fora a questão histórica da personalidade de seu torcedor, o elenco hoje tem uma porção de bons jogadores do meio pra frente, mas quase todos com jeitão de coadjuvante. Loco Abreu, que tem mais vocação para protagonista, parece não estar mais conseguindo manter um bom rendimento. Seedorf vem para preencher este espaço e, assim como na do torcedor, pode ter um bom efeito na autoestima do próprio time. Se tiverem feito as contas direito para não comprometer suas economias, os dirigentes do Botafogo podem ter dado uma cartada certeira nessa aí.

Mas hoje, mesmo sem um ataque tão respeitável assim no papel, o Botafogo já é o time que mais fez gols no campeonato. Seus maiores problemas têm sido na defesa - e Oswaldo de Oliveira costuma mesmo ser bem mais competente armando os times na frente do que atrás. Não vai adiantar muito Seedorf chegar e jogar bem se, para cada gol que ele der de presente para seus companheiros, o time levar mais um ou dois.

2 comentários:

Luis disse...

Teria sido uma boa para o Flamengo.

Régis Marra disse...

Acho que Seedorf ainda pode render muito no futebol brasileiro.