Brasileiro 2012 - 10a rodada - Flamengo 0 x 3 Corinthians

Se alguém ainda não tinha caído na real sobre as perspectivas deste Flamengo em 2012...



Tivemos ontem no Engenhão um espetáculo bastante didático. Todo mundo pôde aprender a diferença que existe entre um time e um não-time; um grupo de jogadores treinado, que entra em campo sabendo o que fazer para alcançar seu objetivo, e outro apenas com noções superficiais do que seria um esforço coletivo para alcançar o sucesso no futebol.

O Corinthians armou um bloqueio que normalmente começava a partir do meio do campo, pelo qual o Flamengo não conseguia passar de jeito nenhum. Os rubro-negros então - estáticos, previsíveis - trocavam passes laterais, quase sempre longe da área corintiana; sempre que decidiam algo um pouco mais incisivo, perdiam a bola e sofriam com contra-ataques rápidos que aproveitavam-se da incrível desorganização defensiva do time de Joel, em especial pela enorme avenida que existia pelo lado de Léo Moura. A estatística mostrava o Flamengo com um nível de posse de bola comparável a um Barcelona, mas o time catalão nunca deve ter tido um adversário finalizando de dentro de sua área tantas vezes quanto o Corinthians no primeiro tempo de ontem.

Os dois gols que decidiram o jogo ainda na primeira etapa, no entanto, não saíram em um destes contra-ataques, mas sim em momentos em que os paulistas partiram para pressionar o Flamengo em seu campo. Na primeira, o toque para Bottinelli na fogueira, quando ele incrivelmente era o último homem, foi tão previsível que Douglas partiu em disparada para roubar a bola do argentino antes mesmo do passe ter sido dado, tomando-lhe a redonda como se fosse doce de criança; na segunda, Renato resolveu tentar se livrar da marcação dentro de sua própria área com um inacreditável passe de calcanhar. Se é óbvio que o Flamengo é hoje bem pior que o Corinthians, fica ainda mais difícil entregando gols desta forma.

A falha grotesca de Renato não parece ter gerado maiores protestos da arquibancada, mas Bottinelli - único armador do time em campo - passou a ser perseguido com vaias após a sua. Mostrou personalidade e passou a jogar até melhor a partir daí. Ainda assim, foi sacado no intervalo para a entrada de Adryan, que passaria então a tentar criar como ponta esquerda em um time com três volantes no meio. Obviamente não deu certo, como também não havia funcionado em Salvador no domingo. O Corinthians fez o terceiro em mais um momento de constrangedora desarrumação da defesa rubro-negra e, a partir daí, deixou o tempo passar. Não se esforçou para fazer o quarto nem mesmo ao bater o pênalti espantoso de Aírton, cobrado preguiçosamente (piedosamente?) por Emerson.

* * * * * * * * * *

Na verdade, esta foi apenas a terceira partida do Flamengo neste campeonato contra um time que entrou com seus principais titulares e, em tese, tem algum objetivo além de não ser rebaixado. Foi a terceira derrota. E a segunda em que, pelo futebol visto em campo, os rubro-negros escaparam de uma goleada impiedosa.

O Flamengo hoje está mal servido de laterais, zagueiros, meias e atacantes. E é mal treinado, joga sem ultrapassagens, estático, previsível, sem qualquer movimentação que pareça ter sido ensaiada. O trabalho do treinador faz o grupo parecer ainda pior do que é, ao mesmo tempo em que a fragilidade do elenco piora a percepção sobre o que o técnico tem feito. Hoje, o mais fácil é trocar o treinador - até porque é possível que alguns dos garotos que estão subindo agora, na fogueira, possam ser parte importante de uma base capaz de buscar coisas boas nos próximos anos. Mas, em minha opinião, qualquer movimentação tem que ser feita já levando em conta a temporada que vem. É desperdício gastar esforço e dinheiro em bombeiros e outras soluções paliativas no desespero do momento, assim como insistir em algumas que já estão lá, não resolvem agora e nem tem cara de que possam fazê-lo no futuro.




18/7/2012 - 22h - Flamengo 0 x 3 Corinthians
Engenhão - Rio de Janeiro, RJ
Renda/público: R$ 321.605,00 / 12.027 pagantes

Árbitro: Sandro Meira Ricci (PE)
Auxiliares: Roberto Braatz (PR) e Altemir Hausmann (RS)
Cartões amarelos: Aírton e Adryan (FLA) e Chicão (COR)

Gols: Douglas 27'/1ºT (0-1), Douglas 39'/1ºT (0-2) e Danilo 10'/2ºT (0-3)

Flamengo: Paulo Victor, Léo Moura, Arthur Sanches, Marllon e Magal; Aírton, Ibson, Renato e Bottinelli (Adryan, intervalo); Hernane (Mattheus 19'/2ºT) e Vagner Love. Técnico: Joel Santana.

Corinthians: Cássio, Alessandro, Chicão, Paulo André e Fábio Santos; Ralf, Paulinho, Douglas (Edenílson 35'/2ºT) e Danilo; Romarinho (Jorge Henrique 38'/2ºT) e Emerson. Técnico: Tite.

6 comentários:

Ad@1LtoN disse...

Love mandou o papo reto ontem já.
Que o time tem jogadores que possam jogar no meio e o Joel não os utiliza como deve.

nicacioneto disse...

Concordo com vc, tem que pensar na proxima temporada, tomando cuidado para não cair. Falta jogador, mas tem time pior que esse e joga melhor, ou pelo menos arrumado. Joel tirar o Botineli e justificar que tirou pq ele errou e deixar o Renato em campo, foi um absurdo. E ainda colocar a culpa nele, quando foi um erro em conjunto. O erro de Renato foi muito pior... Colocar Adryan na ponta esquerda, deixar Airton como titular, o que foi aquele penalti bisonho! O posicionamento numa falta próxima da área é um exemplo que esse time não foi treinado. Olhem como time do Corinthians se posiciona, todo mundo sabe o fazer, no Flamengo joga no bolo pra ver no que dá.
Enfim, fica dificil apoiar o time assim, pelo menos raça a gente vê que tem...

LuksAlves disse...

Como sempre, bela analise.

André, se Joel sair hoje, quem você apoiaria pra ser novo tecnico do Fla?

André Monnerat disse...

LuksAlves, eu queria alguém de fora, na verdade. Acho o cenário interno atual muito desanimador. Toparia apostar no Sampaoli ou, sendo louco, em dar um jeito de convencer o Marcelo Bielsa.

Mas, entre os daqui, parece que o Dorival Júnior tá pra cair. Se acontecer mesmo, e não estiverem dispostos a ariscar um gringo, deveriam aproveitar a chance de trazê-lo.

nicacioneto disse...

Tb concordo, o Dorival seria a minha primeira opção. Pelo trabalho que fez no Santos com a base e por jogar pra frente...

Ricardo Nagato disse...

A falha do Renato foi muito, mas muito pior do que a do Bottinelli. Renato foi irresponsável, o que é inadmissível. Mesmo assim, a torcida no estádio não vaiou. Só pegaram no pé do Bottinelli.

A falha deste foi grotesca, claro. Mas o Arthur Sanches tem uma grande parcela no lance. Na hora, minha reação foi pedir para ele chutar pra frente, pois era óbvio que recuar era errado. Vendeu o Bottinelli no lance e saiu ileso. Um passe para trás, com o Douglas atrás do Bottinelli, nem deu chances para este se defender. Quando viu, já era.

E não vi ninguém na mídia falando no zagueiro. Para todos, a falha foi única do Bottinelli. Quem mandou ele não ter olhos na nuca?

Aliás, ele estar como último homem já foi um erro de posicionamento que é típico deste time do Joel, treinador há anos ultrapassado. No Flamengo, ele sempre viveu do "vamos lá". Nunca houve tática, treinos. Sempre detestei e não mudo minha opinião. Ele sempre foi fraco.

Na cabeça dele, os garotos devem jogar abertos pelas pontas. É um idiota. O time não tem movimentação, ninguém abre para receber bolas, não tem ultrapassagem, não tem tabelas, não há marcação pressão, não tem redução de espaço.

Não adianta trazer jogadores. O que vai melhorar o time é um técnico novo, moderno e com tempo para trabalhar. Infelizmente, não temos tempo. Então, é lutar para não cair e montar o time para 2013.

Concordo com os nomes que o André colocou. Seriam minhas preferências também. Mas a torcida não terá paciência. Basta ver o tipo de reação esdrúxula da torcida no estádio.

E nem falo de direção do clube, que nem merece comentário de tão ridícula. Isso eu comento só depois que eu conseguir me tornar sócio e poder participar mais.

SRN