Estadual 2012 - Taça Rio - 6a. rodada - Flamengo 2 x 1 Bangu

No primeiro tempo, o time mostrou futebol realmente bom apenas pela segunda vez no ano. No segundo, quase deixou isso virar um tropeço. Mas o que interessa mesmo é quarta-feira.


* * * * * * * * * *

O primeiro tempo do Flamengo hoje, quando fez 2x0 em cima do Bangu e poderia ter marcado mais uma penca de gols, foi realmente muito bom. Não entrem nessa de que Ronaldinho virou meia com a entrada de Deivid, o esquema mudou, nada disso. Não é por aí; a formação foi no 4-3-2-1, em boa parte do tempo transformado em 4-3-3 mesmo, que Joel tem usado em quase todos os jogos. A atuação boa se deveu principalmente a quatro fatores - sendo que três deles também estiveram presentes no outro bom momento de futebol do time nesta temporada, naqueles 25 ou 30 minutos do segundo tempo contra o Olímpia, no Engenhão.

1 - A fragilidade extrema do Bangu, especialmente na marcação. Ao mesmo tempo pressionados pela ameaça de rebaixamento e esperançosos em passar para as semifinais da Taça Rio, os banguenses decidiram tentar vencer o Flamengo. E, nessa, deram mesmo muito mole. Os rubro-negros tiveram muita liberdade para criar.

2 - Vontade de todo mundo mostrar serviço, o que inclui Ronaldinho. E, como naqueles bons minutos contra o Olímpia, hoje ele fez um belo primeiro tempo. Sua função não mudou; continuou sendo um semiatacante que vinha aberto pela esquerda para o meio. Mas participou mais do jogo e deu passes decisivos, inclusive na bela jogada do primeiro gol. E todo mundo, não só ele, esteve a fim de jogo.

3 - Quem completava o trio de frente, ao lado de Ronaldinho e Love, era alguém com jeito de atacante - no caso, Deivid. Contra o Olímpia, era Thomas; nos últimos jogos, andou sendo Bottinelli, e o argentino não tem características para isso. Ter outro atacante facilita a vida dos outros, que ganham mais opção de jogada. Hoje Deivid foi muito bem no primeiro tempo, aliás; colocou os outros na cara do gol três vezes (em uma delas saiu o segundo gol) e esteve perto de marcar o seu umas quatro. Deu opção ao time no jogo aéreo e foi bem nos passes.

4 - Marcação adiantada, aproximando as linhas do time. Com o time se colocando todo mais à frente, os três do meio se aproximam dos da frente e tudo fica mais fácil. Isso também aconteceu na parte boa do segundo tempo contra o Olímpia.

Só que, no segundo tempo em Macaé, três destes fatores desapareceram. O Bangu mudou o time e deu uma acertada em sua marcação; com 2x0 no placar, o Flamengo tirou o pé e aquela vontade de jogar sumiu; e a marcação recuou para o próprio campo o tempo todo. Neste esquema de Joel, quando a marcação recua, o espaço entre os volantes e os homens de frente fica grande demais. Os jogadores se espalham, as distâncias aumentam, o passe fica mais difícil. Não é à toa que a estatística mostrava um crescimento enorme no número de passes errados. E aí o Bangu começou a ficar mais com a bola. O jogo ficou ruim.

Por muito pouco o Flamengo não repetiu o papel feio da Libertadores, deixando uma vitória tranquila acabar virando um tropeço. O Bangu diminuiu, isso gerou um baque e logo em seguida quase veio o empate, em uma chance incrível perdida. Depois disso, o Flamengo conseguiu se reconcentrar e controlou o jogo, sem correr tanto risco assim. No final, até o terceiro gol poderia ter saído.

* * * * * * * * * *

Tenho a impressão de que Joel não escalou hoje Kléberson e Diego Maurício de início por que não estão inscritos na Libertadores. Meu palpite é que ele aproveitou a partida para testar e treinar o time que pretende colocar em campo quarta-feira, contra o Emelec. Vamos ver.

* * * * * * * * * *

Gonzalez veio para dar um jeito na zaga e, sinceramente, ainda não tenho opinião formada sobre o cara. Parece se colocar bem e o rendimento de David subiu ao seu lado, o que é sempre um bom sinal. Mas fato é que falhou feio em gols nos dois jogos contra o Olímpia e, hoje, falhou em algo que, dizem, é sua especialidade: o jogo aéreo. Ficou marcando só a bola em um cruzamento e ela caiu atrás dele, na cabeça do atacante do Bangu, no lance do gol. Lance típico de David, aliás.



1/4/2012 - 16h - Flamengo 2 x 1 Bangu
Estádio Cláudio Moacyr - Macaé, RJ
Renda/Público: R$ 75.600 / 5.127 pagantes


Árbitro: Grazianni Maciel Rocha (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia (RJ) e Rodrigo Henrique Correa (RJ)
Cartões amarelos: Oliveira, Fernando Lopes e Raphael Azevedo (BAN)

Gols: Vagner Love - 17'/1ºT (1-0) e 34'/1ºT (2-0); Sergio Junior - 29'/2ºT (2-1)

Flamengo: Felipe, Leo Moura, Welinton, Marcos González e Junior Cesar; Willians, Muralha (Kleberson, 23'/2ºT), Darío Bottinelli (Magal, 39'/2ºT) e Ronaldinho Gaúcho; Deivid (Diego Maurício, 31'/2ºT) e Vagner Love - Técnico: Joel Santana.

Bangu: Willian Alves, China, Raphael Azevedo, Fernando Lopes e Renan Oliveira; Oliveira (Gabriel Galhardo, Intervalo), André Barreto, Thiago Galhardo (Luciano, 44'/2ºT) e Sergio Junior; Almir e Fabinho (Gedeílson, Intervalo) - Técnico: Cleimar Rocha.


2 comentários:

Unknown disse...

O Deivid realmente jogou muito bem, e o time se torna muito mais interessante e difícil de ser marcado com ele do lado do Love. Espero que o Joel realmente mantenha essa escalação (ou se quiser trocar o Júnior Cesar pelo Magal, melhor ainda) para o jogo de quarta.
E o Capwell que me espere, pois na quarta feira estarei lá para apoiar o mengão no jogo contra o Emelec.

Abraço e parabéns pelo blog

Luis disse...

O time do Bangu é realmente muito fraco e o 1o tempo de ontem não é parâmetro para nada.