Estadual 2012 - Taça Rio -3a. rodada - Flamengo 2 x 0 Fluminense

O primeiro Fla-Flu do ano do centenário do clássico foi disputado por dois times que não tinham muito como conseguir se encontrar em campo.



* * * * * * * * * *

É lamentável que o primeiro Fla-Flu do ano do centenário do clássico tenha sido o que foi - marcado entre duas rodadas da Libertadores, com um dos times escalando deliberadamente seus reservas e o outro mutilado por desfalques. A vitória, para os objetivos do Flamengo no campeonato, foi mesmo importante; se perdesse, o time hoje estaria incrivelmente longe da zona de classificação para as semifinais da Taça Rio. Mas, nas condições em que a partida correu, é até difícil fazer qualquer análise que projete algo sobre as duas equipes para além do próprio jogo.

Joel surpreendeu, escalando um meio-campo que ninguém esperava, com dois jogadores que não tinham entrado em campo ainda este ano: Thomás e Kléberson. Desistiu do esquema com três zagueiros, o que mostra que ele só vê sentido na ideia se tiver Léo Moura, no que está absolutamente certo. Colocou ainda Magal como titular na lateral esquerda - não está claro ainda se Júnior César foi barrado ou apenas poupado. Com todas essas mudanças, era de se esperar que o time, que já não vinha jogando bem, tivesse dificuldades em mostrar alguma consistência.

Do outro lado, o Fluminense veio praticamente apenas com reservas do meio pra frente. No papel, poderia até ser uma equipe muito forte mesmo assim, mas não é o que tem sido visto na prática, quando Abel poupa seus titulares. Wagner, por exemplo, que eu vi jogando bem no Cruzeiro, no Fluminense ainda não conseguiu produzir nada, e ontem não foi diferente. Enfim: também não dava pra esperar tanto dos tricolores.

Sem ter criado muita coisa até então, o Flamengo conseguiu fazer 2x0 em dois lances meio isolados: um pênalti muito bobo cometido por Carleto em Galhardo, em jogada que dificilmente daria em alguma coisa, e um chute bem dado por Kléberson dentro da área, mas que só aconteceu depois de uma falta cobrada rápido no meio-campo que pegou a defesa desprevenida e um corte mal feito pelo alto do zagueiro Anderson.

A vitória, de repente, parecia muito bem encaminhada, mas Ronaldinho - que tinha até então uma atuação até mais participativa que seu normal, aparecendo mais no meio pra pegar a bola, mas sem criar nada de muito efetivo - arrumou uma expulsão. A jogada foi típica de quem não está com ritmo de jogo: a bola perdida por estar preso no chão, sem conseguir tirar o pé de apoio do lugar pra ir atrás dela, seguida por uma entrada feia, num lance besta, daquelas que o cara faz quando está sem tempo de bola pra dar o bote certo (e daquelas que ele tem feito com frequência desde que chegou ao Flamengo).

E aí, no segundo tempo, com um a menos, o Flamengo que já não tinha muito conjunto resolveu recuar todo pra tentar segurar o resultado na base da retranca. Enquanto isso, o Fluminense reserva, também sem grande conjunto, não tinha criatividade para encontrar uma maneira de furar o bloqueio que não fosse chuveirinhos na área em sequência. Ainda assim, poderiam ter ao menos diminuído o placar, não fosse a grande atuação de Paulo Victor - que, pra mim, pelo que mostrou até hoje quando teve suas chances, poderia barrar Felipe como titular.

* * * * * * * * * *

De bom, podemos falar da atuação da zaga do Flamengo. Conhecida pelas falhas no jogo aéreo, ontem não teve vacilos e aguentou com relativa segurança a pressão. Pode já ser efeito da entrada de González, que ontem teve seu primeiro teste razoável desde que chegou e se saiu bem. Vamos ver com a sequência de jogos se é isso mesmo.

* * * * * * * * * *

Thomás, que vinha tão bem no ano passado, teve sua primeira chance do ano. Se mexeu até bem no primeiro tempo, mas a produção mesmo foi discreta. Mas é isso: foi só o primeiro jogo do cara no ano. Deveria poder entrar mais.

E Kléberson ressurgiu do nada e não foi muito diferente do que sempre jogou no Flamengo. Não é um grande armador, daqueles de dar passes surpreendentes - nunca será. Sua melhor característica é saber ultrapassar a linha da bola, vindo de trás, para receber ela em boas condições para finalizar, e isso fez uma ou outra vez ontem no primeiro tempo, enquanto o time ainda tentou jogar. Não é uma solução para o time, dificilmente seria meu titular, mas o acho em tese até mais útil do que Willians ou Renato, por exemplo.




11/3/2012 - 18h30 Flamengo 2 x 0 Fluminense
Engenhão - Rio de Janeiro, RJ
Público e renda: R$ 303.640,00/ 10.534 pagantes

Árbitro: Eduardo Cordeiro Guimarães
Auxiliares: Dilbert Pedrosa Moisés e Luiz Antonio Muniz de Oliveira

Cartões amarelos: Galhardo, Ronaldinho, Thomás e González (FLA)/ Carleto, Souza e Anderson (FLU)
Cartão vermelho: Ronaldinho (39'/1°T)

Gols: Ronaldinho (21'/1ºT), Kleberson (24'/1ºT)

Flamengo: Paulo Victor; Galhardo, González, David e Magal; Muralha (Rômulo 42'/2ºT), Luiz Antonio, Kleberson e Thomás (Diego Maurício 15'/2ºT); Ronaldinho e Vagner Love (Deivid/45' 1ºT). Técnico: Joel Santana

Fluminense: Diego Cavalieri; Jean (Lanzini/20'2ºT), Leandro Euzébio, Anderson e Carleto; Edinho (Wallace/intervalo), Diguinho, Souza e Wagner; Rafael Sóbis (Samuel/intervalo) e Rafael Moura. Técnico: Abel Braga

9 comentários:

JLD disse...

Grande análise, André. Duas coisas me chamaram atenção: uma, como o Joel de fato decidiu desistir do Deivid e outra, sobre a mesma substituição, mostrando que ele SEMPRE vai guardar uma alteração para os minutos finais, quando o resultado não for de todo negativo. Muito antiquado mesmo. Ah, e me surpreendeu a não utilização do Negueba, já que o segundo tempo era ideal pra ele jogar no contra-ataque.

André disse...

Realmente essa de não usar o Negueba para correr nos contra ataques foi absurdo.

Colocar o Diego Maurício para "dar velocidade" pela ponta esquerda foi coisa de quem nunca viu o jogador em campo. Ele consegue no máximo ganhar na explosão dentro da área. Agora quando precisa de velocidade em um espaço maior sempre perde.

Paulo Vitor tem se mostrado um excelente goleiro mesmo e estou questionando mesmo a titularidade do Felipe.

Gosto de ver a garotada em campo mas o Muralha já começa a me incomodar com os seus seguidos erros de passes rídiculos na saída de bola. Várias vezes isto gera contra ataques para o adversário desnecessariamente.

Sempre questionamos este defeito no Willians e temos que abrir os olhos para o Muralha. Além disto não é um marcador de muita raça e disposição. Vejo apenas cercando. Possui um bom chute aparentemente e tem coragem de arriscar. A meu ver poderia ser um bom segundo volante.

O Luiz Antônio fez uma boa partida ontem e gostei também do Magal que pode ser um concorrente a altura do Junior César.

O Ronaldinho está praticamente implorando para sair...

André Monnerat disse...

A questão do Muralha não me parece é ser deficiência técnica, como no caso do Willians. O cara tenta é jogadas meio arriscadas demais na saída de bola. Uns passes cruzando na frente do adversário, giros esquisitos... Sempre em áreas perigosas do campo.

Mas ontem até que achei ele melhor nisso.

Luis disse...

De uma forma geral, a garotada tem ficado bem abaixo das expectativas. Pode ser porque o time está sempre mal arrumado e mal treinado, mas a realidade é que Galhardo, Muralha, LAntônio, Thomas, Negueba etc até agora não desencantaram.

O Gonzalez parece que arrumou a defesa, mas ainda é cedo.

O Ronaldinho ...... esse cara vai destruir o já combaido caixa do Mengão e tem que ser mandado embora!

Alan disse...

Duas dúvidas: já que a garotada tá entrando, por onde anda o Lorran?
Segundo, alguém se lembra se o Bruno, quando contratado, veio pra ser titular, ou se tirou a vaga do Diego? Por que se veio já pra ser titular, a última vez que um goleiro reserva efetivamente tomou a vaga do titular foi com o JC, botando o Clemer no banco. Mais de década...

Alan disse...

Ah, sim: nunca fui grande fã do cara, mas acho o Kléberson melhor que Aírton e Willians, e MUITO MELHOR que o Renato. Por mim, os volantes do time seriam ele, o Maldonado e os garotos.

André disse...

Agora o Adriano está sobrando no mercado...será que teremos o "trio parada dura" no Flamengo?

Fico apavorado com esta possibilidade que considero muito provável...

Já imaginaram quantas festas por dia terão no RJ com Love, Adriano e R10 juntos? Já imaginaram o aumento no consumo de chopp?

Pelo menos vai ser bom para as cervejarias...

Flávio disse...

Além da vitória, o jogo teve três fatos positivos:
O primeiro é que o Ronaldinho é movido a esporro. A torcida vaiou quinta-feira, ele correu um pouco mais no domingo.
O segundo e terceiro pontos positivos foram as saídas do Deivid e do Júnior César. Como são horrorosos esses jogadores. Apenas para se ter uma ideia, o Magal foi muito melhor do que o Júnior César, Magal.

flages disse...

André, concordo contigo. O Adriano está sobrando no mercado porquê ele não é um profissional, há pelo menos 2 anos ele não põe a cabeça no lugar, e tem gente que acha que indo para o Flamengo ele vai criar juízo. Que foi ele quem trouxe o título de 2009 - como se alguém ganhasse um título sozinho. Teve um bom 2009 sim, mas no final já começou a aprontar das suas.
Se vier, vai fazer a mesma coisa que fez no Flamengo em 2010, depois na Roma, e no Corinthians - nada que preste. E o nosso Flamengo vai ganhar ainda mais fama de encosto de vagabundo.