Brasileiro 2011 - 28a. rodada - Flamengo 3 x 2 Fluminense

Uma grande vitória do Flamengo - mas que só aconteceu graças a muita sorte.




* * * * * * * * * *

Foi uma vitória em um clássico importante, daquelas de dar moral. A terceira consecutiva. E basta olhar a classificação pra ver que o time está na briga pelo título. Mas não dá pra se deixar enganar pela empolgação: o time não jogou bem, como não tem jogado. Neste Fla-Flu, especialmente, contou com uma enorme dose de sorte pra ganhar.

O primeiro tempo foi bastante chato. O Fluminense teve mais posse de bola, contou com Deco pra ter mais organização na troca de passes, rondou bastante a área do Flamengo. Mas, em termos objetivos, basicamente limitou-se a alguns chutes de fora da área. Nunca soube abrir o jogo e buscar a linha de fundo, insistindo demais em tabelas pelo meio. Enquanto isso, o Flamengo deu um único chute a gol em 45 minutos, numa jogada das mais improváveis: um lançamento perfeito de Renato em profundidade pra Deivid avançar em velocidade desde a intermediária. Quantas vezes isso pode se repetir?

Enfim: o Flamengo tinha defeitos previsíveis, com a já conhecida falta de jogadas articuladas pelas pontas e nenhuma criação no meio-campo, coisas que já costumamos ver mesmo quando Ronaldinho está em campo. Mas some a isso uma quantidade absurda de passes errados, muito maior que a do adversário. Alguns jogadores, como Renato, Júnior César e até Thiago Neves - que erra todos os passes um pouco mais verticais que tenta, não tem como ser armador assim - realmente abusaram.

O Fluminense voltou mais decidido a partir pra vitória e voltou no segundo tempo pressionando com mais força.  E Luxemburgo, como de costume, não mudava o time enquanto tinha o empate - teve que esperar sofrer o primeiro gol para alterar o esquema. Já havia decidido trocar os dois atacantes (outro hábito dele: enquanto não sente necessidade de ir atrás do resultado, limita-se a trocar os homens de frente, sem mexer no desenho do time) e colocou logo em seguida Bottinelli no lugar de Maldonado.

De primeira, não fez efeito. O time sentiu o gol tricolor, não conseguia se organizar, continuava errando passes demais. Mas a sorte sorriu: um cruzamento da intermediária que era pra Jael caiu no pé de Negueba, ele errou o chute e a bola caiu nos pés de Thiago Neves para empatar. O gol inesperado baqueou o Fluminense e, na base da empolgação, o Flamengo conseguiu ir pra cima por alguns minutos.

Não durou muito. Abel fez três substituições, deu gás ao time e voltou a controlar a partida até desempatar, quando o jogo já se encaminhava para final. No geral, o Fluminense foi mesmo melhor e merecia a vitória. Mas...

Aí baixou alguma coisa em Bottinelli. O argentino até que não tinha entrado mal, mas não fazia nada capaz de mudar a partida. Na verdade, até tinha falhado no segundo gol tricolor, demorando a se tocar que era ele quem devia marcar Souza e permitindo seu cruzamento na cabeça de Lanzini. Só que, numa falta de muito longe, ele insistiu com Thiago Neves para cobrar - e fez um golaço, supreendente, inacreditável. Que acabou sendo até o gol de bunda de que Abel falava durante a semana: a bola pegou no travessão e voltou no traseiro do goleiro Diego Cavalieri antes de entrar. Logo em seguida, agora com a bola rolando, outro chute de longe, outro chute incrivelmente perfeito. Bottinelli decidiu o jogo sozinho.

Dois lances isolados, seguidos, depois dos 40 do segundo tempo, vindos de um cara que, embora já tenha mostrado antes alguma qualidade na bola parada, não é dessas coisas. Uma vitória que caiu do céu.


* * * * * * * * * *

Como já falei, o time não jogou bem em quase todo o jogo, tirando poucos minutos na base da empolgação, após o gol de Thiago Neves. Mas reparem: de novo, a vitória só veio depois que Luxemburgo mexeu em seu esquema durante o jogo, quando o time já perdia. Até ali, como sempre, futebol chato e ruim. A estratégia então é manter sempre um padrão de que ninguém gosta por uns 60 minutos em todo jogo, pra só tentar ganhar no terço final?

Deve ser de propósito, já que está fazendo basicamente a mesma coisa desde o início do campeonato.


* * * * * * * * * *

As notícias que vieram do Ninho do Urubu durante a semana diziam que houve muito trabalho de bola parada durante a semana. Mas é preciso trabalhar mais a defesa nos cruzamentos pelo alto, mesmo com bola rolando. Os dois gols do Fluminense saíram assim.

E é bom dar uma atenção especial a Alex Silva. Em todo cruzamento ele marca olhando a bola, sem conseguir acompanhar com atenção o jogador que deveria estar marcando. Já havia acontecido antes - contra o Botafogo, por exemplo -, voltou a acontecer hoje. É um defeito grave.


* * * * * * * * * *

Os tricolores saíram revoltados com o árbitro. Rafael Sóbis chegou a comparar a situação com a que viveu no Inter em 2005, no famoso jogo contra o Corinthians no Pacaembu.

É um tremendo exagero. Não achei mesmo falta em Lanzini no gol de Bottinelli, mas é um engano aceitável - e foi uma falta de muito, muito longe. Não dá pra achar que alguém tentou armar um resultado marcando uma falta naquele lugar do campo.

Há um lance de pênalti de Jael, em um cruzamento na área do Flamengo. No replay, até parece mesmo, embora ele estivesse até meio de costas para o adversário que foi ao chão, num desses lances que costumam acontecer a cada escanteio. Fora isso, pelos replays ruins que vi na TV, não acho que Renato tenha acertado Rafael Moura intencionalmente no fim do primeiro tempo. E o juiz podia até não ter expulso Souza no último lance do jogo, pra evitar mais confusão, mas a falta foi mesmo pra cartão vermelho - e foi até mais impressionante que a expulsão a atitude do árbitro de, em vez de dar cartão também pra Rafael Moura pelas reclamações após o lance, resolver empurrá-lo pra longe.

Enfim: o Fluminense até tem motivos pra reclamar, mas nada que justificasse todo o show no fim do jogo. O certo é Abel levar uma bela suspensão por ter simplesmente se recusado a sair do gramado após ser expulso. Se não acontecer, vai virar zona de vez.



9/10/2011 - 16h - Flamengo 3 x 2 Fluminense
Engenhão - Rio de Janeiro, RJ

Renda e público: R$ 637.720,00 / 21.052 pagantes

Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ)
Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia (RJ) e Lilian Fernandes Bruno (RJ)
Cartões amarelos: Maldonado e Jael (FLA); Diguinho e Leandro Euzébio (Flu)
Cartões vermelhos: Abel Braga 46'/2°T e Souza 48'/2°T (FLU)

Gols: Rafael Sobis 14'/2°T (0-1), Thiago Neves 23'/2°T (1-1), Lanzini 33'/2°T (1-2) e Bottinelli 41'/2°T (2-2) e 44'/2°T (3-2)

Flamengo: Paulo Victor, Léo Moura, Alex Silva, Welinton e Junior Cesar; Maldonado (Bottinelli 17'/2°T), Muralha, Renato e Thiago Neves; Diego Maurício (Negueba 17'/2°T) e Deivid (Jael 17'/2°T) - Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Fluminense: Diego Cavalieri, Mariano, Leandro Euzébio, Márcio Rosário e Carlinhos; Edinho, Diguinho (Souza 30'/2°T), Marquinho e Deco (Lanzini 30'/2°T); Rafael Sobis (Martinuccio 30'/2°T) e Rafael Moura - Técnico: Abel Braga.

6 comentários:

Eduardo H. Costa disse...

Eu estava quase pra desligar a TV com esse jogo CHATO demais. Dureza ver o Flamengo numa inércia ferrenha. Sorte que o tal he-man errou um lance claro de gol.

O Luxemburro insistindo nessa merda de esquema, sobrou até pra boleiro que nem fez nada.

Ganhamos na cagada. (Cagada não, eu gosto de pensar que foi na soberba da torcida do Flor ao manifesto racista do "pó de arroz". )Dois lances isolados de um jogador que resolveu arriscar.

Emfim, tá chato demais. Esquema burro que tem que ser concertado quando tá no preju. Não tá merecendo ser campeão. Mas vamos lá.

Luis disse...

O jogo estava tão chato e o Fla jogando tão mal, que depois do 2 x 1 me irritei de vez, saí para comprar pão e perdi a parte boa. A vitória é sim para empolgar e arrancar, mas o time segue mal.

André disse...

Nos últimos jogos têm acontecido alguns fenômenos sobrenaturais no time do Flamengo.

No jogo contra o SP tivemos grandes atuações de Thiago Neves, Júnior César e do IMPRESSIONANTE Welinton.

Agora contra o Fluminense o Botinelli acertou dois chutes históricos...

São coisas inexplicáveis...quando eu já tinha desistido estes "milagres" acontencem...

Ad@1LtoN disse...

Não vi o jogo, só fiquei acompanhando pelo GE.com e depois vi os gols.
O gol do lanzini, não foi falha do Leo Moura? Eu vi o Alex Silva no meio da area marcando outro cara, e logo que o tricolor acertou a cabeçada, só faltou o Alex Silva fazr um buraco no chão com o soco que ele deu por causa do leo.

André Monnerat disse...

O Léo Moura falhou sim, acho até que nos dois gols. Mas não estou falando apenas destes lances. No primeiro tempo, houve outro em que o Rafael Moura recebeu um cruzamento na área tão livre que pôde errar o chute e ainda se recuperar pra tentar de novo sem que ninguém chegasse - e o Alex Silva tava exatamente nessa, de não ver quem deveria estar marcando.

Outros também falham, já escrevi que este problema nas bolas altas não se resumem só aos zagueiros. Mas ter um zagueiro agindo assim com tanta frequência sempre vai dar problema.

patrick disse...

Um amigo tricolor quis fazer uma aposta de quem seria campeão após o jogo (típica aposta de perdedor). Pensei em aceitar, mas fica difícil com o time sem centro-avante e principalmente, com esquema retranqueiro e que ainda não marca bem.

Me parece que o Luxa está entrando (ou entrou) pra escola do Joel. Retranca e qdo precisa até 4 atacantes. Ou seja, técnico que não consegue dar equilíbrio ao time. E no Flamengo retranca nunca é bem aceita.

Pra completar, achei que o Muralha finalmente fez uma boa partida. Se confirmar pode ser uma alternativa pra nossa saída de bola ano que vem. Pode?