Com Zico, pelo Flamengo

Ontem foi dia do encontro na Gávea entre membros da campanha Com Zico Pelo Flamengo, e outros torcedores, com Zico e Patrícia Amorim. Foi um evento interessante para mostrar a muita gente - dentro e fora do Flamengo - que há muitos na torcida dispostos a se movimentar para defender as ideias que a chegada de Zico representa. Não vai ser tão fácil assim o trabalho de quem quer minar o cara.

Mas o movimento pode ser algo ainda mais interessante se cumprir a promessa de não apenas vir a público com a mensagem "estamos com Zico pro que der vier" - mas também de chegar com bons questionamentos e propostas. A abertura que Zico e Patrícia deram neste primeiro encontro foi boa para que este tipo de postura realmente seja efetiva de alguma forma. Vocês sabem: uma vez a porta aberta, fica difícil fechar - e vai ser mais complicado que a galera não seja ao menos ouvida e ouça respostas a suas ideias.

Melhor ainda se as propostas não forem apenas de campanhas para doar dinheiro ao clube (ideia mais comum nestes movimentos que surgem na Internet), e sim de ideias de como o Flamengo pode se modificar internamente. Zico chegou falando que sua intenção é deixar um legado ao clube e já será bastante se conseguir que o CT realmente saia do papel. Aliás, quanto a isso já dá pra acreditar: licenças para as obras já foram conseguidas, os tais conteineres que ajudarão em uma estrutura provisória já chegaram, enfim, estão se movimentando. Também percebe-se que estão seguindo um pensamento mais responsável financeiramente - os salários estão todos em dia, algo sempre raro na Gávea ao longo dos anos. Sabemos também que Zico está reorganizando as categorias de base, refazendo a equipe, modificando todo o organograma, mudando o tipo de pensamento, falando na montagem de uma rede de olheiros. Tudo isso já é animador, mas o tal legado pode, e deve, ir além disso.

A "profissionalização" do futebol não se concretiza apenas colocando Zico como dirigente remunerado. Zico é um só; no dia que ele for embora, não vai ter outro pra colocar no lugar. É preciso que sobre uma estrutura que se mostre eficiente, racional, que se mostre tão melhor do que o modelo amador anterior que permaneça mesmo depois da saída de Zico. Um dos pontos já foi colocado por Arthur Muhlemberg em um texto bastante feliz: Zico não pode trabalhar sozinho. Pelo que sabemos, quem toca o trabalho de negociação e contratação junto com ele ainda são vice-presidentes amadores, indicados politicamente, voluntários. Não deve ser assim. Nem Zico, nem ninguém que ocupe sua função, pode trabalhar sozinho.

Em outro ponto Zico já tocou em algumas entrevistas: falta autonomia. Não precisamos falar na criação de uma S.A. pro futebol ou algo assim. Mas o departamento precisa ter suas próprias linhas no orçamento do clube, e seus gestores têm que ter autonomia para usar aquele dinheiro sem ter que ficar passando por aprovações externas a cada movimento. Define-se a verba para salários, contratações, viagens, investimentos em estrutura e por aí vai - e os gestores profissionais vão usando o dinheiro de cada linha, dentro de seus propósitos, da maneira que acharem melhor. Se o que quiserem estiver dentro do orçamento planejado, que vão em frente; se não, se precisarem de verba extra, se tiverem algum projeto especial, apenas aí iriam à diretoria pedir. Cabe à diretoria definir as metas que os gestores devem alcançar e avaliar o trabalho de acordo com elas, mas não ficar controlando cada passo, a cada momento, prejudicando o andamento do trabalho.

Sei que gente da organização do movimento está conversando com advogados, economistas. Sei que estão com o estatuto do clube em mãos e olhando pra ele antes de colocar as ideias todas no papel. Se voltar lá pra conversar com boas ideias nesta linha, factíveis, dentro da realidade do que o estatuto do clube permite (e mudanças no estatuto seriam bem vindas, mas dá sim pra avançar bem mesmo com ele do jeito que está), o Com Zico Pelo Flamengo pode realmente ajudar a fazer uma enorme diferença.

* * * * * * * * * * * *

Sobre contratações, que é o que todo mundo está mais ansioso, só vou escrever mesmo quando estiver tudo fechadinho. Beleza?

5 comentários:

Marcos André Lessa disse...

André, estive lá e tanto Zico como Patricia confirmaram que o caminho é a mudança do estatuto. O texto está aqui: http://futebolracional.blogspot.com/2010/08/com-zico-pelo-flamengo-na-gavea-e.html.

Abraço!

Bosco Ferreira disse...

Tudo passa pela mudança do estatuto. Se vencermos essa batalha e guerra estará ganha.

André Monnerat disse...

Marcos e Bosco,

Eu tenho certeza da importância de mudar o estatuto. Mas eu já o li (está disponível aqui no SobreFlamengo, link na coluna da esquerda) e tenho certeza que dá pra avançar bastante mesmo sem mexer uma linha nele.

O que eu acho é que quando você condiciona qualquer coisa a mudar o estatuto, a parada acaba não andando. Porque mudar o estatuto é mesmo difícil e demorado. Requer alguém redigindo as tais mudanças, requer negociação, tem todos os prazos e trâmites pra isso passar... Se for pra esperar tudo isso acontecer para começar a se mexer, estamos perdidos.

É como o CT. O projeto completo, ouvimos falar há décadas, custa 15 milhões, 20 milhões, 30 milhões. Aí, ficou-se estes anos todos tentando encontrar um jeito de conseguir esse dinheiro todo pra só aí andar com o CT. Aconteceu alguma coisa?

Agora estamos dando os passos que podemos dar, com o que temos. A parada começa a andar. E aí, com o negócio andando, pode até acontecer de gente em volta se animar e acabar colocando a grana que precisa pra sair tudo mais rápido.

É o que eu penso quanto a estas mudanças. Tem que trabalhar pra mudar o estatuto? Tem. Mas dá pra andar em muita coisa mesmo antes disso acontecer. E se as coisas estiverem andando, e as pessoas começarem a ver o resultado, vai ficar mais fácil desemperrar o que atrapalha justamente essas mudanças no estatuto.

(Marcos, estou lendo seu texto agora.)

Lívia disse...

André, estive com o pessoal do Com Zico, pelo Flamengo e li tudo que estava escrito naquela pasta que está na mão da Patrícia Amorim.

As ideias são muito boas e não ficam apenas no CT. Englobaram tudo. Deram várias sugestões para o marketing, mudança do estatuto. Acho até que foram um pouco além porque realmente englobaram tudo mesmo.

Imagino que quando você diz que dá pra fazer muitas coisas sem mexer uma linha do estatuto, deve ser por causa das brechas que o estatuto oferece. E realmente esse estatuto te dá algumas brechas mesmo.

O pessoal do Com Zico, pelo Flamengo deu idieas também sobre um plano sócio-torcedor mais eficiente do que o cidadão rubro-negro, enfim, deram ideias bem legais mesmo.

Mas, o Zico falou que o ideal mesmo seria se o projeto fla-futebol fosse aprovado pelo Conselho. A autonomia que ele tanto quer. Seria o ideal para não ter que fazer as coisas através das brechas ou através de plano B.

Raymundo disse...

Estou gostando dessa administração, acho que essa parceria ZICO/PATRÍCIA vai dar certo...
Sou flamenguista de coração e confio nesta situação.