Pode não ser o melhor. Mas o Flamengo de amanhã já está definido

Não há mistério na escalação do Flamengo para o jogo de amanhã. Rogério irá mesmo repetir a escalação que usou contra o Vitória. E estava na cara que faria isso, por mais que muitos torcedores - como eu - acreditassem que não é a melhor opção.


O jogo contra o Vitória era um teste da escalação que o treinador julgava ideal para a partida contra o Universidad. Rogério até tem mudado suas convicções de acordo com os resultados, mas alterações só viriam se as coisas dessem errado em Salvador. Porém, a impressão que ficou é que o time "estava bem" (embora seja, para mim, uma avaliação otimista - foi pouco tempo e as duas chances de gol que apareceram foram graças a falhas feias do time misto do Vitória) até o temporal desabar. E, a partir daí, todas as avaliações ficaram prejudicadas. Ou seja: para o técnico, não haveria motivo para mudanças.

Mas eu sou mais um a acreditar que este era jogo para iniciar com Petkovic. Por mais que o Pet 2010 não seja o Pet dos melhores momentos de 2009, o fato é que o Flamengo ainda não encontrou maneira de atuar bem sem ele. Pet é o único armador de verdade que vem sendo utilizado de alguma forma no elenco, é o cara de quem realmente se pode esperar os passes decisivos, que abrem as defesas adversárias. E descobrir como utilizá-lo da melhor forma possível - incluindo aí na avaliação sua atual fase técnica, sua forma física e até suas variações de humor - é hoje um dos trabalhos mais importantes do técnico do Flamengo.

Parece senso comum que um jogador que não está em sua melhor forma e não parece ter gás para atuar bem por 90 minutos vai se sair melhor se entrar em campo já com os adversários cansados. Porém, acho que vale olhar a questão também por outro ângulo - o das opções que têm sido utilizadas no lugar de Petkovic. Michael e Vinícius Pacheco são jogadores que apostam muito na velocidada e nas jogadas individuais. O estilo de jogo de ambos tem muito mais chances de funcionar contra adversários mais desgastados. Pet pode, desde o início, decidir a partida com um passe ou uma bola parada (que pode ser realmente importante amanhã, especialmente em um campo pequeno - e Pet não fez gols assim contra o São Paulo, quando atuou de início, mas chegou muito perto duas vezes); já a correria de Michael e Pacheco tem bem menos chances de funcionar contra uma defesa que entrará fechada, com seus jogadores descansados.

Mas o que conta é a cabeça de Rogério. O time é este, e é o que vai ter que dar certo.

8 comentários:

Juan disse...

A impressão que eu tenho, André, é que Pet não tem rendido tão bem justamente por ter jogado tão pouco - seria justamente a sequência que daria a ele o tempo de bola para acertar os passes. O que acaba gerando a lógica Tostines... Ele não tem jogado porque não tem sido decisivo (como em alguns jogos de 2009) ou não tem sido decisivo porque não tem jogado?

André Monnerat disse...

Juan, é possível sim que ele já estivesse melhor se tivesse sido mais utilizado desde o início do ano.

O negócio é que o Andrade perdeu tempo demais insistindo com o Pacheco no Estadual. Era fácil saber que o Pacheco não seria o armador que o time precisa, mas o Andrade foi se enganando naqueles jogos contra Tigres, Boavista e outros e perdeu tempo que podia ter sido melhor usado pra colocar o Pet em condições de jogo. Agora já chegamos em fase de definições e fica bem mais complicado ainda estar precisando fazer testes.

Aliás, o Andrade fez a mesma coisa com o Toró enquanto o Maldonado ficava no banco na volta de sua contusão.

lussiannosousa disse...

Nada me tira da cabeça que Pet não joga por questões de relacionamento. Time com Michel e Toró dá muito medo. Acho que "torcer" nunca foi uma palavra tão acertada quanto nesse jogo de quinta. Torcer não só pro time, como pro Rogério, pro Toró, pro Michel ... vai ser bem difícil e não estou nem um pouco otimista.

Bosco Ferreira disse...

Concordo com o André e com o Juan.

Bonifacio disse...

Concordo com o texto, Monnerat!
Pet é o único que sabe cobrar faltas e escanteios em todo o plantel.
Mesmo fora de forma, é imprescindível.
Mas... vamo que vamo!

Folha disse...

Só pode ser brincadeira do treinador dizer que essa escalação foi aprovada no jogo contra o Vitória.

Não teve jogo!!!

É isso ai, é torcer pro time APESAR do seu treinador.

Flávio disse...

Nesse caso específico estou com o Rogério. Até entendo suas ponderações sobre as diferentes formas de Pet e Michael atuarem.
Mas a velocidade do Pet está muito abaixo do mínimo aceitável e o time já tem 2 jogadores que não marcam, que são os atacantes.
O Santos joga com uma formação ofensiva, mas tanto o Robinho, quanto o Neymar e o Ganso marcam a saída de bola.
O problema é que, assim como o Vinícius Pacheco, o Michael não é bom de bola. Não chega a ser um perna de pau, mas é um jogador medíocre.
O jogo do Flamengo é bola alta para o Adriano. Ele ganhou todos os lances no Maracanã e, provavelmente, vai ganhar lá também.
E torcer, torcer, torcer.

=Beto= disse...

Concordo com todos rsrs