O futebol do Flamengo vai funcionar como empresa? É ver pra crer.


"Pode ser ainda que SuperHelinho e o os outros participem da prometida profissionalização, servindo como uma espécie de "conselho de administração" acima dos gestores remunerados."


É um trecho de meu texto Afinal, o que vai acontecer com o futebol do Flamengo?, publicado ontem. Agora, reparem neste trecho da entrevista de Hélio Ferraz de hoje, ao ser oficialmente anunciado como novo Vice-Presidente de Futebol:

"A minha presença na função representa o pensamento de que acreditamos que nosso departamento de futebol é uma empresa, que roda 100 milhões de dólares por ano. Achamos que quem deve tocar essa comunidade de negócios é uma pessoa com conhecimento de uma empresa. Queremos organizar uma estrutura que corresponda a essa idéia. Com uma diretoria e um conselho de administração para discutir as questões estratégicas. Todas as atividades seriam definidas por esta diretoria executiva do futebol. Meu compromisso é fazer esse trabalho deslanchar e iniciar a montagem desta estrutura", revelou."

Repararam na coincidência de termos? Pelo que Hélio Ferraz diz, ele e o tal colegiado serão um conselho de administração dentro da estrutura de empresa que será montada para o futebol do Flamengo. Muitas empresas funcionam assim: há um conselho de administração que representa os sócios acionistas, mas não participa do dia-a-dia da gestão; é um órgão encarregado não apenas de auxiliar à diretoria na elaboração das estratégias, mas também de definir, orientar e supervisionar os executivos quanto aos parâmetros de valores a serem considerados na definição dessas estratégias. Deu pra entender?

Eu dizia que pensar na hipótese de estarem pensando em algo assim era uma maneira de ser otimista. Ao menos no discurso, o caminho que está traçado é nesta direção. É bom.

É claro que é um processo que começa tardiamente e é duro de engolir todo o tempo em que o Departamento de Futebol ficou acéfalo.  É claro que os nomes escolhidos para o tal conselho não animam em nada. É claro que ainda falta efetivamente colocarem profissionais para dirigir o departamento, além de definir e montar toda a nova estrutura de administração. É claro que o trabalho efetivo tem que começar pra ontem, pois o atraso já é grande - todo mundo, por exemplo, sabia da quantidade de atletas com contrato vencendo no meio do ano, da possibilidade de saída de alguns dos mais importantes, e nada de efetivo quanto a isso foi realmente feito até agora. É claro: temos que ver pra crer.

Mas não é nada, não é nada... já é alguma coisa.


* * * * * * * * * *

Hélio prometeu ainda novidades quanto a renovações e contratrações para a semana que vem. Olhando em volta, no twitter, nos fóruns e blogs rubro-negros, a impaciência e até a revolta com Patrícia Amorim é grande. Há todo um discurso de "tranquilidade" que se repete e já está irritando muita gente, mas deve haver alguma pressa para que notícias boas comecem a surgir da Gávea, só pra variar.

Mas, de primeira, parece que não se pode esperar nenhuma novidade quanto ao treinador. O Flamengo deve entrar na pausa para a Copa do Mundo realmente com Rogério como treinador.

Não seria minha escolha. É bom que eles tenham muita certeza do que estão fazendo.


* * * * * * * * * *

Sendo sincero, não acompanhei tão de perto o trabalho do Gease-Fla - Grupo Especial Alegria e Segurança no Estádio. De maneira superficial, me parecia algo bem intencionado, mas que não teve grande efeito prático.

Pode ser que eu esteja enganado, ou pode ser que realmente exista maneira melhor para o clube trabalhar para melhorar as condições de seu torcedor ao comprar ingressos e ir ao estádio. Independente disso, é claro que não é assim que a diretoria deveria lidar com as pessoas que faziam este trabalho. A diretoria precisa vir a público e esclarecer a situação.

3 comentários:

Anônimo disse...

Uma parte da turma está revoltada pq quer ações a la Kleber Leite -- comprar jogadores a esmo. FELIZMENTE isso não está acontecendo.

Por outro lado, é mais que evidente que - como vc já falou - a Patricia não tinha um plano bem definido para o futebol do Flamengo. E aí vem esse remendo de Helio Ferraz, que muito provavelmente vai administrar o Fla como se fosse uma empresa -- estatal.

/Marco

André Monnerat disse...

Isso é verdade.

Foi numa dessas que Kléber Leite contratou de uma tacada só Vandinho, Eltinho, Sambueza, Fierro, Marcelinho Paraíba, Éverton.

De repente, se tivessem feito algo assim a galera estaria menos revoltada.

Tiago Cordeiro disse...

O que eu acho que pode acontecer nesse cenário:

- Helinho vai vender o time inteiro ou boa parte dele. Já disse que quer 10 milhões em vendas antes mesmo de trazer qualquer reforço. Vamos remontar o time no meio do ano. Se ele quer essa grana toda é bem capaz de gente q nem é cogitada pra sair ser vendida como: Willians e Fabrício.

- Vamos voltar a era de trazer jogadores por período curto, emprestados ou vendidos rapidamente se não derem certo. Como rolou com Romário, Zé Roberto, Palhinha...

- Pode ser que nesse esquema as coisas dêem certo, se alinhem e acabamos ganhando títulos relevantes, mas vai ser BEM mais difícil. A pressão vai ser maior do que na era KL porque a torcida acaba de ser campeã, sabe o caminho e não vai se enganar tão facilmente. Essa é a minha maior esperança: que tudo isso pressione a diretoria a buscar soluções efetivas.

- Dando tudo errado nesses três anos como tememos, Patrícia vai sair se gabando de ter saldado a dívida e vai ser uma candidata fortíssima para o pessoal de esportes amadores do clube. Se der tudo errado não se reelege, mas vai virar uma figura politicamente forte na Gávea. Ou seja, seu grupo vai ter que ser ouvido ou, pior, vai ser bem recebido em coligações. Sabe-se lá quem ela vai puxar junto nessa.

E não se esqueçam: ela é vereadora com propostas em esportes olímpicos. Vai puxar muito nisso até as Olimpíadas. Não duvido q vire secretária de esportes em um eventual governo pemedebista ou pesedebista.

- Dando tudo errado não duvido que o Delair se candidate de novo e se eleja na linha do "não errem de novo". Se for isso o retrocesso estará completo. Delair trará o Braz de volta e vamos recomeçar de onde paramos. Ao invés de termos três anos de Delair, melhorarmos e tentarmos um candidato melhor e mais preparado (pq ele pode ser melhor q a Omissa, mas não é grande coisa) vamos recomeçar com ele.

Se o Braz tivesse continuado, as coisas melhorariam, mas cedo ou tarde o jeito tosco dele faria q ele caísse, mas pra vir alguém MELHOR. A saída dele do jeito q foi vai deixar uma impressão de q ele é o melhor, quando ele era o melhor possível. Daí, vamos precisar de uma gestão inteira dele para o clube buscar



Tudo isso é a minha opinião, mas baseado nas informações que ouvi e li. Não publicaria isso fora dos comentários pq é muita especulação, mas é oq acho mais previsível de acontecer e até aqui a Patrícia não me surpreendeu.

Torço para o Helinho me surpreender, contratar um diretor-executivo (pode ser q isso mude tudo) e a gente continue bem. Mas pra mim todo esse descaso da presidente com o futebol tem a ver com as ambições políticas dela. Não acredito que ela esteja realmente preocupada com o clube e com os torcedores.

Finalizando, alguém lembra qual foi a última vez que uma torcida adversária aplaudiu um dirigente nosso?

Olha que com todo o mal que o Eurico fazia ao Vasco, a torcida do Flamengo nunca conseguiu pedir pro cara ficar lá. Era sempre aquela musiquinha clássica que até no Rock in Rio cantaram.