Meu time para o jogo de quarta



Eis a formação que eu imaginaria para o jogo de quarta, contra o Caracas, sem Willians e Adriano.

O esquema é basicamente o do ano passado, que já andou sendo usado este ano quando o time teve desfalques. Vagner Love é o único atacante fixo, mas Pacheco e Fierro funcionam como pontas com obrigação de ajudar na marcação na saída de bola e no meio-campo.

A formação mais interessante é a que tem Pet na armação e Kléberson de segundo volante, na posição em que atuou em seus melhores momentos de 2009 e também na vitória sobre a Universidad Católica. Porém, sendo mais realista, seria difícil que Andrade partisse para algo tão ousado num jogo fora de casa, ainda mais com as eternas dúvidas sobre a forma de Petkovic (que, realmente, ainda não jogou bem este ano). Pet como opção de banco poderia entrar em algum momento no lugar de Kléberson, numa troca simples; de Fernando, recuando Kléberson; ou mesmo de Fierro, com Kléberson passando a jogar aberto.

Vale ainda a observação: no duro, não gosto da dupla de volantes Toró e Fernando. Sem Willians e Maldonado, possivelmente minhas primeiras opções seriam Lenon e Rodrigo Alvim. Mas, sendo novamente realista, quem vem jogando são eles e é claro que isso não mudaria agora.

5 comentários:

Max disse...

O Pet jogou bem no último jogo. Pode-se até questionar a fragilidade do adversário, mas ele se apresentou bem, correu bastante jogou simples e eficiente, culminando inclusive numa assistencia em gol.

André Monnerat disse...

Eu já achei que o único lance realmente dele bom no lance foi justamente esse passe. Fora isso, foi bem mais ou menos.

Arthur G. disse...

Acho essa formação muito ofensiva para um jogo fora de casa na Libertadores. E o Andrade pensou em até escalar 3 zagueiros, então acho bem dificil.
Acho que ele vai continuar com o normal dos ultimos jogos, só substituindo alguns jogadores: Petkovic entra como armador, Vinicius Pacheco vira um atacante mais pelos lados e Love vai ficar mais centralizado.
Não gosto também do Fernando como 1º volante, acho que ele marca mal. Mas já que o Willians tá suspenso né...Só se improvisar o Alvim.

André Monnerat disse...

Olha, vou dizer que a opção com o Kléberson à frente não é um time muito mais ofensivo do que o que treinou hoje não. Tem que ver no campo a armação que ele está imaginando, mas não duvido nada que seja bem bem por aí - com Toró e Fernando de volantes, Pet à frente, Pacheco de atacante pela esquerda e Kléberson aberto pela direita, como jogou a maior parte do tempo este ano.

Bosco Ferreira disse...

bonsaduA Patrícia Amorim se tocou do perigo do Brás ficar criando casos a toda hora com ídolos.

Desautorizou o BRÁS a emitir qualquer opinião sobre o Imperador; motivo:

O Brás, depois de ouvir do Dunga que jogador que tem problema extra campo não vai a copa, veio a público acusá-lo de alcoolismo.

O imperador não vai perdoá-lo e pode ser a primeiragrande crise do ano prejudicando o título da LA e a ida do craque a copa.
O Brás tem complexo de "Emerson Leão", ele não suporta conviver com estrelas.

Sente-se ofuscado e procura sempre criar casos. O seu problema com o Pet vem desdes a contratação do ídolo agravando-se quando o Pet passou a ser venerado com bandeiras, músicas e bandeiras no maracanã.

Por que ele não vai infernizar o Gil ou o D. Marques?
http://blogs.diariodonordeste.com.br/jogada/adriano-se-afasta-da-africa-do-sul/#respond