Com este Fluminense, tudo pode acontecer

No fim de semana, conversando com um amigo meu tricolor, disse o que achava que aconteceria no Maracanã ontem: "vocês vão ganhar de 2 ou 3, a torcida vai aplaudir a raça etc. e tal, e no fim ninguém vai ficar muito chateado". Não deu outra - mas, durante o jogo, até pareceu que podia ser diferente. E na verdade, desde aquele inacreditável jogo com o Cruzeiro no Mineirão, este Fluminense tem mostrado que, com ele, tudo pode acontecer.

As circunstâncias começaram ajudando. Um gol de início, graças a uma bola desviada num chute de longe; uma expulsão de um equatoriano, merecida, mas graças a uma falta besta no meio-campo. No finzinho do primeiro tempo, o segundo gol - em uma jogada em que a movimentação de Fred pelo meio, nas costas da zaga, já havia sido ensaiada antes, num lance em que o bandeira deu impedimento inexistente. E assim o Fluminense, que resolveu ficar em campo no intervalo pra capitalizar o bonito apoio da torcida, já tinha meio caminho andado.

Cuca havia escalado o time com três atacantes, para partir pro abafa - e o fato de ficar com um jogador a mais ianda no início da partida havia ajudado no plano. Mas a atuação do tal terceiro homem de frente, Adeílson, não ajudava; jogava pelo lado mais frágil da LDU, participava bastante, mas errava tudo. O time melhorou quando o treinador inverteu seu lado com Alan - mas, sei lá porque, a modificação não foi mantida pro segundo tempo.

O jogo se resumia a um ataque-contra-defesa, mas que ficava cada vez mais tenso. Conca acertou um belo chute e o goleiro pegou de maneira milagrosa, num lance daqueles de deixar desesperado qualquer um que esteja no estádio - mas, no escanteio, saiu o terceiro gol. E aí a inacreditável virada ficou parecendo que seria apenas questão de tempo. Já imaginava o deja vu dos torcedores do Fluminense com mais uma prorrogação no Maracanã contra a LDU, naquelas condições.

É pena que Fred, talvez inspirado pelo tempo que passou na França, tenha resolvido - guardadas as devidas proporções -  Zidanar. Do nada, num lance bobo na lateral em que nem participava direito, perdeu a cabeça de maneira inacreditável, partiu pra cima do juiz ameaçando até uma cabeçada para reclamar de uma marcação desimportante e forçou sua expulsão. E, nessa, acabou com o jogo. Até a torcida tricolor ficou tão perdida quanto seu time, pedindo a entrada de Kieza - que nem estava no banco. O juiz poderia ter dado mais tempo de acréscimo, mas do jeito que o jogo estava, não tem a menor pinta de que isso pudesse fazer diferença.


* * * * * * * * * * * * * *

O título não veio, mas foi bonito o último encontro deste time do Fluminense com sua torcida no Maracanã. O apoio dos tricolores, a partir daquela inacreditável recepção no aeroporto após a goleada em Quito, continuando com o corredor de recepção do ônibus da delegação do lado de fora do Maracanã e terminando nas arquibancadas do estádio, foi mesmo comovente. Se tudo der certo para o Fluminense no domingo, este jogo de ontem será lembrado pra frente como mais um episódio de uma bonita história de recuperação de um time e sua comunhão com a torcida.

Mas o pior é que não é difícil que, depois de tudo, o final de temporada tricolor seja realmente trágico. Uma derrota para o Coritiba no domingo, no Couto Pereira, não é nada difícil de acontecer - na verdade, acho até que é o resultado mais provável. E também não será nenhuma surpresa se o Botafogo conseguir vencer o Palmeiras no Engenhão. Esta decisão da última e indesejável vaga na série B 2010 acontece em uma condição difícil de se ver, em que três times dependem apenas de si, mas um deles terá necessariamente que se dar mal. Será triste se danar de ser o Fluminense.

8 comentários:

Anônimo disse...

Belo texto. Confesso que, apesar de rubro-negro doente, torci pelo flu ontem. Só acho que o time entrou com 10 e terminou o jogo com 9. Adeilson e Ruy foram duas decepções imensas. Mas, enfim, parabéns à LDU!

Victor disse...

...e no fim ninguém vai ficar muito chateado
Eu devo ser maluco, mas fiquei mais chateado que com a Libertadores (é provável que no médio e longo prazo não fique), apesar de ter aplaudido o time e coisa e tal.
Desportivamente, não há o que se contestar do Fluminense.
****
Zidanar deve ter sido a lição que o jogador de Copa do Mundo aprendeu na mesma.

LOUBACK disse...

Olá André,

Belo texto, acredito que vimos a mesma partida. Acho que o Fred se desesperou, num momento crucial da partida. Claro que não deve ser responsabilizado pela perda do título, mas naquele momento faltou um pouco de calma e experiência.

Sou flamenguista, não torci pelo Fluminense, mas acho que está de bom tamanho pra eles, te confesso que me fez lembrar o Flamengo de 2005, com César Ramirez e Joel Santana, que precisava de oito vitórias em oito jogos e conseguiu se livrar.

Mas continuo com meu foco pra domingo...

Aproveite e quando tiver um tempo livre dê uma passadinha lá no meu blog: http://duplaesportiva.blogspot.com

Abraço,

LUIZ LOUBACK

Bosco Ferreira disse...

DINHEIRO NA MÃO É VENDAVAL...
É assim que time de futebol conquista torcedor, jogando com a camisa. Definitivamente a torcida do FLÔR B não merece cair. Gostaria de ver o campeonato carioca 2010 assim: Maracanã lotado mesmo que seja jogo de uma só torcida. isso só acontecerá se os grandes entrarem em campo massacrando os pequenos. Mostrando que serão rolos compressores em cima dos pequenos. Mas tudo isso só poderá acontecer com salários em dia. Tanto o FLÔR como o HEXAFLA só conseguiram se firmar esse ano depois que esse problema foi reslvido.

Mário81 disse...

Descordo...
Minha torcida é pelo rebaixamento do Flu!
E não se trata de rivalidade ou coisa que o valha, mas simplesmente preferência.
O Flu tem uma torcida apaixonada e bonita, mas o clube é um poço de arrogância e prepotência, reinvidicam a si uma superioridade que jamais existiu.
Sem falar na vergonha da virada de mesa da série C... acho que esta na hora de pagar esta dívida.
A torcida do Flu, deu demonstrações de carinho ao time, as quais, eu como rubro-negro, estou devidamente acostumado... mas a minha torcida é pelo Flu na série B 2010.
Faria uma menção honrosa ao Dário Conca, na pior fase do campeonato, esse menino jogava sozinho ao lado de múmias como Diguinho e Fabinho... o empenho desse rapaz foi comovente.

Mário81 disse...

Errata:
Discordo***

Folha disse...

Uma substituição simples acabou com as chances do Fluminense: alguém pode explicar a entrada do Ruy?!

Foi justamente afastando jogadores como ele que o Fluminense se recuperou.

É realmente necessário copiar o Dunga agora?!?!

Minha torcida é que eu ganhe uma caixa de cerveja ao invés de pagar 3...

André Monnerat disse...

Foi uma substituição esquisita, mas não foi o que acabou com as chances do Fluminense não. O Adeílson, que saiu, tava tão mal, tão mal, que o time não piorou ali não. Embora o Ruy e o Mariano não tenham conseguido se entender hora nenhuma.

Mas olha que o Ruy quase que fez um gol de cabeção logo no primeiro lance dele em campo...