Meu personagem da semana: Adriano*

* Texto para a coluna semanal no FlamengoRJ


Domingo foi dia do Imperador chamar a responsabilidade e resolver a parada pro Flamengo. Uma coisa é simplesmente fazer os gols, o que ele conseguiu quase sempre ao longo do campeonato - como outros tantos por aí fazem, neste e em outros anos; outra é realmente jogar um nível acima, como Adriano fez contra o Náutico. Fora ter deixado lá seu golzinho, simplesmente por estar bem colocado, ele participou decisivamente do primeiro com uma matada linda e um passe de quem já sabe o que fazer antes dos outros e fez um punhado de outras belas jogadas. Correu, apareceu pro jogo, matou as bolas mais difíceis, deu bons passes, enfim - jogou o que se espera de um cara com o nome que ele tem.

E, sendo sincero, ele não vinha fazendo isso nos últimos jogos. Faz seus gols, claro; é decisivo, óbvio; o melhor atacante do campeonato, é indiscutível. Mas não vinha jogando como o Imperador, como o fora de série que pode ser. E a impressão que dava, principalmente pra quem vê o jogo no estádio, é que ele estava simplesmente abaixo fisicamente do que já esteve neste campeonato, cansando cedo demais. Ficou claro pra quem estava no Maracanã contra o Santos e, pelo que me contou gente que esteve no Mineirão, aconteceu por lá também.

Não sei se vocês lembram, mas houve uma época do campeonato, quando o Flamengo não era este time embalado e rumo ao hexa de hoje, em que os atrasos e faltas de Adriano eram até notícia. Criavam estresse, faziam os dirigentes aparecerem com desculpas desencontradas, enfim, um constrangimento. Hoje, toda semana Adriano volta separado dos companheiros quando o time viaja e deixa de aparecer em pelo menos um treino por semana - e ninguém nem se dá mais ao trabalho de inventar uma historinha qualquer pra justificar isso. Parece claro pra todo mundo: faz parte do pacote, foi combinado antes, no início só estavam tentando salvar as aparências. Agora que o time está ganhando, estão todos simplesmente deixando pra lá.

E tá certo. Foi combinado, ele só está no Brasil e não na Itália exatamente por este tipo de coisa e, mesmo neste esquema, ele está sendo decisivo.

Porém - e sei que vou ser repetitivo agora, porque já andei falando disso antes -, quero lembrar a todos que faltam apenas TRÊS jogos, e o Flamengo está na beira de ser campeão brasileiro pela primeira vez desde 1992. Estou convencido de que, com três vitórias, o Flamengo chegará lá. Pode até ser que não chegue, que o São Paulo ganhe todas, paciência - mas se o título escapar por conta de um tropeço qualquer, vai ficar um gosto amargo na boca de todo mundo. Por isso, é hora de todos se conscientizarem do tamanho do momento. Ser campeão pelo Flamengo agora será algo que marcará a carreira e a história de todos - inclusive do Adriano.

Vale ou não vale um esforço extra? Por mim, com o time campeão, quem quiser ganhar folga no início do Estadual do ano que vem, tá liberado. E achei bem interessante ler na primeira página do Globo que a diretoria já planeja tirar o time do Rio de Janeiro antes da partida contra o Corinthians.

O Imperador é bem grandinho, sabe o que está fazendo - tomara que esteja percebendo qual é a situação. E faça o possível pra repetir, nos últimos três jogos, o que fez domingo passado. De qualquer forma, de novo: o cara não só arrebentou contra o Náutico como é o artilheiro e grande atacante do Brasileiro. E, por isso, é meu personagem da semana.

2 comentários:

Max disse...

Pois é, concordo 100%. Daí do mineirão um tanto quanto decepcionado com o Adriano que simplesmente não dava opções nos contra-ataques, apesar de ter espaço para isso. Não se mexia mesmo. Fiquei puto.

E com 5 minutos de jogo contra o Nautico já deu pra ver que ele estava com uma postura diferente. Acho que o Andrade deve ter dado um esporro nele.

Com isso veio uma das melhoes partidas dele nesse campeonato.

Max Junqueira

Rodrigo Machado disse...

André, seria muito bom se alguém 'lá de dentro' lesse esse post.
Você tá antevendo algo que, se acontecer, nos deixará com um gosto muito ruim na boca.
No podcast do Arthur ele disse algo como: 'se perdermos o campeonato jogando bem e sem vacilarmos, paciência, acontece'. Concordo tanto com você como com ele. Não podemos vacilar e se o Adriano não estiver 100% do que pode, então já estará vacilando. É claro que se ganhar ninguém perceberá, mas se perdermos, todos nós cairemos em cima.
Portanto, palhaçadinha zero, força e raça total. Vai pra cima deles, Mengo!
SRN