Brasileiro 2009 - 34a. rodada - Atlético-MG 1 x 3 Flamengo

Cabeça no lugar, concentração, inteligência e equilíbrio. Foram estes os ingredientes que levaram o Flamengo a uma vitória de empolgar - que o coloca de vez na briga pelo título. Faltando quatro rodadas e a apenas dois pontos do líder, tudo pode acontecer. E o Atlético, na hora H, não mostrou cacife para ir atrás do título - mas vai ter outras chances de tentar provar que pode chegar lá, contra Inter e Palmeiras. Se não der, ao menos podem ajudar o Flamengo no processo.

Mas o Atlético tentou colocar moral de candidato à taça e, desde o início, tentou pressionar o Flamengo. Contra um time fechado em sua defesa, procurou seu caminho fazendo sempre tabelas pelas duas laterais, para abrir a zaga rubro-negra. Para neutralizar essas jogadas, Willians e Maldonado abriram, um de cada lado, e funcionaram como assistentes dos laterais na marcação, com Aírton centralizado perseguindo Ricardinho. O resultado é que a marcação anulou quase todos os lances do adversário, mas foi feita muito atrás e permitiu que o Atlético controlasse a posse de bola desde o início.

Não dá pra dizer que o Flamengo não tenha corrido riscos; afinal, quem permite que o adversário tenha tanto a bola e a mantenha tão próxima à sua área arrisca sempre levar gol numa bola parada, num chute desviado, numa falha qualquer da defesa. Mas a verdade é que o Atlético teve poucas chances de gol - apesar de chegar a 70% da posse de bola no momento em que sofreu o 1x0, só teve três oportunidades em todo o primeiro tempo, apenas uma delas em jogada trabalhada durante a pressão (as outras duas saíram de um raro contra-ataque e uma bola boba perdida por Angelim). O Flamengo, além de ter feito dois gols, poderia ter marcado ainda em uma cabeçada de Adriano e em um contra-ataque com Zé Roberto; quem assistir só aos melhores momentos da partida não vai perceber domínio do Atlético e, no duro, depois do gol de Maldonado, o time até começou a conseguir tocar mais a bola.

O segundo tempo, com uma substituição de Roth que deixou seu time mais ofensivo e um gol do Atlético logo no início, perigou ser mais complicado. Mas novamente o Atlético não criou muitas chances claras e se arriscou a levar outros gols em contra-ataques - Zé Roberto e Adriano tiveram chances claríssimas de ampliar o placar. Com o tempo, parece que o Atlético não teve pernas pra manter o mesmo ritmo na pressão. E, com a entrada de Fierro no lugar de Petkovic, o Flamengo começou a criar jogadas seguidas de perigo pela direita - maneira como matou o jogo, após bom cruzamento do chileno para Adriano.

* * * * * * * * *

Num jogo em que o Flamengo contou muito com a marcação para suportar um time que buscou o ataque o tempo todo, há que se destacar a atuação de alguns jogadores na defesa. É o caso de Álvaro, perfeito, e Aírton, enquanto esteve em campo. Angelim até pode entrar na lista também, se descontarmos o lance em que quase pôs tudo a perder no primeiro tempo.

Petkovic está obviamente fora das suas melhores condições. Mas, como contra o Palmeiras, mudou o jogo em um lance individual - no caso, a cobrança de um escanteio. E, enquanto teve pernas, iniciou os melhores contra-ataques do Flamengo com seus passes. Zé Roberto foi quem mais deu trabalho à defesa do Atlético com suas arrancadas, criou o lance do segundo gol e quase fez o seu em linda jogada individual.

E teve ainda Fierro, com uma influência inesperada no andamento do jogo. Pra quem nunca entendeu bem o que eu sempre digo, sobre a maneira como sua movimentação consegue fazer o time funcionar melhor na frente, o jogo de hoje e o entendimento que o chileno mostrou com Léo Moura foram exemplares - mas claro que ajudou o fato de que ele, quando recebeu as bolas para as quais sempre se apresenta bem, foi bem melhor tecnicamente do que de costume.

8/11/2009 - 16h - Atlético-MG 1 x 3 Flamengo
Mineirão - Belo Horizonte, MG
Renda/Público: R$ 984.112,00 / 63.285 pagantes





Árbitro: Leonardo Gaciba (Fifa/RS)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa/PR) e Altemir Hausmann (Fifa/RS)
Cartões amarelos: Evandro (ATL); Juan, Bruno e Willians (FLA);

Gols: Petkovic, 10'/1ºT (0-1); Maldonado, 40'/1ºT (0-2); Ricardinho, 5'/2ºT (1-2); Adriano, 36'/2ºT (1-3)

Atlético-MG : Carini, Carlos Alberto, Benitez, Werley e Thiago Feltri; Jonilson, Renan (Evandro, intervalo), Correa (Serginho, 26'/2ºT) e Ricardinho; Eder Luis (Rentería, 20'/2ºT) e Diego Tardelli. Técnico: Celso Roth

Flamengo : Bruno, Léo Moura, Álvaro, Ronaldo Angelim e Juan; Aírton (Toró, 22'/2ºT), Maldonado, Willians e Petkovic (Fierro, 24'/2ºT); Zé Roberto (Wellington, 45'/2ºT) e Adriano. Técnico: Andrade.

5 comentários:

Renato Freire disse...

O Flamengo deste Brasileirão tem mostrado uma força que não vi na reação de 2007, pois praticamente só ganhava no Maracanã, nem nos bons momentos de 2008, ano em que o time foi bem mesmo no início do campeonato, quando a carga emocional dos jogos é menor. Mas acho difícil brigar pelo título, especialmente por conta da tabela fácil do São Paulo, que não costuma pipocar na hora H. No entanto, estou na torcida. Mengão hexa seria belo. E Álvaro e Aírton jogaram demais.

Tiago Cordeiro disse...

Algo importante de se frisar: o time superou a ausência do Pet, oq não havia ocorrido nos últimos dois jogos.

E o Adriano mais uma vez muito aquém doq poderia...

AF STURT disse...

O Fla não foi bem hoje ,me deu susto e apovaramento ,porém saiu com vitória ,pois é o que importa ,mais foi só uma batalha vencida e não a guerra.
SRN!

Flávio disse...

Vi o vídeo novamente e observei que nenhum (nada, zero) jogador do Atlético vai comemorar com o Ricardinho. Mesmo depois que a imagem dele some do vídeo, é possível acompanhá-lo no telão do Mineirão.
Ele até procura alguém atrás e não vê. Tem algo de podre no Reino das Galinhas.

Marcos André Lessa disse...

André, achei que vc fosse comentar: o Álvaro jogou bem, mas foi campeão de bolas rifadas da zaga, dando nos pés dos adversários. Vez por outra o Fla continua com dificuldades pra sanar esse erro.