Brasileiro 2009 - 32a.rodada - Barueri 2 x 0 Flamengo

Pois é: Pet fez muita falta. Sem seu grande armador, aquele que consegue fazer o meio-campo do time funcionar, o Flamengo não soube encontrar outras soluções e tornou o efeito de sua ausência maior do que teria que ser. Foi uma derrota dolorida, inoportuna - e indiscutível.

Logo nos primeiros minutos, o Barueri mostrou qual seria sua estratégia para conter o Flamengo: marcar em seu campo de ataque e atrapalhar a saída de bola rubro-negra. E deu certo. Willians não é jogador de tocar a bola, Fierro continua jogando sempre com medo de errar e Zé Roberto não soube se apresentar para a organização do jogo - ele vem mesmo se destacando mais avançando da ponta pro meio, em velocidade. Adriano era o único atacante na frente para dar opção de passe, muito pouco; Léo Moura e Juan também não conseguiam suprir a deficiência na saída de bola.

E assim o Flamengo foi um time sem ninguém que conseguisse dar um passe minimamente vertical, em qualquer região do campo. Era um tal de toques pro lado e pra trás em sequência, até o momento em que alguém mais pressionado desse o inevitável chutão pra frente e devolvesse a bola para o adversário. O jogo até teve grandes momentos de equilíbrio no primeiro tempo, mas se um time conseguiu maior domínio, foi mesmo o Barueri - que não criou lá muitas chances de gol nesta etapa, mas acabou saindo em vantagem graças a um gol em impedimento no último lance antes do intervalo.

E, atrás no placar, Andrade caiu na tentação de fazer o que 90% dos técnicos fazem nesta situação: colocar mais um atacante em campo. O problema do time obviamente era fazer a bola chegar na frente, e a troca de Fierro por Dênis Marques não ajudou em nada - se fosse para colocar outro atacante, que fosse alguém de movimentação, que desse mais opção de passe a quem estava atrás. Infelizmente, o banco foi mal escalado, com dois centro-avantes, nenhum segundo atacante, nenhum bom passador - a opção mais próxima do que o time precisava era Erick Flores, que até poderia ter entrado no lugar de Fierro ou Willians, para jogar aberto como eles jogavam, em vez do nosso bravo Dênis.

Mas o garoto acabou só entrando num momento em que ficava claro que o time não ia conseguir furar o bloqueio do Barueri, no lugar de Maldonado. Foi tiro e queda: abriu-se um buraco na frente da zaga, imediatamente saiu o segundo gol e o jogo acabou. Daí pro fim, o Barueri foi quem esteve sempre mais perto de fazer mais um. A verdade é que o Flamengo escapou de uma derrota mais feia ainda.

* * * * * * * * * * * *

Há que se dizer o seguinte: Éverton está fazendo falta. Lembro de poucas conclusões perigosas e pouquíssimos gols que tenham saído de jogadas do garoto, mas o fato é que sua troca por Juan prejudicou bastante a dinâmica do time. Ele era um cara que se apresentava sempre, corria, ultrapassava a linha da bola, ia pra cima, se projetava no espaço vazio - tudo o que Juan não está fazendo. Na reta final do campeonato, seria bom que Juan se preocupasse mais com os efeitos de seu futebol atual do que nos das substituições de Andrade em sua imagem junto à torcida.

28/10/2009 - 21h50 - Barueri 2 x 0 Flamengo
Arena Barueri - Barueri, SP
Renda / público: R$ 218.720,00 / 10.354 pagantes


Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e Ivan Carlos Bohn (PR)
Cartões amarelos: Daniel Marques, João Vitor, Márcio Careca e Flavinho (BAR)

Gols: Val Baiano, 48'/1°T (1-0); Éwerton, 25'/2°T (2-0)

Barueri: Renê, Bruno Ribeiro, Daniel Marques e Leandro Castan; Marcio Careca, Ralf, João Vitor, Éwerton (Márcio Hahn, 34'/2ºT) e Thiago Humberto; Flavinho (Otacílio Neto, 27'/2ºT) e Val Baiano (William, 45'/2ºT). Técnico: Luiz Carlos Goianio.

Flamengo: Bruno, Léo Moura, Álvaro, Ronaldo Angelim e Juan (Toró, 35'/2ºT); Aírton, Maldonado (Erick Flores, 22'/2ºT), Willians e Fierro (Denis Marques, intervalo); Zé Roberto e Adriano. Técnico: Andrade.

12 comentários:

Henrin Bueno disse...

Perfeita a análise!

AF STURT disse...

TAMBÉM CONCORDO ...

Marcos Monnerat disse...

É complicado reclamar de qualquer coisa num jogo em que o Flamengo foi completamente dominado e poderia ter sofrido uma goleada daquelas bem vergonhosas. Mas de fato tomamos um gol irregular no primeiro tempo e sofremos com uma sequência de faltas interminável sem que os jogadores do Barueri fossem punidos por isso. E que entrada foi aquela que o Adriano sofreu?! Se aquilo não é pra expulsão, nada é.

Bosco Ferreira disse...

Temí pela arbitragem pois o FLA era um concorrente do SP. Aquele gol em impidimento e a não espulsão do zagueiro do Baruerí foi vital.
Agora pelo amor de DEUS! quantos escanteios o FLA errou? Todos. O Angelim errou um e o LM não acertou nenhum.
Sem o PET, nem mesmo o Andrade poderia fazer nada.
Ainda estamos no páreo.

Marcelo Constantino disse...

Acho que não seria diferente com o Pet no time. Ele, sozinho, acertaria a saída de bola? Faria com que os outros acertessem passes? Difícil. Ontem o Flamengo voltou a ser aquele Flamengo de antes, dos chutões e do jogo irritantemente ruim.

A rigor, esse time foi dominado nos últimos 3 jogos -- inclusive contra o Palmeiras. E isso depois da melhor atuação que vi este ano (talvez a melhor em muito tempo), que foi contra o SP - qdo pressionamos e criamos o tempo quase inteiro.

Lamento que o Fierro não tenha aproveitado (mais uma vez) as chances que teve. De fato, ele parece mais preocupado em não errar, em se livrar da bola. Recebe na lateral, de lado, e busca passar logo a bola, em vez de partir pra frente.

Acho que ontem foi a pior partida do Maldonado pelo Fla. Errou passes, rifou bolas, tudo de um jeito diferente do que víamos. Talvez seja o retrato do time ontem.

De ontem eu salvaria somente o Bruno e o Zé Roberto. E talvez o Álvaro. O resto foi mal.

Será que acabou o encanto?

vôo do urubu disse...

Dolorida, inoportuna, indiscutivel e feia, muito feia.

Ainda assim, saudaçoes rubronegras!

Rodrigo Machado disse...

Muito boa análise, só poderia descascado mais o leo moura. Jogamos mal e ponto.
O título ficou um pouco mais distante, mas o G4 é muito possível.
Nestas duas últimas rodadas conseguimos 1 ponto a mais do que eu havia previsto e com este ponto a mais entraríamos no G4, na minha simulação aprovada pelos técnicos veterinários da Unisuam. Para sábado previ a vitória Sábado estarei lá para ajudar a empurrar o fla para os 3 pontos...
Abraços e SRN!

André Monnerat disse...

Marcelo, eu já achei o Angelim melhor que o Álvaro, especialmente no primeiro tempo.

E acho que o Pet faria diferença sim. Poderia perder? Poderia.

Mas ele dá uma diferença não só de jogo - porque ele aparece pra receber a bola dos volantes e, ao receber, sabe o que fazer pra entregá-la mais à frente; ontem, os volantes pegavam, não tinha ninguém à frente se apresentando, aí voltavam pro zagueiro, que passava pro outro, que voltava no anterior, que dava um chutão pra frente -, mas também de personalidade pro time.

Henrin Bueno disse...

O Flamengo foi operado pela arbitragem.Ponto. Como é costume com este ser ordinário quando apita jogos que vão de contra a interesses paulistas. Adriano e Williams foram caçados sem que o cara tomasse qq providência. O bandeirinha fingiu que não viu um impedimento óbvio que matou o jogo no primeiro tempo.

O Cruzeiro ainda pagou ao barueri ganhar. Mais uma pilantragem daquele canalha do Cruzeiro. Infelizmente o Flamengo é "diplomata" demais nestes casos e não fala nada. Gostaria de uma Direção que fosse as vias de fato, não só em relação a mala de dinheiro como a arbitragem que sintomaticamente prejudica o Flamengo. Por mim declaria publicamente que pagaria 200 mil para cada time que ganhasse o Cruzeiro daqui para frente.

Flamengo jogou mal. Fato. Mas como jogar bem apanhando o jogo inteiro? Como jogar bem se o juiz inverte faltas, não pune faltas sucessivas, arruma penaltis inacreditáveis e autoriza gols de impedimento incríveis?

Fora que os laterais do Flamengo andam fora da sintonia. Eles não servem mais ao Flamengo. Prefiro um cara pior tecnicamente do que qq um dos dois que jogam com enfado.

Raphael Perret disse...

Boa análise, como sempre.

Sobre o gol em impedimento, sinceramente, não vou culpar o juiz ou o bandeirinha. Pra mim, o Heber foi muito complacente com a violência do time do Barueri, deixando de dar amarelo em lances duros e de expulsar jogadores, como no lance em cima do Adriano, ainda no primeiro tempo.

Mas acho também que não é o fim do mundo. Uma hora a derrota viria, e tem que ter time pra ficar dez jogos invicto. O título era e continua sendo muito difícil, mas seguimos a um ponto do G4. A única diferença é que agora temos dois adversários pra ultrapassar. Mas em seis rodadas, não é difícil que aconteça uma perda de pontos dos nossos concorrentes.

Além disso, dos seis primeiros, o Flamengo não é dos mais irregulares. Foram onze jogos, com sete vitórias, três empates e uma derrota. Basta seguirmos na mesma toada (e que o Petkovic volte logo, hehehe). Além do mais, nos seis jogos que restam, três serão no Maracanã. Conseguimos seis pontos em nove fora de casa, aproveitamento razoável. Vamos em frente!

Bosco Ferreira disse...

MARCELO acho que o PET fazia a diferença como tem feito. RAPHAEL fazem cinco anos que a arbitragem faz a diferença para os paulistas sem contudo se ouvir um pio dos dirigentes do clube dos treze.
Dois penaltis inexistentes contra o FLA (ajudaria o são paulo) e contra o Nautico com a não expulsão do Jeferson, ajudaria o Santo André. Agora todo time que vem bem nas duas série sempre tem quem desequilibre no meio campo. O nosso estava fora.

Renato Freire disse...

Concordo com o Raphael Perret. O impedimento não era tão fácil de marcar. E o Heber foi complacente com a violência do Barueri, mas isso acontece em vários jogos e a favor ou contra qualquer time. Paciência.

O segredo é não transformar a derrota de ontem numa catástrofe - alguns adeptos de teses pré-fabricadas já falam em vexame, quando nem sequer devem ter visto o jogo e provavelmente desconhecem o retrospecto do Barueri: os caras marcaram 52 gols no campeonato e só perderam em casa para São Paulo e Cruzeiro, acho eu.

O jeito é adotar o lema dos boleiros nas entrevistas: "É, vamos levantar a cabeça e trabalhar para, no próximo jogo, conquistar os três pontos. Claro que sempre respeitando o Santos, que tem uma grande equipe".