Sem estádio próprio, Corinthians tem 35 mil sócios-torcedores

Enquanto o Flamengo continua relutando em lançar seu programa de sócio-torcedor com benefícios na aquisição de ingressos, usando como grande justificativa o fato de não ter seu próprio estádio, surge um exemplo de clube na mesma situação que consegue ser bem sucedido com sua iniciativa: o Corinthians anuncia que já chegou à marca de 35 mil inscritos em seu programa Fiel Torcedor. É bom dizer: já é um pouco mais do que a capacidade atual do Pacaembu.

No programa corintiano, o grande benefício é mesmo a prioridade e facilidade para comprar ingressos (o que pode ser feito pela internet), além de descontos que chegam até 40%. A entrada no estádio é feita com o próprio cartão de sócio, que é "carregado" no ato da compra de seu ingresso. O valor das mensalidades varia de acordo com os planos, que dão acesso a diferentes áreas do Pacaembu (público, como o Maracanã...). Como o plano mais barato sai por 15 reais por mês, a receita do Corinthians com as mensalidades do Fiel Torcedor já é, hoje, de no mínimo R$525.000 por mês, ou R$6.300.000 por ano - e isso se considerarmos o valor mais baixo para todos os sócios, o que não é o caso.

Para a final da Copa do Brasil, contra o Inter, foram vendidos 22 mil ingressos para Fiéis Torcedores, de maneira antecipada, pela Internet - com um valor que caía de R$30,00 para R$18,00, na arquibancada. A carga que acabou destinada às bilheterias comuns foi de apenas 5 mil ingressos, e esgotou-se em quatro horas. A alternativa para quem não conseguiu seu lugar será ver pela TV - ou por um telão que será instalado no Parque São Jorge, com ingresso a 10 reais.


* * * * * * * * * * * * * * * * *

Ah sim: ao contrário do que acontece com o Inter, o sócio-torcedor do Corinthians não tem direito a voto no clube.

9 comentários:

Juan disse...

A diferença é que o Corinthians sabe que pode contar com o Pacaembu, do qual é o único usuário na cidade de São Paulo. O Flamengo, assim como o Fluminense, fica sem Maracanã a partir de final de dezembro. E por um período de dois anos. Quem vai aderir a um programa de ingressos sem ao menos saber onde o clube joga?

lucasgf disse...

O cruzeiro tinha um sistema parecido com esse, chamado cartão 5 estrelas, que está migrando para o sistema de sócio torcedor em que a mensalidade já garante o próprio ingresso. Isso para o Mineirão que também é público e vai ficar fechado a partir do ano que vem...
SRN de BH,
lucasgf

André Monnerat disse...

Juan, o Flamengo soube que podia contar com o Maracanã por muitos anos e, mesmo assim, sempre usou como justificativa para não lançar o programa o fato de não ter estádio.

Eu até entendo que o momento agora é mais complicado pra lançar um sócio-torcedor, por esta incerteza no Maracanã (e eu realmente imagino que o clube já esteja pensando, neste momento, em que solução usará para os próximos anos).

De qualquer forma, o benefício ainda poderá ser dado, de qualquer forma - desconto e preferência na compra de ingressos para os jogos em que o clube tiver mando de campo, onde quer que ele seja.

O Vasco, por exemplo, faz o sócio-torcedor dele prevendo a maioria dos jogos em São Januário - mas eles já avisaram que pretendem jogar partidas maiores no Maracanã, e o benefício vai valer pra lá. O Cruzeiro relançou o programa dele este ano para o Mineirão, já sabendo que ano que vem não terá o estádio e irá jogar no Independência. E o próprio Corinthians resolveu não mais jogar no Morumbi apenas este ano, com o campeonato paulista em andamento - e o Fiel Torcedor já tinha sido lançado antes disso, com a possibilidade do time jogar em estádios diferentes.

Onde quer que o Flamengo resolva mandar seus jogos daqui pra frente, ele já sabe que a venda de ingressos é por sua conta. Sempre vai poder abrir dias antes pros seus sócios, separar bilheterias só pra eles, dar a eles o desconto que quiser.

A questão é: o clube tem interesse em lançar algo assim? Até hoje, sempre disse que não.

André Monnerat disse...

O Fluminense, aliás, tem o sócio-torcedor dele funcionando...

Juan disse...

Monnerat, em 2003, no Fla-Futebol, foi implantado um pacote de ingressos para o campeonato brasileiro. Sem grandes resultados. Eu vejo esses programas como uma evolução do pacote, com a diferença de existir mensalidade. Não vejo nele nenhum caráter "associativo". Lembrando que de lá (2003) para cá o Maracanã teve outros períodos de obras, visando o Rio 2007, o que motivou o Flamengo a atuar numa improvisada Arena Petrobras.

André Monnerat disse...

Juan, eu me lembro bem daquele pacote, montado pelo Areias. E me lembro de trocar e-mails discutindo com alguém do marketing do clube, depois de pedir informações sobre o programa, dizendo que aquilo não tinha como dar certo. O modelo, os preços... Era um negócio que simplesmente não valia a pena, era impossível emplacar, e ainda era mal vendido.

Nem toquei em um possível caráter "associativo" da coisa (como falei no texto, o Corinthians não dá direito a voto - o Inter é mesmo uma exceção, um modelo bem sucedido que todos os outros têm medo de seguir). Apenas insisti em dizer que há um caminho aí que muita gente está seguindo e ganhando dinheiro, e o Flamengo até hoje simplesmente abriu mão disso. É um caminho pra melhorar e estreitar o relacionamento com seus clientes, pra fidelizar, pra facilitar a vida dos mais fiéis, enfim. Sei que tem o tal Cidadão Rubro-Negro em gestação (não sei como anda isso internamente...), mas tenho a impressão firme de que o caminho escolhido, pelo que ouvi do projeto, é algo como o Globo vender só o Clube do Assinante, sem a assinatura do jornal.

Mas eu adoraria que o Flamengo lançasse sim algo com um caráter associativo mesmo. Seria algo, pra mim, importantíssimo pra instituição Flamengo. Mas nosso atual presidente já declarou com todas as letras que isso pra ele não é prioridade, não é algo em que ele acredite.

André Monnerat disse...

E veja só: o campeonato brasileiro já é de pontos corridos, com jogos o ano inteiro, tabela conhecida com enorme antecedência, desde 2003.

Na boa, acho que já deu tempo do Flamengo começar a usar os benefícios que esse modelo dá nas possibilidades de vender ingressos com grande antecedência, montar pacotes, programas de descontos progressivos, enfim. O Flamengo simplesmente não tocou nisso até hoje!

Todos os outros até estão também apenas engatinhando - mas estão ao menos engatinhando. O Flamengo, até hoje, não se mexeu.

Leonardo Mercio disse...

Andre,
Como voce disse, o Flamengo nunca fez nada desse tipo porque nao quis e ponto. Nao tem desculpa.
Ta, ano que vem o Maracana vai entrar em obras, mas esse ano, por exemplo, nao esta.

So um desabafo: Nao adianta a gente querer mudar o Flamengo se nos nao estivermos la dentro. Eh IMPOSSIVEL!!
Ta todo mundo puto, ninguem aguenta mais o KL, Marcio Braga, nem nenhum outro desses caras que vivem do Flamengo ha decadas!!

Andre, eu li algumas vezes que existe um grupo de Rubro-Negros que pretende montar uma chapa pra disputar as eleicoes de 2012 do Flamengo.
Existe um site ou blog onde eu possa entrar em contato com essas pessoas?

Leonardo Mercio

André Monnerat disse...

Leonardo, o movimento que eu conheço mais ou menos semelhante a isso aí se chama NaAção. Entra no Orkut e procurar por "NaAção" - você vai achar a comunidade deles, e lá poderá se informar melhor.