Inteligência é isso aí

30 zés manés - ou seja, "a torcida do Flamengo" - invadiram hoje o treino, na Gávea, "exigindo" uma conversa com os jogadores. Em seguida, soltaram um rojão no campo que, segundo o relato do Globoesporte.com, quase atingiu Léo Moura.

Imagino que estes 30, tão rubro-negros que são, tão em função do Flamengo que vivem, devam ter ido ao Maracanã domingo. E que, como boa parte da torcida que lá estava, tenha gritado aquele "ôôô, queremos jogador".

A pergunta que eu faria a estas pessoas: vocês gostariam de ser empregados em um lugar em que, durante seu trabalho, surge uma pessoa estranha e lança um rojão em cima de você?

Prosseguindo: vocês acham que algum profissional de nível, ao saber de algo assim, iria fechar contrato pra trabalhar em uma empresa onde este tipo de coisa acontece?

É claro que não adianta fazer esse tipo de pergunta. Quem vai à Gávea em horário comercial, em meio de semana, pra invadir campo de futebol obviamente não entende muito como é a vida de uma pessoa que trabalha para ganhar seu salário e pagar suas contas.

Por muitos anos, o Flamengo teve dificuldades de contratar qualquer profissional de ponta - técnico ou jogador - por conta das notícias que surgiam da Gávea todos os dias: salários atrasados, confusão entre dirigentes, torcidas organizadas pressionando nos treinos, desorganização generalizada, falta de estrutura física, enfim, o pior ambiente de trabalho possível. Aqueles que aceitavam vir enfrentar isso ou o faziam por falta de opção - nenhum clube mais os queria - ou recebendo um salário estratosférico para compensar todo o resto.

Nos últimos tempos, isso até vem melhorando. Mas aí, os mesmos que gritam por contratações no Maracanã surgem na Gávea pra sabotar o próprio pedido.

Se não fosse por mais nada - como o fato de que simplesmente não é aceitável uma pessoa lançar um rojão em cima da outra, seja lá por que for -, só por isso esse "protesto" já seria coisa de débil mental. De quem o fez e de quem o permitiu.

Um comentário:

Fernando disse...

Perfeito, os caras são uns vagabundos, sem ter o que fazer!