O mundo dá voltas

O Flamengo era campeão carioca, praticamente classificado pras quartas da Libertadores, tudo era alegria. O Fluminense tinha sido eliminado nas duas semi-finais de turno do carioca e não animava ninguém.

O Flamengo perde e vira motivo de chacota. O FLuminense avança, elimina São Paulo, elimina boca, se sente grande, vibra por ser motivo de secação dos outros.

E agora, acorda com dor de cabeça e gosto de guarda-chuva na boca, sem taça nenhuma na mão e na lanterna do Brasileiro. E quem é o líder desse mesmo Brasileiro?

Como diria Galvão Bueno: é, amigo...


* * * * * * * * * * * * * * * * * *

Pouco depois de ter feito 1x0, a LDU teve sua chance de marcar o segundo e acabar com o jogo. O cara amarelou, resolveu cruzar em vez de chutar, não fez o gol e o jogo não acabou. E como durou...

Não sei se é o caso de fazer grandes análises táticas de um jogo como esse - cardíaco, tenso e até de baixo nível técnico, peladão mesmo, na maior parte do tempo. Como avisei antes, o juiz foi esquisito - mas bem ou mal, acabou errando pros dois lados. Teve horas em que parecia certo que os equatorianos, com uma defesa digna de Friburguense, batendo cabeça a cada bola levantada de longe pra área e furando bicões pra cima, não iam resistir. Mas também teve a LDU mandando bola na trave e aquele gol anulado no finzinho da prorrogação. A única coisa que achei é que, depois do terceiro gol, o Fluminense teve uma sensação de "dever cumprido" e aliviou. Não continuou atrás do gol do título com o mesmo ímpeto e acabou sendo castigado nos pênaltis.

Quem iria imaginar que Thiago Neves, três gols no tempo normal, mais aquele lá de Quito, perderia o seu pênalti no fim?

Quem, antes das finais, apostaria que Washington não só passaria em branco como perderia um gol feito bizarro em cada jogo e ainda desperdiçaria o pênalti decisivo?

Há 50 anos, o Brasil matava o tal complexo de vira-latas de que Nélson Rodrigues falava. Ontem, ele deve ter assistido sabe-se lá de onde os equatorianos acabarem com o deles.


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * *

Como essa Libertadores foi toda meio esotérica, meio metafísica, eu diria que o grande culpado pela derrota do Fluminense foi o lamentável Dodô.

Aquele que faz gol contra o Boca, não comemora e ainda sai reclamando que quer lugar no time.

O que se recusou a comentar o jogo de Quito, mandando os repórteres fazerem suas perguntas "pra quem jogou", mais uma vez criando caso.

Aquele que ficou sentado no banco, paradinho, enquanto o resto do time inteiro comemorava o segundo gol de ontem.

Deus, as forças do universo, seja lá o que for, não deixaram esse sujeito sair comemorando ontem. Não merece!

Dodô tem 30 e tantos anos e nunca ganhou NADA de importante. NADA.

E nem vai ganhar.


* * * * * * * * * * * * * * * * * *


Tem um lance que nunca me desceu naquele fatídico Fla-Flu do gol de 13 anos atrás. Logo após o gol de barriga, Sávio arrancou puxando um contra-ataque em que fatalmente acabaria na cara do goleiro. Seria um troco histórico se aquele gol saísse. Mas não saiu graças a uma voadora do zagueiro Lima na altura do abdômem do Sávio. O lance parou, Lima foi expulso, mas e daí? Fluminense campeão, e é isso que todo mundo lembra até hoje. Vi há pouco tempo o Renato dando uma entrevista, rindo, dizendo que agradecia até hoje ao Lima, porque ele é que tinha ganho aquele título.

Ontem, quase que o Luís Alberto conseguiu a mesma coisa, com aquele lance em que foi expulso no último minuto da prorrogação.


* * * * * * * * * * * * * * * * * *

Renato, que foi meu ídolo jogando bola, um cara com quem simpatizei muito por muito tempo, foi um dos grandes motivos que me fizeram torcer de verdade pela LDU ontem. A marra do cara estava infinita e ia ser dose aguentá-lo campeão da Libertadores, falando disso ao longo do Brasileiro inteiro, até o fim do ano, especulando sobre quem gostaria de estar no lugar dele no avião para o Japão.

Mas confesso que me deu pena do cara ao vê-lo, quase duas da manhã, dando explicações sobre o inexplicável em entrevista coletiva, quase chorando, depois de um jogo como aquele. Ter que dar a cara pra bater nessas horas não deve ser mole não.


* * * * * * * * * * * * * * * * * *


Ainda bem que acabou!

2 comentários:

Juan disse...

André,

Talvez você mude de idéia na quinta-feira. Rubro-negro bota pilha antes e depois.

1 de Julho de 2008 11:10

André Monnerat disse...

Juan, tá certo... :)

Mas é o que eu falei: pra mim, aquilo ali não melhorou em nada a minha situação agora que o Fluminense o jogo. O fato do Guerrón ter usado camisa do Flamengo antes não é nem assunto...

Por outro lado, as declarações do Renato de que o Caio Júnior gostaria de estar no lugar dele, ou de que ia brincar no Brasileiro até o fim do ano... Essas sim deixam a coisa mais interessante. :)