Recordar é viver - Flamengo x Ipatinga

Apesar do pouco tempo de existência, de ser de outro estado e de ter tido pouquíssimos confrontos com o Flamengo, o Ipatinga tem seu lugar marcado na história rubro-negra. O clube do interior mineiro teve grande participação na conquista do último título nacional a ir para a Gávea, a Copa do Brasil de 2006.

Foi ele o adversário que o Flamengo encontrou nas semi-finais, em uma campanha em que não precisou enfrentar nenhum time de primeira divisão. Já os mineiros eram a surpresa da competição, eliminando nas quartas-de-final o Santos de Wanderley Luxemburgo. De qualquer forma, a obrigação de vitória era do Flamengo, embora estivesse bem vivo ainda na mente de todos o fantasma do Santo André.

Depois de um empate por 1x1 no jogo de ida, o Flamengo chegou ao Maracanã podendo empatar por 0x0 para chegar à final. Mas a torcida que lotava as arquibancadas sentiu um frio na espinha quando Camanducaia abriu o placar para o Ipatinga logo no início do jogo, graças a uma falha bisonha da defesa rubro-negra.

Vale uma pausa para explicar o que era o time do Flamengo. Waldemar Lemos gostava de usar o lento Jônatas como meia de armação do time, deixando na cabeça-de-área um certo Léo, que caiu no esquecimento. No ataque, Vinícius Pacheco - outro que despontou para o anonimato -, meia de origem, era improvisado no ataque. O time era aberto na defesa, inoperante na frente. Mas andava sendo salvo por um certo Obina, visto na época com simpatia pela raça que mostrava em campo apesar de ainda tropeçar muito na bola.

Logo após o tal gol do Camanducaia, ouviram-se tiros na arquibancada e iniciou-se uma confusão no meio da torcida do Flamengo. O clima era o pior possível.

Mas foi aí que a sorte sorriu. Marcelinho, reserva que substituía Léo Moura na lateral direita, empatou logo em seguida em um lance meio de acaso. O gol deu um mínimo de tranquilidade às arquibancadas de que, afinal, não era uma tragédia inevitável o que estava previsto para aquela noite. Em campo, no entanto, o Ipatinga dominava amplamente o jogo e perdia chance atrás de chance de desempatar.

No segundo tempo, porém, veio o gol da vitória, marcado por Renato após boa enfiada de Jônatas. A torcida se incendiou de vez, levantando poeira e emendando ola atrás de ola - enquanto o time continuava jogando mal e passando um perrengue inacreditável para segurar o placar que valeu a classificação para a final contra o Vasco.

O Ipatinga estava eliminado, mas sua participação na campanha do título não se encerrou ali. Surpreendentemente, após o jogo Kléber Leite decidiu demitir Waldemar Lemos. A decisão foi vista com incredulidade, mas foi um dos maiores acertos que vi uma diretoria de futebol ter na vida. O time era mal escalado, mal treinado e fadado ao fracasso. A competição iria parar naquele momento, devido à Copa do Mundo. Um novo técnico teria tempo o bastante para entrar, conhecer o elenco, treiná-lo e chegar à decisão com uma nova equipe. E o escolhido foi ninguém menos que Ney Franco, o técnico do... Ipatinga.

A influência ipatingueira ainda foi maior nos tempos seguintes - mas aí, talvez de maneira mais negativa do que positiva. Reparem que, além do técnico, outros quatro dos titulares do Ipatinga neste jogo do Maracanã apareceram pela Gávea mais tarde. Mas este texto já está de bom tamanho.



18/5/2006 - Flamengo 2 x 1 Ipatinga
Local: Maracanã, Rio de Janeiro
Renda: R$ 639.462,00
Público: 44.655 pagantes

Árbitro: Sálvio Spínola Fagundes (Fifa-SP)
Assistentes: Ana Paula Oliveira (Fifa-SP) e Erich Bandeira (PE)
Cartões amarelos: Renato, Léo, Diego Souza e Diego (F); Enrico (I)

Gols: Camanducaia (IPA), aos 10 minutos do primeiro tempoMarcelinho (FLA), aos 14 minutos do primeiro tempo; Renato(FLA), aos 21 minutos do segundo tempo

Flamengo: Diego; Marcelinho, Renato Silva, Fernando e Juan; Léo, Júnior (Rodrigo Arroz), Jônatas (Ronaldo Angelim) e Renato; Vinícius Pacheco (Diego Souza) e Obina. Técnico: Waldemar Lemos

Ipatinga: Rodrigo Posso; Dênis, Irineu, Teco e Marinho Donizete (Gustavinho); Paulinho, Leandro Salino, Jaílton (Eraldo) e Enrico; Camanducaia e André (Cristian). Técnico: Ney Franco

2 comentários:

Anônimo disse...

nossa...como passamos perrengue pra ganhar de um time com paulinho, salino e jailton no meio campo? cruzes...nosso time era ruim demais.
e o ney franco ja dava mostras de como gostava de volantes. ele e o joel são iguaizinhos nesse sentido.

mas enfim, o melhor jogador desse time ninguem contratou, que é o teco. unico jogador que ja vi jogando mto fora do ipatinga. otimo zagueiro. mas a gente preferiu trazer a praga do irineu.
aff

André Monnerat disse...

Flora, é você? :)

Irineu foi mesmo dos piores zagueiros que eu já vi no Flamengo. Deus me livre, nem bicar pra frente o cara conseguia.