O ranking de patrocínios dos clubes brasileiros e a situação do Flamengo

Indecisão sobre retalhamento do uniforme, orçamentos em andamento, resistência de conselheiros, interesse da Traffic - tudo parece atrapalhar o Flamengo na busca por um patrocinador.

* * * * * * * * * *

Vinicius Paiva publicou no FlamengoNet o ranking com a arrecadação dos clubes brasileiros com patrocínios no uniforme - somando peito, costas, barra, ombro, manga, número, calção, suvaco, enfim - pacote completo. O Flamengo, no momento, aparece numa péssima 10a colocação.

Mais cedo, no Uol, uma matéria do bom Vinícius Castro afirma que uma das causas para a dificuldade do clube em fechar contrato é a indefinição do modelo a ser adotado. Vão fatiar a camisa ou não? Quanto querem por cada pedaço? Ao que parece, não se sabe. E o outro Vinícius critica no FlamengoNet a hesitação do clube em vender todos os espaços disponíveis, como tantos clubes estão fazendo.

Vou escrever aqui sobre isso sem tanta convicção, pois para ter realmente embasamento seria preciso ter pesquisas de diversas naturezas à mão. Mas eu não sou mesmo muito a favor desta política de entupir os uniformes com trocentas logomarcas. Um tanto por apego à tradição, confesso. Mas acho também que a banalização a diminuir o reconhecimento das marcas pelo público e está espantando grandes empresas do negócio. Além disso, tenho a convicção de que muita gente deixa de comprar os uniformes oficiais por conta disso e uma outra fonte de receita pode estar sendo afetada de maneira relevante.

Acredito que talvez seja possível ter um resultado melhor adotando um modelo de patrocínio que não se baseie apenas na exposição da marca na camisa, mas também na ativação do patrocínio através do relacionamento da empresa com o público daquele clube. Se o clube tiver a iniciativa de criar canais e modelos para isso e souber mostrar ao mercado o retorno que isso pode dar, oportunidades para conseguir valores maiores podem surgir. E apareceriam até mais modelos de patrocínio que nem envolvessem o uniforme - algo que, por aqui, ainda é bem menos comum do que deveria ser.

Mas, como falei, pra ter certeza do que estou falando precisaria ter mais material à disposição. Algo que deveria ser obrigação, na verdade, dos profissionais de marketing responsáveis por tomar estas decisões dentro do clube. A impressão que fica, no entanto, é que a escolha de mais ou menos patrocinadores é tomada nos clubes com base apenas no confronto de uma lógica financeira simplista (mais patrocínios = mais dinheiro) com a vontade romântica de ver os mantos sagrados o menos maculados possível.

No caso do Flamengo, com certeza há ainda o componente Traffic na equação, de olho na fatia que tem que tirar pra fechar as contas do investimento em Ronaldinho - e, à medida que o tempo passa, ele mesmo vai se tornando um atrativo cada vez menor para patrocinadores. Espero que, por lá, saibam o que estão fazendo e estejam mesmo tão tranquilos em relação ao fluxo de caixa quanto Patrícia Amorim andou falando.

10 comentários:

Fernando Almenara disse...

Eu fico doido com isso!!

O Flamengo tá perdendo dinheiro com isso... A Patrícia fala de não querer desvalorizar a marca e enquanto isso o Fla vai perdendo dinheiro.... O pior que eles vivem reclamando que não tem muito dinheiro para contratar....

Mudando de assunto, o Fla tem um potencial enorme para arrecadar dinheiro "arrebanhando" sócios e não faz nada com relação a isso!!

André disse...

Essa incompetência financeira do Flamengo já foi discutida 1000 vezes.

Programas de sócios também...

E mais uma ano vai se passando e nada é feito...

Marcos André Lessa disse...

André, tua análise sobre a miríade de logotipos na camisa, mesmo sem pesquisa, faz sentido. Eu mesmo não compro camisas "retalhadas" e a empresa que estampa sua marca ainda ganha minha antipatia, mesmo que antes eu fosse neutro em relação a ela. A Batavo foi uma dessas. E converso com muita gente que tem a mesma opinião, mesmo não sendo nada "românticos".

Marcos Monnerat disse...

Pensamentos utópicos... Acho que o clube tem que pensar também em com quem está associando a sua imagem. Eu, por exemplo, nunca aceitaria colocar a marca do BMG na minha camisa...

lussiannosousa disse...

Olha, em 2009 tb passamos pelo problema e fechamos por 6 meses duas marcas no master. Não foi o ideal mas foi necessário. Se a coisa está tão ruim quanto fala o V.Castro, faz o mesmo. Aceita por seis meses e trabalha uma estratégia para o próximo ano, já que se diz por aí que as empresas já estão direcionando agora seus investimentos do próximo ano.

Quanto ao plano definido que o V.Castro escreveu, é absurdo. Acho até que o último post sobre licitação caberia aqui. Determina um valor x pra uma só empresa empresa patrocinar o Fla no uniforme. Se esse valor não for alcançado, se determina qual espaço no uniforme seria vendido tb além do master. É simples e deixa as regras claras pra quem quiser entrar nessa.

lussiannosousa disse...

Ah, e Ronaldinho não só não está trazendo dinheiro dinheiro ao Fla como parece tb está impedido que isto aconteça.Surreal.

Flávio disse...

Prezado André: apelo a você para esclarecer a batida do goleiro César no juizinho ridículo ontem.

Não é possível que ninguém vê que o goleiro tropeça e, por isso, bate no juíz. Ele não foi para acertar o juíz. Nenhum jogador no mundo seria tão idiota.

É por isso que ele chora!

Ricardo Nagato disse...

Não é só ativar o relacionamento entre patrocinador e torcedor do clube.

Tem que ativar o relacionamento entre os patrocinadores, como já vimos que Inter e Milan fazem anualmente, em seus respectivos eventos para reunir os patrocinadores do clube. E são algumas dezenas.

Lembro que o Chicago Bulls, no auge de Michael Jordan, tinha mais de 80 patrocinadores. Quantos deles apareciam no uniforme?

Aqui no Brasil, se pensa que patrocínio esportivo é usar camisa como outdoor. Tosco. Bizarro.

Valente Filho disse...

Estava olhando alguns dados do Censo 2010 e comparei. A torcida do Flamengo no estado do Rio de janeiro (15 milhões de pessoas no estado) em potencial é maior do que a do Internacional e a do Grêmio no estado do Rio grande do Sul (10 milhões de pessoas no estado), sendo 7,5 Milhões de torcedores do Flamengo contra 5 Milhões de Inter e Grêmio (dados aproximados).

Mesmo que excluindo aqueles que não se ligam muito em futebol e afins poderíamos perfeitamente ter, por baixo, 3 milhões de "consumidores potenciais de Flamengo". Afirmo, falta qualidade ou até mão de obra nas áreas de Planejamento, Propaganda, Marketing e Patrimônio. Por que não se profissionalizam estes setores? Nunca ouvi ninguém falar disso no Flamengo. Com 200 mil reais/mês (exagero, mas para entretenimento/esporte é muito possível) é viável se construir uma “Agência Flamengo” que cuidaria da IMAGEM fazendo DINHEIRO.

- Citei Inter e Grêmio por causa do programa sócio-torcedor que nada mais é do que a vontade do clube em se relacionar com seu apaixonado e fiel cliente, torcedor!
- Com 200 mil reais/mês e com profissionais da área, sejam eles Flamengo ou não, cariocas ou não (que busquem bons profissionais no mercado), pode se construir a “Agência Flamengo” e arrecadando ao menos 50 Milhões ano compensando os custos aproximados de 3 milhões/ano com impostos e outras coisas para a agência.
- O Flamengo está afastando seus reais adeptos do clube, só que os torcedores de futebol europeus tem alternativas para sempre estarem com seus clubes, nem sempre nos estádios. Temos nossa cultura futebolística, mas devemos modernizar o Flamengo.
- O clube cresceria com uma “real democratização” com a torcida dentro do clube (não falo do clube social, mas outros lugares onde o Flamengo possa estar). A ampliação do quadro social não é tão simples mas deve ser pensado com a importância devida com os sócios torcedores votando no presidente do clube e os “sócios sociais” (sede) votando no administrador da sede social. Por estatuto e vontade política hoje isso seria impossível!

É preciso uma melhor relação com seu cliente, por que este tipo de cliente não se precisa ir atrás, ele vem ate você, e por consequência os parceiros/investidores também. O Flamengo hoje é um clube QUADRADO!

world music disse...

pow caras, ela ta mandando super bem men olha so como ta o clube nunca vir a instituição tão linda como ta agora, e ainda tem o CT que vai ser o mais lindo e bem equipado do futebol brasileiro superando até o do são paulo. quanto tudo isso acabar assim vai sobra dinheiro e almenta ainda mais a imagem do clube. então relacão..ela e a mandataria mais inportanta da historia do clube e espero q ela ganhe a proxima eleição!