Brasileiro 2011 - 3a. rodada - Flamengo 1 x 1 Corinthians

Pet foi melhor do que se esperava em sua despedida. Mas, com o futebol que o time jogou, não dava memso pra esperar mais do que um empate.


* * * * * * * * * *

Sim, eu era contra a festa para Petkovic em jogo de Campeonato Brasileiro, com ele vindo de uma inatividade de meses. Mas foi bonito. É um cara que tem seus defeitos, teve seus pontos baixos mesmo dentro do Flamengo, mas que fez história no clube e foi responsável pelos momentos mais emocionantes que muitos torcedores puderam assistir ao vivo. Merecia mesmo a homenagem, e que bom que ela gerou uma emoção sincera no cara.

Mas, fora isso, por incrível que pareça, Pet foi até o melhor jogador do Flamengo com a bola nos pés enquanto esteve em campo. Se movimentou com inteligência, se apresentou pro jogo e deu os melhores passes do time. Ao final do primeiro tempo, os gritos de "fica!" podiam ser até um exagero se pensavam nele continuando a jogar mais uma temporada, mas até fazia sentido se era pra seguir por mais alguns minutos no segundo tempo. Ainda bem que seu último jogo teve uma atuação digna - e que, graças ao gol de falta de Renato (quando todo o estádio imaginava uma cobrança replay da decisão contra o Vasco de 2001), ele não deixou o campo com o time perdendo.

* * * * * * * * * *

Sobre o resto do jogo: no primeiro tempo, Pet à parte, o time não foi bem. Criou muito pouco com o tanto de posse de bola que teve e, graças às costumeiras falhas da defesa, sofreu um gol e deu chances para que o Corinthians até fizesse mais. Definitivamente, a zaga Wellinton-David não tem nível para disputar o Brasileiro (e estou falando da dupla de zaga mesmo, e não apenas de Wellinton, que costuma monopolizar as críticas). E, contra um adversário um pouco melhor, Egídio mostrou suas deficiências na marcação - como ficou claro no lance do gol corintiano. Vamos ver se, a partir da próxima rodada, Júnior César dá esperanças de que o Flamengo possa se preocupar menos com aquela posição.

No segundo tempo o time até esteve mais perto do gol do que na primeira etapa: uma cabeçada perigosa de Renato, um chute na rede pelo lado de fora de Diego Maurício, uma bola na trave de Ronaldinho. Mas, no geral, foi um time confuso, de pouca movimentação e que, inclusive, pareceu ter cansado cedo. Aliás, ao longo da partida, foi marcante como o Corinthians ganhava praticamente todas as divididas. Mas os paulistas também foram burocráticos; marcaram melhor, mas com a bola não tinham lá muita imaginação. Os dois times dependiam mesmo de momentos isolados para ameaçar: enquanto o Flamengo precisava de algum lampejo de Ronaldinho, o Corinthians ficava na esperança de mais algum erro da defesa rubro-negra.


* * * * * * * * * *

Ronaldinho às vezes irrita em lances em que prende demais à bola e demora a decidir o que vai fazer com ela. Mas o seu maior problema mesmo é encontrar seu lugar em campo. Ele se movimenta errado, ora se escondendo das jogadas, ora embolando com companheiros e prejudicando a fluência dos lances. Não ajuda muito quando Luxemburgo o coloca no comando de ataque, como fez ontem após a entrada de Diego Maurício.

Por isso, ele não participa do jogo como deveria - e, com ele sumido e sem Thiago Neves para ao menos dividir a responsabilidade de gerar lampejos isolados, o time fica com pouco a oferecer. Ainda assim, a verdade é que praticamente todos os melhores momentos do Flamengo ontem envolveram a participação de Ronaldinho. Basta olhar os melhores momentos da partida. Mas essa constatação serve mais para eu me desanimar com o time do que para me empolgar com Ronaldinho.


* * * * * * * * * *

Na boa: não dá pra jogar com alguém tão sem jeito com a bola como Wanderley no comando do ataque. Ele tem vontade, corre, se dedica e tudo o mais, mas a questão é que, quando a bola se aproxima dele, parece que todas as partes do seu corpo servem de canela. Jogando com um atacante só fixo na frente, esperando as bolas de quem vem de trás, esse cara tem que ter um mínimo de capacidade a mais de dar sequência às jogadas.

Não sei se Diego Maurício está de saída, ou mesmo se vingaria como centroavante (posição em que, não custa lembrar, sempre jogou nas categorias de base) com este esquema. Mas ontem cheguei à conclusão de que, se é pra seguir com Wanderley, prefiro que insistam com o Deivid mesmo.




5/6/2011 - 16h - Flamengo 1 x 1 Corinthians
Engenhão - Rio de Janeiro, RJ
Renda e público: R$ 1.180.655,00 / 37.010 pagantes / 42.000 presentes

Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)
Assistentes: Gilson Bento Coutinho (SP) e Ivan Carlos Bohn (PR)
Cartões amarelos: Willians e Negueba (FLA); Chicão (COR)
Gols: Willian 18'/1ºT (0-1) e Renato 40'/1ºT (1-1)

Flamengo: Felipe, Léo Moura, David, Welinton e Egídio (Junior Cesar 38'/2ºT); Willians, Renato, Bottinelli e Petkovic (Negueba - Intervalo); Ronaldinho e Wanderley (Diego Maurício 14'/2ºT) - Técnico: Vanderlei Luxemburgo.

Corinthians: Julio Cesar, Welder, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos; Paulinho, Ralf e Danilo (Morais 31'/2ºT); Jorge Henrique (Émerson 37'/2ºT), Willian e Liédson (Edenílson 15'/2ºT) - Técnico: Tite.

12 comentários:

Luis disse...

Estamos em junho e desde janeiro todo mundo sabe: falta lateral esquerdo, a zaga é fraca e falta um camisa 9. Depois de 6 meses chegou um lateral esquerdo melhor do que tínhamos (o que não quer dizer muita coisa). Nesse rítmo, até junho de 2012 arrumamos a zaga e arranjamos centro avante (mas aí outros vão ter ido embrora ......).

Marcos Monnerat disse...

E conseguiram um jeito de colocar um boné da Jovem e um da Urubuzada na cabeça do Pet. Lamentável...

Ricardo Nagato disse...

É importante ressaltar que o problema da nossa defesa não se limita aos dois zagueiros.

Claro que precisamos de zagueiros melhores e se vierem o Alex Silva e Juan o nível sobe muito.

Mas é bom lembrar que todos os times têm 8 ou 9 jogadores participando do sistema defensivo, enquanto o Flamengo só tem 6 ou 7.

Por isso, o time deixa tanto espaço para os times adversários tocarem a bola, enquanto o Flamengo tem que se esforçar muito para entrar nas defesas adversárias.

Ainda assim, o time melhorou muito o passe e tem mais posse de bola. Falta ajustar o sistema defensivo e ter alguém para finalizar.

André disse...

Muito pertinente o comentário do Ricardo.

É nítido que o Luxemburgo conseguiu melhorar a posse de bola, acerto nos passes mas acaba ficando limitado na capacidade técnica dos jogadores.

Não adianta o técnico acertar o time se o centroavante é um POSTE e se os 2 zagueiros entregam "256" gols por jogo.

Acho que o técnico está escalando os melhores jogadores possíveis e melhor do que isso é impossível.

Temos problemas? Temos sim, como constato acima. Mas vejo o Flamengo como mais um entre tantos outros com possibilidades de ser campeão ou de se classifcar para a Libertadores.

Não vejo ninguém muito melhor não...

JEFF disse...

André,
Mais um belo post!
Acho que se a partida tivesse que ter tido um vencedor, por justiça, seria o Flamengo. Certo! Isto não serve para nada!
Como disse o Ricardo, o problema da marcação, começa no ataque (e piora pela (falta de) qualidade do nosso beque da roça central).

No primeiro tempo tivemos mais posse de bola. O Corinthians, jogando fechado, teve as melhores oportunidades. Pet mostrou habilidade que lembraram seus bons momentos e deixou claro que poderia ter sido melhor aproveitado enquanto esteve afastado. Erro imperdoável que, agora, não poderá mais ser corrigido. Mas, com ele, o time ficou mais vulnerável ainda na marcação (talvez, os adversários não o tenham levado a sério).

DM deveria ser o centro-avante, tem força, talento, sabe chutar. E é jovem o suficiente para acatar a ordem de não sair da área. Colocar Ronaldinho lá é um absurdo.

Rumo ao Hepta!
FLAmém
@IgrejaFlamengo
@JEFFarah

JEFF disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
saulo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
saulo disse...

André, você por acaso foi ao jogo? Se sim, estava perto de uma torcidinha meio "barra brava" chamada nação 12?

Concordo 100% com você, David e Wellinton juntos não dá, os dois são fracos. Mas lembre-se que outros zagueiros fracos cresceram muito de produção ao lado de parceiros mais técnicos/experientes (Fabão no SPFC, Luís alberto no Santos e Flu, Odvan no Vasco...). Quem sabe Juan ou Alex Silva não consigam reeditar a história do Fabio Luciano em 2007? Esperança é a última que morre mesmo. O time é promissor, falta ajustar detalhes. É só pensar no time no ano passado, pra se animar um pouco.

Eduardo H. Costa disse...

Não tenho acompanhado muito, mas o R10 tem que chutar mais de fora da área. Tem pontaria pra isso. Mandou um fraco na trave, imagina um forte. Naquele segundo jogo contra o ceará mesmo e outro jogo que não lembro, faltou chamar mais a responsa e meter o canudo nos caras.

Bosco Ferreira disse...

André;
Para ser favorito a uma vaga na libertadores temos que vencer um clube de série A.

Ainda não vencemos nenhum após o título estadual.

O mixtão do Avaí não vale.

André Monnerat disse...

Saulo, fui ao jogo sim e estava perto dessa garotada - tô até pra escrever sobre isso.

Foi você que me cumprimentou por lá?

saulo disse...

Po cara, nem foi eu que te cumprimentei não. Tu tá muito barbudo em relação a foto do teu avatar nos Posts na FlamengoNet, fiquei na dúvida. Pelo sim pelo não, preferi evitar o mico de acenar pra pessoa errada. Mas assim, eu estava a uns dois ou três lances no máximo acima de você. Junto com uma garota. No fim do jogo eu até pensei em conferir, mas você já tinha ido. Abraço!