Sobre o Clube dos 13 e a Taça das Bolinhas - parte 2

Esta decisão da CBF não muda nada sobre o campeonato de 1987. Já há muito tempo sabe-se que, por ela, o título era do Sport. E há uma decisão na Justiça sobre isso, em última instância, para a qual não cabe recurso. Eu acreditava que a tal taça ficaria encostada no cofre pra sempre; me surpreendeu mais que a CBF tenha resolvido tomar uma decisão agora - motivada sabe-se lá pelo quê - do que com a decisão em si. 

Supreendeu-me também que só agora, mais de 10 anos depois de ter sido assinada, um dirigente do Flamengo traga a público a tal ata da reunião em que o Sport entrou para o Clube dos 13 e concordou que o título deveria ser dividido. Se Márcio Braga tinha este papel, se Kléber Leite esteve na reunião, o que fizeram este tempo todo enquanto ele continuava escondido? Patrícia Amorim hoje foi bem em sua coletiva, usou bons argumentos, falou grosso - mas, infelizmente, não creio que vá conseguir reverter alguma coisa. Estes papéis teriam sido muito mais bem usados enquanto o presidente do Sport era o daquela assinatura.

Se ao menos o Clube dos 13 realmente quisesse que as suas decisões passadas - de 1987, de 1988, de 1997 - fossem levadas em consideração agora, eu poderia acreditar um pouco mais que a luta que o departamento jurídico do Flamengo quer reiniciar agora fosse dar em um bom resultado. Porém, neste momento, o único pronunciamento que seu presidente - aliado de Patrícia! - conseguiu fazer foi de um mínimo parágrafo, lamentando-se apenas do momento inoportuno da decisão da CBF, sem fazer menção ao fato de que a associação organizou a competição em 1987 e sempre considerou o Flamengo campeão. Sendo assim, percebe-se que o Flamengo brigará sozinho; os outros dirigentes todos simplesmente lavam as mãos, achando até um pouco de graça de ver um título nacional sendo subtraído de um clube que boa parte deles vê como grande rival. Tomara que eu esteja errado, mas não vejo muitas chances de sucesso.

E devo ser muito bobo, mas ainda me deprimi com algumas manifestações que se seguiram. Dirigentes do São Paulo,  mesmo sabendo que seu próprio clube teria agido exatamente como o Flamengo na época,  comemorando o "título", como se alguma de suas conquistas estivessem em discussão. O inacreditável presidente da Federação Paulista cogitando um bizarro desfile em carro dos bombeiros com a taça. Ou jogadores do Botafogo dizendo que o que devia valer é conquista em campo, "mas dane-se, se é ruim pro nosso rival, é bom pra gente". O pior é que estes caras ficariam felizaços se recebessem uma proposta pra jogar pelo Flamengo mês que vem (o que, ainda bem, não acontecerá).

Do Sport, não adianta nem falar muito, pois até estão no papel deles. Seriam mais espertos se realmente tivessem feito valer a assinatura de seu presidente em 1997 e dividido o título - acreditem, ganhariam mais legitimidade com isso e mais gente levaria o seu "título" em consideração. Mas a postura deles tem a ver não só com o tamanho das conquistas que tiveram até hoje, mas também com um certo regionalismo, uma sensação de que o Nordeste sofre preconceitos, é prejudicado por centros mais ricos, enfim. É uma questão de orgulho deles, embora se afirme neste caso de maneira totalmente equivocada. E o presidente do Sport, neste momento, até teve uma postura bastante digna, sem soltar foguetes ou tripudiar e ainda dizendo que acha que Patrícia não merecia isso, assumindo que a coisa toda parece uma retaliação política.


* * * * * * * * * * * * *

Sobre o que realmente aconteceu em 1987, vocês sabem, eu já escrevi aqui. Mas vale ler a matéria mais completa publicada pela Trivela sobre o caso (que mostra, inclusive, que se houvesse algum critério técnico pra definir os participantes do campeonato, o Sport não teria nunca lugar na primeira divisão e, de repente, nem na segunda).

E, pra mostrar como na época as "dúvidas" sobre o título do Flamengo eram muito, mas muito menores do que agora - quando a maioria dos que discutem o caso não lembram bem do que aconteceu ou talvez não fossem nem nascidos -, deem uma olhada no vídeo abaixo, de uma matéria da época do Globo Esporte, em que ninguém menos que Eurico Miranda dá a sua opinião:

6 comentários:

Ed disse...

Essa história do campeonato de 1987 é tristemente uma história brasileira. Brasileira em seus piores defeitos. Brasileiro como nós, representados por políticos corruptos, cheios de "jeitinhos" e tal.
É triste saber que poderíamos ser muito mais do que somos se não fosse tamanho mal caratismo e falta de honra, respeito à história e à dignidade. Eu lembro de 1987 e já me cansei de falar qualquer coisa sobre o título desse ano. Tenho vergonha. Vergonha do Teixeira (que ainda assim se diz rubro-negro) e muita vergonha e desprezo do Kléber Leite que tão mal sempre fez ao meu querido Flamengo!

AF STURT disse...

Bom o que eu posso comentar a não ser concordar com o que está escrito.Eu também não esperava nada em prol do mengo nessa decisão porém a esperança é ultima que morre quando a vida, né?

Também falei sobre isso no flamengo show:

http://flamengoshow.blogspot.com/2010/04/o-flamengo-cbf-e-o-clube-dos-13.html

oPerna disse...

Para mim, se tiver mesmo que ter campeão reconhecido em 87 deveria ser o Flamengo.

Não tiraria o direito do Sport em ter pelo menos que dividir o título, já q eles também não tiveram nada a ver com a decisão horrenda da CBF. Mas na verdade quem ganhou o campeonato, jogando em uma época que a elite do futebol brasileiro fazia jus ao adjetivo, foi o Flamengo.

Jamais entenderia a lógica que faria um time que não teve capacidade de subir para a primeira divisão disputar um título brasileiro.

e tenho dito.

SRN

flacanagem.blogspot.com

Bosco Ferreira disse...

KLEBER LEITE NUNCA MAIS!

O que mais me indigna é ver torcedor do CRF com o mesmo carater de KL/MBg/RT/Rede Globo achando que a maior Nação do mundo deveria ter se dobrado à máfia do futebol para ter a taça.

A nação tem dignidade e não se dobrará a ninguem!

A Nação coleciona taças é vencendo advesários, conquistando na raça! Na tera na agua e no ar.

Somos Hexa e isso ninguem tira.

Concordo que o Sport nada tem a vêr com isso e que também é detentor do título conosco.

A Patrícia não vai ao RT nem vai pedir nada aO kOff nem a ninguem.

O CRF não pede. Ele conquista! Entenderam torcedores sem carater.

O KL e o M Braga estavam no Fla e nada fizeram junto ao seu amigo R Teixeira. Foram omissos e agora querem tirar proveito.

"Eu teria um disgosto profundo se faltasse um Flamengo no mundo"

Rafael disse...

Sempre com a mesma palhaçada. Essa taça deve ficar com a CBF pra sempre. É o símbolo da esculhambação toda.

André, posso divulgar aqui meu post?

http://www.blablagol.com.br/proposta-para-a-taca-das-bolinhas-enferrujadas-8198

Valeu! Abs
SRN.

André Monnerat disse...

À vontade, Rafael!