O Flamengo ganha mais de patrocínio de camisa que o Milan. Dá pra comparar?

Confesso que fiquei meio surpreso ao ler a notícia sobre os valores do novo contrato de patrocínio do Milan. Para estampar sua marca na camisa do time italiano, a Emirates vai pagar cerca de R$30 milhões por temporada - ou seja: menos do que o Flamengo ganhará na soma dos cotratos com Batavo e BMG.

Atenção: é claro que eu sei que, no caso do Milan, trata-se de uma marca só no uniforme. A Emirates tem direito à sua logo apenas na frente da camisa - nem as costas eles estão levando, enquanto o Flamengo terá o patrocínio exposto não só em frente e verso como também nas mangas. Mesmo assim, achei um tanto impressionante ver que os valores já são mesmo comparáveis. É isso: a ordem de grandeza do valor do patrocínio de camisa do Flamengo já é igual à do Milan!

Porém, ainda há um looooooongo caminho a percorrer para que o Flamengo e outros clubes brasileiros realmente possam bater de frente com um grande da Europa como o clube de Berlusconi. Em 2008, a receita total do futebol do Flamengo foi de R$104 milhões (claro, valor que já teve um bom aumento agora, com a entrada dos novos patrocinadores e da Olympikus); já o Milan faturou nada menos que R$603 milhões.

Onde está a diferença? Há várias áreas em que o Flamengo pode avançar e faturar mais, mas outras tantas simplesmente são questão de diferença de realidade entre a Europa e o Brasil.

- No contrato de material esportivo, o Flamengo ganha cerca de R$22 milhões por ano da Olympikus - o Milan recebe R$33,2 da Adidas.

- Com bilheteria, o Flamengo - com a maior média de público do Brasil - faturou R$21 milhões. Já o Milan, somando ingressos e carnês, embolsou nada menos que R$71,5 milhões.

- Com licenciamento de produtos, o Milan fatura mais de R$13 milhões, contra R$2,3 do Flamengo. Há ainda diversos outros contratos comerciais e de patrocínio, que não envolvem a exposição da marca na camisa do time e rendem dezenas de milhões ao clube italiano. É algo que, por aqui, é pouquíssimo explorado - não só pelo Flamengo, mas pelo mercado brasileiro como um todo.

- Mas a maior discrepância mesmo fica nos valores dos contratos de TV. Somando tudo, o Milan ganhou mais de R$300 milhões - mais de dez vezes mais que o Flamengo, que é quem ganha mais da Globo por aqui. É...

7 comentários:

AF STURT disse...

A tv está na questão de o futebol europeu ,no caso o italiano se vendido para muitos países,inclusive o Brasil.

AF STURT disse...

Acho que pela primeira vez a globo conseguiu vender o brasileirão para cingapura.Refiro a tv a cabo.
Se não me engano.

Mauricio disse...

Pra onde a Globo vai vender os campeonatos é problema dela, o Flamengo é que não pode ficar acomodado nessa situação. Há algum tempo eu li que na Espanha, o Barça e o Real Madrid negociam separadamente os valores de suas cotas, o resto entra no bolo. Acho que o Flamengo tem que liderar essa pressão na Globo por uma adequação de cota proporcional à audiência que ele produz.

caiogomes disse...

Excelente post...
Sobre os direitos de TV, deve ser pq o italiano passa no mundo todo e o Brasileirão em poucos países.

Bosco Ferreira disse...

Concordo com o Mauricio. Ess deveria ser uma bandeira do FLA juntando-se com a gambazada. Os pequenos negociariam as sobras.

Viram o R Gomes? Agora ele acertou a mão nos Bambis: http://esportes.terra.com.br/futebol/estaduais/2010/noticias/0,,OI4262244-EI14489,00-Irritado+Gomes+desabafa+e+dispara+contra+criancas+mimadas.html

lussiannosousa disse...

Eu acompanho o blog 'Olhar Cronico Esportivo' e em um dos posts, o cara lá escreveu que a Globo compra o Brasileirão para manter a audiencia fixa do futebol, nao pra ganhar audiencia... o futebol na Globo - segundo ele - qusae náo é auto-sustentável. Em termos de valores, realmente - segundo esse dado - não dá para ser maior, mas como o mauricio dissse, cabe a cada um buscar o que é seu de direito. Será que o Flamengo compra essa briga com a Globo?? Acho muito difícil...

Bosco Ferreira disse...

LUCIANOSOUZA;
Se a globo democratizasse o valor do pacote, aumentaria muito os lares com assinaturas, com os atuais valores, somente a classe alta pode ter assinatura de PPW.

A grande maioria de aficcionados, são atendidos democraticamente em bares e Pubs de torcidas orgamizadas.

Mas isso é problema da globo. E quem garante que esses números apresentasdos por ela são verdadeiros?