Meu personagem da semana: Andrade*


* Texto para a coluna semanal no FlamengoRJ

O assunto rubro-negro do momento é a permanência ou não de Andrade no comando do time no ano que vem. Até umas duas semanas atrás, acho que ninguém imaginaria o treinador deixando o clube; mas, ao que parece, há uma diferença grande entre o que ele pretende receber, valorizado que está pelo título nacional, e quanto a diretoria está oferecendo. E o bem informado jornalista José Ilan soltou uma linha pessimista em seu twitter hoje cedo: “Antes era impressão; agora é certeza: Andrade tá esticando muito a corda. Se bobear ela arrebenta. Seria ruim pra ele e pro Fla.”

Vamos relembrar agora como aconteceu a efetivação de Andrade, uns meses atrás, feita pelo mesmo Marcos Braz que seguirá com Vice de Futebol na nova administração. Se com Kléber Leite era certeza que ele não seria o treinador, com a entrada de Braz ele não passou imediatamente a ser a primeira opção. Antes de confirmar a sua permanência, o Flamengo foi atrás de outras opções – e foi noticiado que uma oferta de R$80 mil por mês foi considerada “medíocre” por Vagner Mancini. Andrade foi uma escolha que deveu-se à sua simpatia junto à torcida, à percepção de que teria competência para fazer um bom trabalho – mas, principalmente, à contenção de despesas necessária no clube. Na época, avaliou-se que simplesmente não havia dinheiro pra pagar o que treinadores mais experientes andavam pedindo.

Pois bem: será que a situação financeira do Flamengo melhorou muito daquela época pra cá? É claro que o título trouxe a perspectiva de aumento de receitas, mas a coisa não mudou da água pro vinho de uma hora pra outra. E Patrícia Amorim, a nova presidente, elegeu-se com a bandeira do respeito ao orçamento, do “gastaremos só o que podemos”. Pelas notícias que lemos por aí, Andrade ganhava 50 mil, recebeu uma proposta em torno de 120 mil – mas está insistindo em receber mais que o dobro disso. E aí, como é que ficamos? Lembrando: antes de fechar com Andrade, o que sabemos é que o clube estava disposto a pagar apenas 80 mil a um treinador já com certo nome no mercado.

É inegável que Andrade fez um bom trabalho. E tenho certeza de que seria muito, muito difícil substituí-lo neste momento. Fora os aspectos técnicos, ele conquistou a confiança da torcida e, principalmente, dos jogadores – o que é algo não tão fácil de se conseguir. Qualquer outro que chegar terá esta tarefa pela frente, que se tornará ainda mais difícil se for alguém “baratinho”, sem muito cartaz por aí.

Porém, não dá pra escapar da realidade: só dá pra pagar o que dá pra pagar. É uma conta que só quem está lá dentro pode fazer, já que não temos por aqui os orçamentos todos em mãos. Mas não dá pra fazer loucuras e assumir um pagamento já sabendo antes que não será possível honrá-lo todo mês. Se pra manter Andrade for necessário dar a ele um salário além do que se previa no orçamento, algum outro corte terá que ser feito. É bom que isso seja até explicado ao técnico: não adianta pedir um salário duas vezes maior que o oferecido e ainda esperar que a diretoria gaste mais em reforços de peso, como ele já sinalizou em entrevistas por aí. O cobertor pode ficar curto demais.

Qual a solução? É esta a conclusão a que devem chegar Marcos Braz e Patrícia Amorim, que já tem uma batata quente nas mãos antes mesmo do seu mandato começar. Imaginem que o clube perca seu treinador recém-campeão por contenção de despesas, contrate outro duvidoso e barato no lugar e, uma semana depois, anuncie-se que os salários do pessoal da ginástica foram postos em dia e iniciou-se as reformas das quadras de basquete na Gávea – ainda que ela consiga justificar algo do gênero com o orçamento em mãos, como será a reação daquele pessoal que sempre se opôs a Patrícia, com medo dela desviar a grana do futebol para o esporte amador?

A minha sugestão a Andrade e à diretoria: que se feche um contrato mais próximo do que o Flamengo se diz apto a pagar e, em contrapartida, premiações polpudas por resultados, vinculadas justamente às receitas extras que classificações e títulos podem gerar. Acredito que é uma linha de negociação que pode deixar todo mundo satisfeito. Isso, claro, se árabes malucos não atravessarem o caminho.

5 comentários:

Marcos Monnerat disse...

Tô achando que o que tá rolando é isso mesmo. Ele tem uma proposta muito sinistra das arábias e quer receber uma grana de técnico top pra não topar virar marajá por lá.

Começo a achar que a permanência do Andrade na Gávea tá muito difícil de acontecer. Uma pena...

JLD disse...

É isso mesmo, André. Andrade tem que ter consciência de que, apesar de ter comandado o time no título, tem pouco mais de 50 jogos como técnico no currículo, é uma verdadeira temeridade pagar tanto por alguém que não tem experiência. A vida é uma escada, precisamos sempre escalar seus degraus, um a um. Eventualmente conseguimos pular dois ou três de uma vez, mas isso não é a regra. Dou todo meu apoio ao Braz e à Patricia neste assunto. Abs

AF STURT disse...

Quando muitos diseram que ANDRADE era idolo e não tinha capacidade para asumir o time do Flamengo eu fui contrario.O que vimos o Flamengo manteve ele e saimos na 14º para titulo que a 17 anos não ganhavamos.
Agora estamos vendo a mesma justificativa,a o Andrade não pode receber muito por que ele é não experiente.
Será que ele é menos experinete do que Mano quando vem para o Corithians ou Nei franco quando veio para Flamengo.
Será que para o Flamengo é mais importante manter no banco de reserva Gil e Denis marques a pagar um salario que andrade mereça?Leo merece ganajr mais do que o tecnico?
Andrade dedicou toda sua vida pelo Flamengo ,como jogador ,treinador da base ,auxiliar técnico e agora treinador da equipe principal.Uma hora cansa de tanto tomar porrada não é?
Lenbrando que samos hexa campeão brasileiro e o padrão é outro, inclusive na parte financeira, ou pelo menos deveria ser.

Renato Cavallera disse...

Acho que você está certo, André. Não tem como tirar jogadores para pagar o técnico, mesmo porque tem que trazer jogadores também e pelo menos bons, já que temos uma competição internacional pela frente.

Andrade mandou muito bem esse ano, mas não dá pra fazer milagre para mante-lo. Além do mais, com a proposta sugerida pelo Flamengo, dá para conseguir um bom técnico experiênte, afinal será para uma competição internacional e em um time recem campeão da mais importante competição nacional.

Na minha opinião eu não reconheço mais o Andrade de antes do Hexa. Antes ele era humilde, calmo, agora fala como se ele fosse o responsavel por tudo, quer que tudo seja como ele quer e que ele seja a estrela. Para mim subiu a cabeça do Andrade, tem seus motivos do porque isso aconteceu, mas não justifica tamanha mudança, e mais o que fez ele unir o time e conseguir o título foi a humildade dele, se não é mais assim eu sinceramente fico receoso de renovar.

Marcos André Lessa disse...

Eu concordo com o Af Stuart: Denis Marques, p.ex., tem um salário de 210 mil mensais. Quanto ganham Gil, Maxi, Alex Cruz (o q esse cara veio fazer aqui?),Aleilson etc? Pra que ter esses caras no elenco e despachar o Andrade? A conta está fácil de fechar, é só jogar o lixo fora.